7330 – Por que o Papai Noel passou a simbolizar o Natal?


O mito do bom velhinho foi inspirado em São Nicolau, um bispo católico que viveu no século 4 na cidade de Mira, atual Turquia. “Ele ficou conhecido em todo o Oriente por sua bondade e pela atenção com as crianças”, afirma o frei Luiz Carlos Susin, professor de teologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS). Diz a lenda que Nicolau presenteava as crianças no dia de seu aniversário, em 6 de dezembro. Nos séculos seguintes, o mito se espalhou pela Europa e a data da entrega de presentes acabou se confundindo com o nascimento de Cristo. “Quando a história chegou à Alemanha, no século 19, o velhinho ganhou roupas de inverno, renas, um trenó de neve e uma nova casa: o Pólo Norte.
Nessa época, Noel ainda era representado como um homem alto e magro com roupas que variavam de cor – dependendo do relato, elas eram azuis, amarelas, verdes ou vermelhas. A silhueta rechonchuda, o rosto barbudo e os trajes vermelhos que conhecemos hoje apareceram pela primeira vez na revista americana Harper’s Weekly, em 1881. A figura, desenhada pelo cartunista Thomas Nast, sofreu uma nova transformação em 1931. Na criação de um anúncio para a Coca-Cola, o desenhista Haddon Sundblom acrescentou um saco de presentes e um gorro ao personagem. A série de comerciais que mostrava Noel metido em situações engraçadas para entregar seus brinquedos rodou o mundo, popularizou essa imagem e, claro, turbinou as vendas do refrigerante.
O nome Santa Claus, como Noel é conhecido em inglês, é uma adaptação de Sinter Klaas, forma como São Nicolau era chamado pelos holandeses, que levaram suas tradições natalinas para colônias na América no século 17 (entre elas a região da cidade de Nova York). Já por aqui, a origem da expressão “Papai Noel” tem raízes no idioma francês, no qual Noël significa “Natal”. Ou seja, no Brasil, o bom velhinho ganhou um carinhoso nome que significa literalmente “Papai Natal”.
A lenda de que Noel vivia no Pólo Norte, onde comandava sua oficina de brinquedos, serviu para os finlandeses estimularem o turismo local. Na década de 1950, o governo construiu uma vila de madeira na cidade de Rovaniemi, na região da Lapônia, que acabou se tornando o lar oficial do Papai Noel. Quem decide enfrentar o rigoroso inverno Ártico pode entregar seus recados pessoalmente a um dublê do bom velhinho, que recebe aproximadamente 700 mil cartas por ano — quase todas, é claro, com pedidos de presentes.

7329 – Qual é a origem da árvore de Natal?


Enfeitar árvores é um ritual antiqüíssimo, presente em praticamente todas as culturas e religiões pagãs, para celebrar a fertilidade da natureza. Os primeiros registros de sua adoção pelo cristianismo vêm do norte da Europa (terra dos pinheiros, a árvore de Natal clássica), no começo do século XVI – mas tudo indica que, a essa altura, já era uma tradição medieval. No antigo calendário cristão, o dia 24 de dezembro era dedicado a Adão e Eva, cuja história costumava ser reencenada nas igrejas. “O paraíso era representado plasticamente por uma árvore carregada de frutos, colocada no meio da cena teatral”.
As pessoas, então, passaram a montar essas alegorias em suas casas, com árvores cada vez mais decoradas: de velas (simbolizando a luz de Cristo), estrelas (alusão à estrela de Belém) e rosas (em homenagem à Virgem Maria) até hóstias (pedindo perdão pelos pecados). Nos séculos XVII e XVIII, o hábito se tornou tão popular entre os povos germânicos que eles mesmos o creditaram a seu maior líder religioso, Martinho Lutero (1483-1546), fundador do protestantismo. A árvore de Natal só se difundiu pelo resto do planeta a partir de 1841, quando o príncipe Albert (1819-1861) – esposo alemão da rainha Vitória – montou uma delas no palácio real britânico. Na época, o império vitoriano dominava mais de meio mundo e o costume logo se tornou universal.

