10.569 – Como pode um peixe vivo viver fora da água fria? – Estudo mostra como vertebrados evoluíram


peixe em terra
Para entender o que aconteceu há 400 milhões de anos, quando um grupo de peixes tentou, pela primeira vez, sair da água para depois evoluir para os vertebrados terrestres, cientistas observaram peixes similares aos seus primos mais velhos durante um ano.
O detalhe é que espécimes jovens do peixe africano Polypterus senegalus foram criados na terra. A ideia era revelar como esses bichos mais terrestres se pareceriam e se locomoveriam, especialmente sob condições estressantes, que podem acabar levando a mudanças anatômicas e comportamentais. E foi o que aconteceu.
Esse peixe, que é predominantemente aquático mas consegue absorver oxigênio do ar, passou a “andar” de maneira mais eficiente, usando suas barbatanas mais próximas do corpo, e a levantar mais a cabeça. O peitoral do animal também ficou mais alongado e forte, possivelmente para aguentar o peso da caminhada.
Os resultados, obtidos por uma equipe de cientistas da Universidade McGill, no Canadá, foram publicados na revista científica “Nature”.
As alterações anatômicas tornaram o animal semelhante aos espécimes de fósseis. Por isso, os autores afirmam que as mudanças observadas podem refletir o que de fato ocorreu no passado.
O estudo também demonstra como a plasticidade no desenvolvimento pode ter facilitado uma transição evolutiva em larga escala ao dar origem a novos traços anatômicos que mais tarde seriam “fixados” pela seleção natural.

10.568 – Paleontologia – Descoberto fósseis do maior dinossauro do mundo


dreadnoughtus
Da cabeça até a ponta do rabo, ele tinha 85 metros. E pesava 59 toneladas, o mesmo que 16 elefantes africanos. Do alto de seus 30 metros, o Deadnoughtus é o maior dinossauro de que se tem notícias até hoje. Ele foi encontrado em 2005 numa escavação ao Sul da Argentina, na Patagônia. Mas só agora, em setembro de 2014, a equipe de paleontólogos divulgou informações sobre o gigante pré-histórico.
A ossada do Deadnoughtus – algo como “O que não tem medo de nada”, em tradução livre – estava bastante completa e muito bem conservada, o que facilitou bastante os estudos. Um osso de 6 metros da sua coxa tornou possível o cálculo de seu peso. E não tem pra mais ninguém.
Quer dizer, mais ou menos. Na verdade, não dá para ter certeza do tamanho exato do dinossauro. E tem outros gigantes na disputa pelo posto de maior dinossauro de todos os tempos. Tipo aquele que foi descoberto em maio desse ano, e que pode chegar a pesar 77 toneladas. O problema é que é raro encontrar ossadas tão conservadas e completas como a do Deadnoughtus. Então, para todos os efeitos, por enquanto, ele é o maior. Vejamos a comparação feita pelos cientistas da Universidade de Drexel:

dinozão

 

 

O Deadnoughtus é um titanossauro, um tipo de dinossauro herbívoro que viveu entre 84 e 65 milhões de anos atrás, no durante o período Cretáceo. Seu nome é baseado num navio de guerra britânico da Segunda Guerra Mundial.

10.567 – Acredite se Quiser – Maconha pode retardar efeitos do Alzheimer


mcnha

 

