9938 – Radiação infravermelha da Terra pode ser fonte de energia


Físicos da Faculdade de Engenharia e Ciências Aplicadas da Universidade Harvard conceitualizaram um dispositivo que produziria energia das emissões naturais de raios infravermelhos da Terra para o espaço.
O planeta emite continuamente 100 milhões de gigawatts de calor infravermelho, o bastante para satisfazer as necessidades de energia do mundo milhares de vezes. Se a tecnologia pudesse capturar mesmo uma fração disto, os problemas de energia da humanidade estariam resolvidos.
Aquecida pelo sol, a Terra é quente comparada ao frio vácuo do espaço. Por conta de recentes avanços tecnológicos, os cientistas afirmam que este desequilíbrio de calor logo poderia ser transformado em eletricidade de corrente contínua, aproveitando uma fonte de energia vasta e não explorada.
Um dos dispositivos imaginados pelos físicos lembraria um painel solar fotovoltaico, mas em vez de capturar a luz invisível, geraria eletricidade emitindo a luz infravermelha. O mecanismo consistiria em uma chapa “quente” em temperatura ambiente, e de ar abaixo de uma placa “fria”, virada para cima e feita de um material de alta capacidade de emissão que resfria ao emitir com grande eficiência o calor da radiação para o espaço.
Os pesquisadores calculam que a diferença de calor entre as placas poderia gerar alguns watts por metro quadrado, dia e noite. Seria difícil manter a placa “fria” mais fria que a temperatura ambiente, mas o princípio geral funciona.
O segundo mecanismo proposto usa as diferenças de temperatura entre diodos de nanoescala e antenas, informa o International Business Times.