7639 – Áudio – Os Equalizadores Gráficos


Equalizador-Cygnus-GE-muito-novo-20121203205421

São aparelhos de som desenvolvidos na década de 1970 empregados para se fazer a equalização paramétrica, isto é, alterar parâmetros que por sua vez alteram a curva de resposta em freqüência em Quilohertz do sinal de áudio. Quanto menor a frequência em Hertz mais grave será som e, quanto maior a freqüência mais agudo. Um equalizador possui diversas faixas de equalização, isto é, controles de intensidade (amplitude) do sinal para as diversas freqüências que o aparelho comportar. Normalmente os aparelhos possuem 10 faixas (uma faixa para cada oitava) ou 30 faixas (uma para cada terço de oitava). É um item muito importante dos aparelhos de som, pois sem ele não se pode corrigir certas falhas da freqüência principalmente referentes aos graves e agudos.
No estúdio de gravação deve ser colocado em um ponto em que possa ser gravado pois em um ponto que serve só como monitoração pode “enganar” o técnico de som. A grande utilidade do equalizador é que a mesa de som é deficiente em agudos (não atinge o nível ideal de agudos) e o microfone e os instrumentos musicais exigem mais para chegar ao padrão universal de agudos. O equalizador deve ser aplicado na gravação e não em pós-edição. Para gravar deve ser ajustado o mais próximo possível do ideal, para se tentar evitar de ter-se que equalizar em pós-edição por preguiça de regravar. Em pós-edição o equalizador tira peso (potência dos agudos) mas na gravação mantém o peso. Muitos erram e gravam plano e depois equalizam. O som pode até ficar na equalização ideal, mas sem peso. Quanto mais alteração pós-edição mais qualidade se perde.
Em aparelhos de som comuns, é utilizado para equalizar o som de acordo com a preferência do ouvinte no momento da execução. Neste caso, geralmente apresenta algumas predefinições para cada estilo musical como Rock, Pop, Classic, etc. (Eu particularmente não recomendo tais pré-definições).

Num equalizador de 10 faixas temos por canal:
Faixa de 16kHz: Agudos super delicados.
Faixa de 8 kHz: Agudos comuns.
Faixa de 4 kHz: Os agudos estridentes “ardidos”.
Faixa de 2 kHz: Médios.
Faixa de 1 kHz: Médios.
Faixa de 500hz: Médio-graves. (Mais “ocos”).
Faixa de 250Hz: Médio-graves. (Menos “ocos”).
Faixa de 125Hz: Graves normais.
Faixa de 64Hz: Sub graves.
Faixa de 32Hz: Extremos sub graves.

Fator Q
A equalização ocorre como um aumento ou diminuição da amplitude de um sinal em uma dada frequência. No entanto, as frequências vizinhas também são aumentadas ou diminuídas em menor intensidade para que não haja uma transição brusca entre o sinal não equalizado e a frequência alterada. À largura da distribuição nas frequências vizinhas é chamado de fator Q, ou fator de qualidade. Amplificadores que possuam tal controle permite que se regule se a alteração será agressiva (Q alto, pouca distribuição nas frequências vizinhas, criando um pico ou vale acentuado na resposta em frequência) ou se será suave (Q baixo, alta distribuição nas frequências vizinhas, cria um pico ou vale diluído na resposta em frequência).

Observação: Embora o uso dos equalizadores melhorem muito a qualidade finaldo som, eles tem entrando em desuso. Com o advento das tecnologias digitais, que proporcionam uma fidelidade de som muito alta e lançamento de equipamentos multi-funções, além da necessidade de redução de espaço e número de conecções (fiações), muitos profissionais vem optando por não mais utilizar os equalizadores.

Master DJ Carlos

Master DJ Carlos
Master DJ Carlos

3 comentários sobre “7639 – Áudio – Os Equalizadores Gráficos

Os comentários estão desativados.