10.585 – Saúde – Menu anticâncer (?)


Pergunta que move experiências em laboratório e levantamentos populacionais pelo mundo inteiro. E que faz muito sentido, uma vez que, tudo leva a crer, nossas escolhas alimentares pesam em nossa suscetibilidade a tumores. De acordo com Antônio Carlos Buzaid, chefe do Centro de Oncologia Antônio Ermírio de Moraes, do Hospital Beneficência Portuguesa, em São Paulo, embora haja controvérsia sobre o papel isolado de certos nutrientes, já não restam dúvidas de que a dieta pode interferir no destino das nossas células. “Estudos com diversas populações mostram que a ingestão adequada de vegetais diminui a probabilidade da doença”.
É aí que entra e começa a pecar o cardápio do brasileiro. Segundo a Pesquisa de Orçamentos Familiares do IBGE, nove em cada dez cidadãos consomem menos do que 400 gramas de frutas e hortaliças por dia, meta equivalente a cinco porções e recomendada pelo Fundo Internacional de Pesquisa em Câncer. Esse débito, consequência das rotinas atribuladas e das mudanças no padrão alimentar, só vem contribuir para que os números da doença no país sigam em ascensão – calcula-se que, em 2014, serão mais de meio milhão de novas vítimas. “Em vez de lavar, picar e temperar uma verdura, as pessoas partem direto para o sanduíche com embutidos”, descreve o jantar de muita gente a médica Lunamaris de Abreu, da Associação Brasileira de Nutrologia. Hoje se economiza tempo, mas amanhã ou depois…
Parece discurso batido esse de privilegiar os alimentos de origem vegetal, mas o fato é que, até o momento, nada os supera na posição de guarda-costas do organismo. Direta ou indiretamente, substâncias fornecidas por alho, tomate e brócolis impediriam danos ao DNA das células. Esses danos são o primeiro passo para a multiplicação celular perder o controle e dar origem a um tumor. Por serem fibrosos, frutas, verduras e legumes ainda promovem outra blindagem, sobretudo no sistema digestivo. “As fibras favorecem o trânsito intestinal e reduzem o contato das mucosas com moléculas cancerígenas”, aponta o nutricionista Fábio Gomes, do Inca.
No reino animal, enquanto o exagero na carne vermelha é um dos maiores alvos de crítica, a boa reputação continua mesmo a cargo dos peixes ricos em ômega-3, como a sardinha. “A ingestão rotineira dessa gordura está associada a uma queda de 14% no risco de câncer de mama”, conta Rita de Cássia Castro, professora de nutrição da Universidade Potiguar, em Natal (RN). E por que o de mama? Eis uma das questões que formam o complexo quebra-cabeça do elo entre alimentação e câncer. Ao que tudo indica, existem áreas do corpo mais sensíveis aos efeitos da dieta.

10.584 – Mega Polêmica – Vitaminas podem turbinar câncer


(o ☻ Mega questiona tais estudos)

Um estudo feito pela Universidade de Gotemburgo, na Suécia, descobriu que o consumo das vitaminas A, C e E acelerou o crescimento de tumores de pulmão em ratos de laboratório. “A taxa de sobrevivência deles caiu pela metade”, diz Martin Bergö, líder do estudo. Os cientistas constataram que as vitaminas inibem a ação de uma proteína chamada p53, que atua como supressora de tumores.

Quando detecta mutações, essa proteína obriga a célula a se suicidar antes que se multiplique e vire um tumor. Ou seja: a p53 funciona como uma patrulheira anticâncer. Em ratos, os suplementos vitamínicos reduzem a proteção natural oferecida por essa enzima.
Não se sabe se o mesmo mecanismo é válido para seres humanos, mas há indícios de que o consumo de suplementos possa ser perigoso para pessoas que já tenham tumores, ainda que pequenos, ou pertençam a algum grupo de risco.
Estudos anteriores já haviam apontado que suplementos contendo vitamina A elevam o risco de câncer de pulmão em fumantes e pílulas de vitamina E aumentam em 17% o risco de câncer de próstata em homens acima de 55 anos.
“Nosso estudo não diz nada sobre o efeito (do consumo de suplementos) em pessoas saudáveis”, adverte Bergö. Mas, por via das dúvidas, ele aconselha que as vitaminas sejam ingeridas por meio de uma alimentação balanceada – e não pelo consumo de cápsulas ou comprimidos.

De Planeta Sustentável