7810 – Odontologia – Uma dentista de mortos


Ele é feio, nojento, inconveniente. Mas para a americana Christina Warinner, o tártaro é o maior dos tesouros – uma chave para desvendar civilizações antigas. Christina é arqueogeneticista na Universidade de Zurique, na Suíça, onde se especializou num trabalho inusitado: examinar os dentes de cadáveres fossilizados, encontrados em sítios arqueológicos espalhados pela Europa.
A arqueologia costuma trabalhar com múmias, que são ricas em DNA, mas difíceis de encontrar, e esqueletos – que são mais comuns, mas não revelam tantos dados. Já o tártaro junta as qualidades de ambos. “Ele pode ser encontrado em todo lugar, fossiliza como um esqueleto e retém muitas informações”, explica Christina. Tudo porque os povos antigos tinham dificuldades de higiene bucal. Quando vamos ao dentista e fazemos uma limpeza, de 15 a 30 miligramas de tártaro são removidos. Milhares de anos atrás, uma pessoa chegava a acumular 600 miligramas ao longo da vida.
Atualmente, Christina está analisando dentes encontrados num cemitério medieval alemão do ano 1100. Mas sua equipe também começou a coletar tártaro de pessoas vivas, com a intenção de formar um banco de dados para futuros pesquisadores. “Em nome dos futuros arqueólogos, gostaria de pedir: pensem duas vezes antes de escovar os dentes”.