A erva já é usada mundo afora com vários objetivos: diminuir dores, náuseas e alguns efeitos secundários de condições como glaucoma, dores nervais e câncer. Agora, em meio a diversos debates sobre a droga, cientistas descobriram que ela pode retardar ou parar completamente a progressão do Mal de Alzheimer. Mas calma. Não vai acender ainda. Segundo pesquisadores da Universidade do Sul da Flórida, a dose de maconha que tem o poder de combater o Alzheimer é mais baixa que a de um baseado.
O estudo revelou que pequenas doses de THC (uma substância química presente na erva) diminuem a concentração de uma proteína chamada beta-amiloide no cérebro. O acúmulo dessa proteína é uma das causas do Alzheimer.
Não é a primeira vez que um estudo científico apontou a eficácia do THC na luta contra o acúmulo de proteína no cérebro. Em 2006, pesquisadores do Instituto theScripps descobriram que o THC bloqueou completamente a formação de placas de beta-amiloide. Aliás, o composto funcionou melhor do que os remédios que são utilizados normalmente contra o Alzheimer.
Para os pesquisadores, em doses muito baixas, os benefícios do THC superam qualquer dano que o composto possa causar. “Não estamos defendendo que as pessoas usem drogas ilícitas para prevenir a doença”, disse o co-autor Neel Nabar. “É importante ter em mente que só porque uma droga pode ser eficaz não significa que ela possa ser usada com segurança por qualquer pessoa. Entretanto, estas descobertas podem levar ao desenvolvimento de compostos relacionados que são seguros, legais e úteis no tratamento do Alzheimer. ”

10.566 – Medicina – Os Adenomas


Hipófise1
Adenoma é definido como uma coleção de crescimentos de origem glandular. Esse tipo de neoplasia é benigna, embora possa progredir para maligna (adenocarcinoma). Pode desenvolver-se em diferentes órgãos, inclusive cólon, adrenal, hipófise, tireóide, entre outros. Mesmo sendo tumores benignos, os adenomas possuem a capacidade de causar complicações na saúde dos indivíduos que o possuem, devido à compressão que causam em outras estruturas (chamado de efeito de massa), resultando na produção de grande quantidade de hormônio de forma desregulada (síndrome paraneoplásica).
Esse tumor surge no epitélio da mucosa (estômago, intestino delgado e intestino grosso), glândulas (endócrina e exócrina) e tubos. Os locais onde costumam aparecer são:
Cólon: local muito comum, encontrados normalmente pelo colonoscopia. Não são removidos, pois possuem tendência de progredirem para malignidade, resultando em um câncer de cólon.
Renal: geralmente pequeno e assintomático, derivado dos túbulos renais
Supra-renal (adrenal): são muito comuns e encontrados com mais freqüência na região abdominal. Aproximadamente 1 em 10.000 é maligno. Alguns adenomas adrenais secretam cortisol resultando em síndrome de Cushing, aldosterona que causa a síndrome de Conn, ou andrógeno que resulta em hiperandrogenismo.
Tireóide: em aproximadamente 1 entre 10 pessoas apresentam nódulos na tireóide. A investigação se faz necessária, pois uma pequena percentagem é maligna. A confirmação normalmente é feita através da biópsia, mas a cirurgia às vezes é necessária, principalmente quando são encontradas células do tipo foliculares na biópsia.
Hipófise: em aproximadamente 10% dos pacientes com problemas neurológicos apresentam adenoma. O tratamento geralmente é cirúrgico, sendo que o paciente responde muito bem a ele. O subtipo mais encontrado é o prolactinoma, visto com maior freqüência em mulheres, e comumente diagnosticada no período de gestação, pois o prolactinoma aumenta de tamanho nessa época.
Fígado: podem ser encontrados adenomas hepatocelulares, adenomas hepáticos, mas estes são benignos e raros. Podem levar à hepatomegalia ou outros sintomas. Seu aparecimento está associado com o uso de anticoncepcionais orais.
Pulmão: o adenoma que aparece no pulmão é o alveolar. É uma neoplasia benigna rara, sendo o paciente freqüentemente assintomático, encontrado normalmente acidentalmente.
Mama: quando os adenomas estão na mama, recebem o nome de fibroadenomas. Geralmente são muito pequenos e difíceis de descobrir; freqüentemente não há nenhum sintoma. Os tratamentos podem incluir uma biópsia de agulha, remoção ou ambos.
Apêndice: adenomas também podem estar presentes no apêndice. É muito raro, mas pode acontecer. O subtipo mais comum é denominado de cistadenoma.