9938 – Radiação infravermelha da Terra pode ser fonte de energia


Físicos da Faculdade de Engenharia e Ciências Aplicadas da Universidade Harvard conceitualizaram um dispositivo que produziria energia das emissões naturais de raios infravermelhos da Terra para o espaço.
O planeta emite continuamente 100 milhões de gigawatts de calor infravermelho, o bastante para satisfazer as necessidades de energia do mundo milhares de vezes. Se a tecnologia pudesse capturar mesmo uma fração disto, os problemas de energia da humanidade estariam resolvidos.
Aquecida pelo sol, a Terra é quente comparada ao frio vácuo do espaço. Por conta de recentes avanços tecnológicos, os cientistas afirmam que este desequilíbrio de calor logo poderia ser transformado em eletricidade de corrente contínua, aproveitando uma fonte de energia vasta e não explorada.
Um dos dispositivos imaginados pelos físicos lembraria um painel solar fotovoltaico, mas em vez de capturar a luz invisível, geraria eletricidade emitindo a luz infravermelha. O mecanismo consistiria em uma chapa “quente” em temperatura ambiente, e de ar abaixo de uma placa “fria”, virada para cima e feita de um material de alta capacidade de emissão que resfria ao emitir com grande eficiência o calor da radiação para o espaço.
Os pesquisadores calculam que a diferença de calor entre as placas poderia gerar alguns watts por metro quadrado, dia e noite. Seria difícil manter a placa “fria” mais fria que a temperatura ambiente, mas o princípio geral funciona.
O segundo mecanismo proposto usa as diferenças de temperatura entre diodos de nanoescala e antenas, informa o International Business Times.

9937 – El Niño poderá chegar mais cedo no Hemisfério Norte


Fenômeno traria chuvas torrenciais sobre a América do Sul

el-nino-hemisferio-norte

O temido El Niño, fenômeno de aquecimento de águas de superfície no Pacífico, e que pode provocar seca no sudeste da Ásia e na Austrália, e enchentes na América do Sul, deverá ocorrer no próximo verão do hemisfério norte.
Em seu alerta mais seguro em quase 18 meses, o Centro de Previsão do Clima dos EUA diz em seu relatório mensal que as condições neutras de El Niño devem continuar pela primavera, mas há uma chance de 52% de desenvolvimento de sua atividade no verão ou no outono.
“Temos uma probabilidade maior. Não muita, mas o bastante para sentirmos que devemos começar a chamar atenção para a situação”, disse na sexta-feira Michelle L’Heureux, cientista do clima do Centro, em Maryland. “Isto não é uma garantia, mas estamos divulgando este alerta para que as pessoas fiquem conscientes”.
A previsão está alinhada com a de outros meteorologistas, segundo os quais aumentou o potencial de retorno do El Niño este ano.
O Escritório de Meteorologia da Austrália havia afirmado em 25 de fevereiro que “o aquecimento do Pacífico provavelmente ocorrerá nos próximos meses”, notando que os modelos do clima mostram temperaturas oceânicas que “se aproximam ou ultrapassaram limiares do fenômeno no inverno austral”.
Borracha, açúcar, café e natural são algumas das commodities que podem flutuar por conta do El Niño, que geralmente ocorre a cada três ou cinco anos e dura meses. O fenômeno causa com frequência invernos mais quentes no norte dos EUA, chuvas mais fortes no Sul da Argentina e no Brasil, e condições mais secas no sudeste da Ásia e Indonésia.
O El Niño que aconteceu em 1982-83 causou U$ 8.1 bilhões de danos no mundo e levou a esforços de monitoração mais acuradas do aquecimento do oceano, de acordo com a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA, informa a Bloomberg.

9936 – Morre aos 81 anos o ator Paulo Goulart


Ministro no Nosso Lar
Ministro no Nosso Lar

O ator Paulo Goulart morreu em 13 de março, às 13h15, aos 81 anos, devido a complicações em decorrência de um câncer renal avançado, contra o qual lutava havia cerca de cinco anos. Ele estava internado no Hospital São José – Beneficência Portuguesa, em São Paulo.
O velório acontece no Theatro Municipal, das 23h30 desta quinta às 13h de sexta (14), aberto ao público. O enterro será às 14h no Cemitério da Consolação.
Ator com extensa carreira no teatro, na televisão e no cinema, ele era casado com a atriz Nicette Bruno e tinha três filhos, as atrizes Beth Goulart e Bárbara Bruno e o ator Paulo Goulart Filho.
Paulo Afonso Miessa nasceu em 9 de janeiro de 1933 em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. Seu sobrenome artístico —Goulart— veio de seu tio, o radialista Airton Goulart.
Passou parte da infância na fazenda de plantação de café e depois criação de gado, mas logo mudou-se para Olímpia, também no interior do Estado, onde seu pai fundou uma rádio. Goulart trabalhou nela, primeiro como DJ e operador de som. Aos 13, foi promovido a locutor.
Já crescido, mudou-se para São Paulo para estudar química industrial. “Cheguei até o segundo ano [do curso] e descobri minha verdadeira vocação. Graças a Deus, o teatro me tirou da química”, disse ele em entrevista à Folha, em 2010.

