10.136 – A blindagem contra radiação de celulares funciona?


Quase todo mundo tem um celular, e há alguns anos, o temor de que os campos eletromagnéticos (CEMs) dos telefones sejam cancerígenos criou um enorme mercado potencial.
Alguns consumidores usam fones de ouvido para falar ao celular, outros compram protetores especiais que são inseridos nos celulares e supostamente bloqueiam as ondas eletromagnéticas nocivas.
No início desta semana, na seção Ciência do New York Times, um anúncio de página inteira divulgava um certo Aires Shield, que promete “neutralizar a radiação nociva” dos celulares. Segundo o material promocional, a radiação pode causar depressão, estresse, dores de cabeça, insônia, depressão e até câncer no cérebro.
Disponível em uma ampla variedade de modelos, que custam entre 39 dólares (Aries Shield, “um microprocessador de silício que decompõe oscilações nos campos eletromagnéticos”) a 249 dólares (Aires Defender Utility, “com dois microprocessadores de última geração, que fornecem proteção universal contra a poluição eletromagnética das frequências de banda larga”).
O conteúdo do site da empresa discorre sobre hologramas, modelos fractais e energias. Apesar da aparência arrojada, há razões para desconfiar de que o Aires Shield e outros escudos antirradiação não estejam à altura do que prometem.
Por exemplo, embora o anúncio afirme que o produto é “premiado e clinicamente aprovado”, não há nenhuma informação ou evidência disponível que comprove cientificamente sua eficácia. O site está repleto de erros ortográficos, o que é bem estranho para uma empresa multinacional de alta tecnologia.
A página “Pesquisas”, por exemplo, afirma que “A Aires Technologies são mais de 12 anos (sic). Durante esse período, foi realizada uma série de estudos sobre os mecanismos de transformadores coesos, com efeito sobre os processos físicos, químicos, tecnológicos e biológicos. Os estudos foram realizados em estreita colaboração com as principais instituições acadêmicas e de pesquisa”.
Há poucas referências a estudos já publicados ou artigos científicos que comprovem que o blindagem da Aires (ou qualquer outra) realmente funciona. A página
“Pesquisas” contém uma lista impressionante de estudos que parecem científicos e descobertas que demonstram a importância de produtos do gênero contra a radiação dos celulares – por algum motivo, todos da Rússia.
A maioria das pesquisas é atribuída a uma certa “UPEPP”, provavelmente a Universidade Politécnica Estadual de São Petersburgo, e algumas delas teriam sido realizadas pela Academia Médica Militar de Kirov. No entanto, não está claro por que uma academia militar conduziria testes clínicos sobre radiação de celulares de uso civil. Os nomes dos cientistas responsáveis foram omitidos, assim como quaisquer resultados publicados.
Recheada de fotos aleatórias de bancos de imagens e ilustrações genéricas de cientistas, laboratórios e cérebros, a linguagem do site é intencionalmente complicada, entremeada por jargão médico. Na verdade, até uma leitura superficial dos estudos citados desperta suspeitas, sugerindo que a informação não é confiável. Por exemplo, um dos “estudos” afirma que “um organismo humano vivo consiste principalmente de água (95% de água na infância e 60% na velhice)”.
W. Kim Johnson, físico aposentado e ex-presidente da Academia de Ciências do Novo México, analisou o site da Aires para o Discovery Notícias e afirmou que o material é “balela”. “Os autores da descrição técnica do dispositivo da Aires parecem usar uma seleção aleatória de termos técnicos. A descrição do dispositivo é puro jargão e, no fim das contas, não quer dizer nada”.
O fato é que a blindagem contra a radiação eletromagnética é desencessária porque os celulares não são perigosos. E os cientistas citam várias razões para os mecanismos que supostamente prejudicam a saúde serem cientificamente improváveis.
Para começar, os campos eletromagnéticos gerados pelos celulares não são potentes o bastante para romper as ligações moleculares e químicas nas células humanas e, portanto, não podem danificá-las como a radiação ionizante. Além disso, os campos elétricos gerados pelos celulares são muito mais fracos que os que ocorrem naturalmente no interior do organismo.
Abaixo, segue o trecho de uma conclusão publicada em uma revista científica sobre as ligações entre campos eletromagnéticos, celulares e saúde: “A pesquisa epidemiológica mostra um nível baixo de associação, inconsistências e relações ausentes de dose/efeito. Um mecanismo biológico de ação ainda é discutível. Não foi comprovado nenhum dano à saúde humana. Conclusão: não há base científica para os efeitos nocivos dos CEMs sobre a saúde humana”.
Segundo Johnson “o corpo humano é constantemente exposto a muitas outras fontes de radiação eletromagnética de baixa e alta frequência, tanto naturais como artificiais. Os celulares emitem uma quantidade de energia tão pequena que nem se compara à exposição normal às fontes de radiação eletromagnética”.