7981 – Mega Curiosidades – Maior mastro do mundo: Difícil é hastear a bandeira


Um instrumento de propaganda ideológica para mostrar a superioridade comunista. Esse foi o motivo que levou o governo da Coréia do Norte a erguer a poucos metros da fronteira com a Coréia do Sul, capitalista, o mastro mais alto do mundo. Construído em 1953 na cidade de P’anmunjom, ele tem 160 metros de altura e sustenta uma bandeira norte-coreana com 30 metros de comprimento, que pode ser avistada da nação vizinha. A obra provocadora está exatamente no local onde foi assinado o tratado de paz entre os dois países após o conflito que se estendeu de 1950 a 1953.

A estrada mais baixa do mundo fica em Israel. Foi construída em 1958 na costa do Mar Morto, que está 393 metros abaixo do nível do mar. A rodovia que acompanha um dos pontos históricos do Oriente Médio é formada por um complexo de estradas que ligam a região à cidade de Jerusalém. Com seis vezes mais sal do que o oceano, as águas do Mar Morto são tão densas que o corpo humano não afunda nelas.

Uma superponte suspensa
Em abril de 1998 foi aberta a ponte pênsil Akashi-Kaikyo, ligando a cidade de Kobe à ilha de Awaji, no Japão. Seu trecho principal, de 1 991 metros, e o comprimento total, de 3 911 metros, fazem dela a ponte suspensa por cabos mais longa do mundo. As torres de aço alcançam 297 metros acima do nível do mar. As obras, que duraram quase uma década, foram tocadas de modo a não atrapalhar o fluxo diário de 1 400 embarcações que cruzam o canal.

7980 – Qual a maior galeria de arte do mundo?


TheStateHermitageMuseum_1335455939_org

Erguido sobre um aterro no rio Neva, em São Petersburgo, na Rússia, o State Hermitage Museum (Museu do Patrimônio Nacional) é um complexo de seis prédios que reúne obras datadas desde a Idade da Pedra até o século 20. Para conhecer toda a coleção da maior galeria de arte do mundo, com 3 milhões de itens, incluindo pinturas, esculturas, jóias e porcelanas, é necessário ter fôlego de maratonista: o visitante deve estar preparado para caminhar o equivalente a 24 quilômetros. A primeira construção do complexo foi o Palácio de Inverno, projetado em estilo barroco pelo arquiteto italiano Francesco Bartolomeo Rastrelli e executado entre 1754 e 1762.

Sua vasta coleção possui itens de praticamente todas as épocas, estilos e culturas da história russa, européia, oriental e do norte da África, e está distribuída em dez prédios, situados ao longo do rio Neva, dos quais sete constituem por si mesmos monumentos artísticos e históricos de grande importância. Neste conjunto o papel principal cabe ao Palácio de Inverno, que foi a residência oficial dos Czares quase ininterruptamente desde sua construção até a queda da monarquia russa.
Organizado ao longo de dois séculos e meio, o Hermitage possui hoje um acervo de mais de 3 milhões de peças. O museu mantém ainda um teatro, uma academia musical e projetos subsidiários em outros países. O núcleo inicial da coleção foi formado com a aquisição, pela imperatriz Catarina II, em 1764, de uma coleção de 225 pinturas flamengas e alemãs do negociante berlinense Johann Ernest Gotzkowski.
O Palácio Menshikov
Localizado na ilha Vasilyevsky, foi construído por encomenda do primeiro governador de São Petersburgo, e as obras se estenderam de 1710 até 1721, seguindo o plano original de Giovanni Mario Fontana, e continuado por Johann Gottfried Schaedel, num estilo barroco elegante e decorado com colunas, pilastras e um frontão no centro.
O Grande Hermitage
O prédio foi construído entre 1771 e 1787 por ordem de Catarina II a fim de abrigar a imperial coleção de arte e biblioteca. Yury Veldten, autor do projeto, desenhou um palácio com três andares em um estilo neoclássico austero, que se harmonizava com o complexo de edifícios do entorno. Uma nova ala foi acrescentada em 1792 por Giacomo Quarenghi, como uma réplica da afamada Galeria de Rafael no Vaticano, interligada ao Pequeno Hermitage por uma galeria e ao Teatro por uma ponte sobre o Canal de Inverno.

Exposição permanente no Palácio Konstantinovsky, instalada num edifício antigamente de propriedade dos Romanov em Strelna e que hoje faz parte do complexo dos Palácios do Congresso. Neste palácio o Hermitage mantém uma área expositiva permanente que inclui o Museu de Condecorações e o Museu de Heráldica.
Centro Expositivo Hermitage-Kazan, estabelecido em parceria com a República do Tartaristão, sendo uma subdivisão do Museu Histórico e Arquitetônico do Kremlin de Kazan, ocupando cerca de 1.000 m² entre salas de exposição e administração, e com planos de expansão. Este projeto iniciou em 1997 com a abertura da mostra O Tesouro do Cã Kubrat, seguida de várias outras que têm atraído grande atenção do público.

7979 – A Mega Usina de Itaipu


A Usina Hidrelétrica de Itaipu, um empreendimento binacional do Brasil e do Paraguai no rio Paraná, é a maior em operação no mundo, com potência de 12 600 megawatts e 18 unidades geradoras. A produção recorde de 2000 – 93,4 bilhões de quilowatts/hora – supriu 95% da energia elétrica consumida no Paraguai e 24% da demanda brasileira. A obra monumental do regime militar brasileiro nasceu em 1970, depois que um consórcio ítalo-americano venceu a concorrência para elaborar o projeto. Em 1975, a usina começou a sair do papel, sob protestos dos que não queriam ver submergir as belas cachoeiras chamadas de Sete Quedas do Iguaçu.
A construção ocorreu por etapas. A primeira, iniciada em outubro de 1978, foi a abertura do canal de desvio do rio Paraná, que secou um trecho do leito original para a construção da principal barragem de concreto. Em outubro de 1982, as comportas do canal de desvio foram fechadas, criando o reservatório da usina. O lago de Itaipu, com 1 350 quilômetros quadrados, formou-se em 14 dias. Em maio de 1984, entrou em operação a primeira unidade geradora.

