9443 – Mega Bloco – Bíblia, um livro de 30 séculos


Biblia Veja

Ele moldou culturas e civilizações e essa força permanece nos dias de hoje, mesmo depois de 30 séculos após serem escritos os primeiros manuscritos.

Um livro histórico, sagrado, ou apenas uma ferramenta em que diversos grupos possam manejar em busca de poder e supremacia?
A Religião nunca deixou de ser a força motriz dos rumos da história do homem.
Um nova-iorquino nascido em uma família sem nenhuma inclinação religiosa tentou seguir a Bíblia ao pé da letra, novo e velho testamento.
Ele lançou um livro chamado “O Ano de Viver Biblicamente”. Lançado em 2007: suou frio para apedrejar um adúltero, como manda o Velho Testamento, cultivou uma barba que teimava em guardar vestígios das últimas refeições e deixou de contar as mentirinhas sociais que ajudam na civilização, se passando por malcriado. O livro, é claro, é um golpe publicitário, mas é também uma experiência curiosa. Seria possível viver hoje como se vivia a 3200 anos atrás?
Alguns judeus e evangélicos acham que sim. Mas não há hoje nenhuma comunidade religiosa judaica ou cristã que endosse a barbárie do apedrejamento.
Traduções e tradições tem deturpado o conceito contemporâneo do que é ser justo e civilizado. Estilos radicalmente contrastantes são ditos por comentaristas bíblicos como por exemplo um Jacó teatral e um frio Judá, em relação aos filhos. Justapondo reações é um juízo sobre dois personagens.
Para ateus e agnósticos, uma boa razão para ler a Bíblia é que mesmo quem não cre, compartilha a mesma herança que os que creem.
Um intricado mosaico no que toca as possibilidades de interpretação.

A Bíblia para os judeus
Antigo Testamento, é uma expressão cristã. Os judeus chamam tais textos compostos entre os séculos 12 aC e 2 aC de Tanakh, um acrônimo para as 3 partes de sua Bíblia:

Torá ou os livros da Lei, subdividida em Gênese, Êxodo, Levítico, Números e Deuteronômio.

Nevim, ou os livros dos profetas, subdivididos em Josué, Juízes, Samuel, Reis, Isaías, Jeremias, Ezequiel e Profetas Menores.

Ketuvim, ou os chamados poéticos, que se subdividem em Salmos, Provérbios, Jó, Cântico dos Cânticos, Ruth, Lamentações, Eclesiastes, Ester, Daniel, Ezra, Crônicas.

Para os Católicos
Contém todos os livros aceitos pelso judeus, embora a sua ordem de interpretação e ênfase possa variar.
O Antigo Testamento católico tem alguns livros chamados de deuterocanônicos, são eles:

Tobias, Judite,1Macabeus, Sabedoria, Sirácides ou Eclesiástico, Baruque, Acréscimos Gregos a Esther, Acréscimos Gregos a Daniel.

As Igrejas Ortodoxas Grega e Russa reconhecem outros livros deuterocanônicos ainda: 3Macabeus, 1Esdras e Oração de Manasseh, além do Salmo 151.

O Novo Testamento
Um volume de 5 tradições judaicas e cristã é composto por 27 livros:

Os Evangelhos sinópticos de Marcos, Mateus, Lucas e João, mais os Atos dos Apóstolos.
As Epístolas Paulinas, ou as cartas em que São Paulo, um judeu das classes altas que perseguia os cristãos até se converter à sua religião, se dirige aos romanos, aos coríntios e ao tessalônicos, entre outros.
As Epístolas Gerais ou Judaicas, entre as quais, o Apocalipse de S. João.

Para os Protestantes:
Parece-se mais com a Tanakh judaica que com o velho testamento da Bíblia católica, já que a maioria dos ramos protestantes e evangélicos não aceitam os livros deuterocanônicos como parte de sua doutrina. Para eles, tais livros são apócrifos, ou seja, destituídos de autoridade e legitimidade canônica.