Espírita convicto, participou de dois filmes ligados à religião: “Chico Xavier, o Filme” e “Nosso Lar”. Também escreveu a peça teatral “Sete Vidas” —uma das seis assinadas por ele—, depois publicada como livro.

Sobre o fato de seus filhos terem todos seguido carreiras artísticas, ele disse: “Eu estou sempre fazendo o papel de pai de atores que têm quase a minha idade. Eu comecei muito cedo a fazer personagens que são pais, talvez porque, na vida real, eu seja um paizão —e me orgulho disso!”.

O gosto pela minúcia também se traduziu em gastronomia, seu maior hobby. Teve um restaurante, o Don Paolo, em São Paulo, e lançou um livro de receitas com Nicette, “Grandes Pratos e Pequenas Histórias de Amor”.

Paulo Goulart e Nicette Bruno já foram prestigiados como um casal. Ganharam, em 2006, um Prêmio Shell Especial pela união e trabalho desenvolvidos em 20 anos de carreira. E em 2009, o Prêmio Especial da Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) pelo projeto “Teatro nas Universidades”.

Além dos três filhos, Goulart deixa sete netos (três dos quais se tornaram atores) e duas bisnetas.

TRAJETÓRIA

1952
Primeira novela, ‘Helena’, adaptação de Manoel Carlos para o romance homônimo de Machado de Assis, na TV Paulista
Convidado por Nicette Bruno, na época do elenco da companhia Teatro do Alumino, estreia no teatro com a peça ‘Senhorita Minha Mãe’, de Louis Verneuil, dirigida por Abelardo Figueiredo.

1953
Funda, com Nicette Bruno, a companhia Teatro Íntimo

1956
Participa da montagem da peça ‘Vestido de Noiva’ de Nelson Rodrigues, com a companhia de Henriette Morineau

1957
Estreia no cinema com o filme ‘Rio Zona Norte’, de Nelson Pereira dos Santos

1966-68
Atua nas novelas ‘As Minas de Prata’, ‘Os Fantoches’ e ‘O Terceiro Pecado’, escritas por Ivani Ribeiro para a TV Excelsior

1969
Atua nas novelas ‘A Cabana do Pai Tomás’ (Hedy Maia) e ‘Verão Vermelho’ (Dias Gomes), da TV Globo

Na trama de Dias Gomes, Goulart integra o triângulo amoroso central junto a Jardel Filho e Dina Sfat

1972
É o par romântico de Marília Pera na novela da Globo ‘Uma Rosa com Amor’, de Vicente Sesso

1974
Ganha os prêmios da APCA e o Molière de Melhor Ator por sua atuação na peça ‘Orquestra de Senhoritas’, de Jean Anouilh, com direção de Luís Sérgio Person.

1977-79
Na TV Tupi, atua nas novelas ‘Éramos Seis’ e ‘Gaivotas’

1980
Na Globo, participa das novelas ‘Plumas e Paetês’ (Sílvio de Abreu),

1986
Faz a novela ‘Roda de Fogo’ ( Lauro César Munis), na TV.

1988
Na TV Bandeirantes, atua na minissérie ‘Chapadão do Bugre’, adaptação de Antônio Carlos da Fontoura para a obra de Mário Palmério, e na Globo, participa da novela ‘Fera Radical’, de Walther Negrão.

1991
Na novela ‘O Dono do Mundo’ (TV Globo), de Gilberto Braga, interpreta o pai do vilão vivido por Antônio Fagundes.

1993
Interpreta o vilão Donato no remake de ‘Mulheres de Areia’, de Ivani Ribeiro, na TV Globo.

1999-2000
Participa das minisséries da Globo ‘Auto da Compadecida’, adaptação de Guel Arres, Adriana Falcão e João Falcão e ‘Aquarela do Brasil’, de Lauro César Muniz.

2004
Integra elenco das minssérie ‘Um Só Coração’, de Maria Adelaide Amaral, na TV Globo.

2006-7
Na Globo, faz as minisséries ‘JK’ (Maria Adelaide Amaral) e ‘Amazônia – de Galvez a Chico Mendes’ (Gloria Perez) e participa da novela ‘Duas Caras’ (Agnaldo Silva).

2010-11
Entra nos elencos das novelas da Globo ‘Cama de Gato’ (Duca Rachid e Thelma Guedes) e ‘Morde & Assopra’ (Walcyr Carrasco)