9966 – Primeiro Tubarão Inseminado Artificialmente Nasce no Aquário de Melbourne


primeiro-tubarao

Do Discovery para o Mega

O Aquário de Melbourne, na Austrália, anunciou o nascimento do primeiro tubarão inseminado artificialmente, fruto de um projeto que visa preservar espécies ameaçadas por meio da reprodução assistida.
O filhote de tubarão-bambu (Chiloscyllium punctatum) nasceu no dia 3 de março, encerrando um processo que começou em setembro, quando os aquaristas coletaram uma amostra de sêmen em Mooloolaba, no nordeste da Austrália. O sêmen foi enviado para Melbourne e inseminado na fêmea no mesmo dia. Segundo o aquário, o filhote é o primeiro tubarão concebido in vitro a nascer de uma amostra de sêmen fresco.
Segundo Rob Jones, veterinário do aquário, o nascimento do filhote de 16 centímetros – que deve atingir entre 1,2 e 1,5 metros de comprimento quando adulto – foi um marco na utilização de tecnologias de reprodução assistida.
“Este é um grande salto”, afirmou. O nascimento é o resultado de um projeto de nove anos que estuda os comportamentos reprodutivos dos tubarões, animais comuns na Austrália, mas pouco compreendidos em todo o mundo.
A equipe espera que a pesquisa ajude a criar planos de manejo para espécies criticamente ameaçadas, sobretudo o tubarão-lixa (Ginglymostoma cirratum). Calcula-se que restem apenas 1.500 exemplares na costa leste da Austrália.
O ovo, um dos vários depositados pela fêmea em novembro, mas o único viável, foi monitorado semanalmente durante o período de incubação de 112 dias. “A cada tentativa de inseminação, continuamos a aprender sobre os comportamentos reprodutivos das espécies australianas de tubarão”, declarou o consultor de pesquisa do aquário, Jon Daly. “Esperamos usar essa tecnologia para reproduzir tubarões-lixa em cativeiro e aumentar sua população nos próximos anos”.
Os tubarões são um uma ameaça conhecida a banhistas, mergulhadores e surfistas em todo o litoral do país, e estão sujeitos a um abate polêmico nos estados do oeste, depois de uma série de ataques fatais nos últimos anos. A política de capturar e matar qualquer tubarão-branco, tigre ou cabeça-chata com mais de três metros nas populares praias da costa oeste foi condenada por conservacionistas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s