7978 – Mega Almanaque – A Praça da Paz Celestial


A maior praça do mundo, a Praça da Paz Celestial, em Pequim, é freqüentemente lembrada como o local do massacre de estudantes chineses durante uma manifestação pela democracia em 1989. Também foi ali, naqueles 39,6 hectares (ou 396 000 metros quadrados), que o líder Mao Tsé-Tung fundou, meio século anos antes, a República Popular da China. A praça nasceu pequenina, em 1420, durante a Dinastia Ming, e era difícil imaginar que cresceria a ponto de abrigar um milhão de pessoas. Naquele tempo, ela era ocupada por oficiais imperiais que viviam na Cidade Proibida e tinha o formato de T. Hoje, as marcas do período imperial estão na Porta da Paz Celestial, ao norte, e na Porta da Frente, ao sul.
A partir de 1959, a praça ganhou novos monumentos e prédios – os museus da China Revolucionária e da História Chinesa, o Grande Salão do Povo, o Monumento aos Heróis do Povo e o Mausoléu de Mao. Em 2003, foi inaugurado o Museu Nacional da China, uma obra que custou 120 milhões de dólares. Os números referentes à Praça da Paz Celestial são sempre grandiosos. Na última reforma realizada no local, em 1999, 600 000 tijolos – todos originais de 1958 – foram trocados por novos.

7977 – CN Tower – Maior que a Torre de Babel


toronto-cn-tower

Cartão-postal de Toronto, no Canadá, a CN Tower, tem 181 andares, seis elevadores e 553,33 metros de altura, sendo a mais alta construção do planeta. Importante centro de telecomunicações e turismo da cidade – com cerca de 2 milhões de visitantes por ano –, a torre foi inaugurada em 1976 pela Canadian National Railway e custou 260 milhões de dólares. A construção mobilizou o trabalho de 1 537 operários, ao longo de 40 meses. Para pôr em pé o ponto culminante da engenharia mundial, foram utilizados 40 523 metros cúbicos de concreto, 5 600 toneladas de aço e 128,7 quilômetros de cabos de aço.
A construção da CN Tower pretendia solucionar o problema de transmissão de microondas provocado pelo excesso de arranha-céus erguidos a partir de 1960 na cidade canadense. A torre, que tem antenas a 338 metros e no topo, a 553,33 metros, garante aos moradores de Toronto uma das mais perfeitas transmissões de imagem e som do mundo. Só mudou o dono: hoje, ela pertence à Canada Land Company, uma corporação federal responsável pelo financiamento de imóveis. Os visitantes podem almoçar e jantar nos restaurantes panorâmicos ou curtir a vista nos diques de observação. O restaurante mais concorrido, chamado 360, fica a 351 metros de altura. E o mais legal: o piso dá uma volta completa a cada 72 minutos, proporcionando uma das mais belas vistas da cidade.

7976 – O Aeroporto Internacional de Hong Kong


Marco arquitetônico do século 20, o Aeroporto Internacional de Hong Kong tem o maior terminal de passageiros do mundo, que maravilha pelo tamanho, pela alta tecnologia e pela velocidade com que foi construído. Em forma de Y, o prédio ocupa uma área total de 516 000 metros quadrados, distribuídos em oito pavimentos – três abaixo e cinco acima do solo –, e 30 000 metros quadrados destinados a lojas e bancos. É preciso fôlego para dar a volta no terminal. Afinal, são cinco quilômetros de paredes de vidro. A infra-estrutura do aeroporto inclui 38 pontes de acesso aos aviões, 27 pontos para estacionamento de aeronaves e um hall de bagagens do tamanho do Yankee Stadium, de Nova York, por onde passam até 5 500 passageiros por hora. O empreendimento, com projeto do arquiteto inglês Norman Foster, custou 20 bilhões de dólares.
O maior terminal do mundo foi erguido em apenas três anos numa ilha artificial, a Chek Lap Kok, com seis quilômetros de comprimento por 3,5 quilômetros de largura. Apenas 25% dessa área existia antes da construção. O restante foi obtido com aterros sobre o mar, o que exigiu o depósito de 197 milhões de metros cúbicos de material. Durante a construção, as máquinas movimentavam cerca de 10 toneladas por segundo. O mais impressionante é que o aeroporto ainda está em fase de expansão e pode chegar a 550 000 metros quadrados. A previsão é que, em quarenta anos, ele receba anualmente 87 milhões de passageiros, movimentando nove milhões de toneladas de carga, com 375 000 pousos e decolagens. É que metade da população da Terra vive a menos de cinco horas de vôo da cidade.

aeroporto hong kong

A instalação foi construída a partir de una pequena ilha, Chek Lap Kok, que foi devastada pouco a pouco, colocando seus resíduos sobre o mar para ganhar terreno e formar uma ilha maior. Porque de sua localização nesta ilha, o aeroporto é também conhecido localmente como Aeroporto Chek Lap Kok.

Tem capacidade para transportar 35 milhões de passageiros ao ano e é empresa principal para Cathay Pacific, Dragonair, Hong Kong Express Airways, Hong Kong Airlines, Oasis Hong Kong Airlines e Air Hong Kong.
Seu terminal aéreo foi desenhado pelo arquitecto Norman Foster.