7328 – Para que serve uma bigorna?


Exceto em desenhos, atualmente a bigorna não tem muito uso. Era sobre esta peça pesada e dura que ferreiros apoiavam o material a ser moldado, à base de marteladas, geralmente após um período na forja para torná-lo maleável. Como a bigorna é mais resistente que o material a ser trabalhado, ela “devolve” parte da energia da martelada, diminuindo o esforço do ferreiro.
A bigorna de pedra apareceu na Pré-História, e a de metal, no Egito antigo. Na Idade Média, tornou-se essencial para fazer as complicadas armadurasdos nobres (que chegavam a custar o equivalente a uma Ferrari!). No fim do século 19, quando as bigornas caíram em desuso e foram abandonadas pelos EUA, alguns desocupados brincavam de lançá-las no ar com a ajuda de explosivos. Foi daí que veio a piada dos desenhos animados.

7327 – Mega Byte – Como o Google e o Facebook ganham dinheiro?


Ele ganham, o ☻ Mega Arquivo não ganha nada…

GOOGLE

Receita Total – US$ 29,3 bilhões (2010)

O grosso do faturamento vem de anúncios no buscador e em sites da empresa, como YouTube, Orkut, Blogger, Picasa etc. Eles são exibidos de acordo com as buscas dos usuários ou com o tipo de conteúdo acessado. Em seguida, vêm os anúncios em blogs e sites – a cada clique, o dono do site recebe alguns centavos. O resto vem da venda de conteúdo exclusivo em ferramentas como o Google Earth

US$ 8,8 bilhões – Anúncios em sites parceiros

US$ 1,2 bilhão – Acesso privilegiado a ferramentas

US$ 19,3 bilhões – Anúncios em sites do Google

FACEBOOK

Receita Total – US$ 2,01 bilhões (2010)

A rede social não tem ações públicas – os papéis do Facebook são comercializados num tipo de mercado de alta classe, exclusivo para clientes de grandes fundos de investimento – e por isso não precisa publicar seus balanços financeiros. Um documento elaborado para clientes, porém, vazou no ano passado, dando pistas da origem do dinheiro que financia o negócio de Mark Zuckerberg. Mais de 90% da grana vem de anúncios

US$ 740 milhões – Anúncios de grandes marcas

US$ 150 milhões – Outras receitas

US$ 1,12 bilhão – Anúncios pagos por usuários comuns

7326 – Mega Memória – O Eclipse do Sol de 3 de Novembro de 1994


eclipse1994

Este dia foi diferente em Foz do Iguaçú, no Paraná. Durante 4 minutos, das 10:44 às 10:48 a cidade ficou escura. A Lua entrou na frente do Sol e impediu que a luz atingisse parte da superfície da Terra. A palavra eclipse significa “encobrir”, ocultar. Tal sombra teve 200 km da largura e atravessou o Brasil dividindo-o em 2. Veio do Paraguai, entrou na Foz do Iguaçú e saiu por Criciúma, alcançando o Oceano Atlântico. Nesta faixa, o eclipse foi total e o dia virou noite por alguns minutos. Na grande sampa o eclipse foi parcial (86%).
No dia 03 de novembro de 1994 aconteceria no Sul do Brasil o último eclipse total do século, transformando aquela manhã de primavera em uma noite de quatro minutos. Uma gigantesca sombra com 200km de diâmetro, situada na faixa da totalidade, viaja a uma velocidade de 3.000km por hora, entra pelo pacífico passa pelo Chile e Bolívia e Paraguai, entra pelo Oeste de santa Catarina passando pelas cidades de Chapecó, Lages, Criciúma e vai em direção ao oceano atlântico.
O eclipse ocorreu em uma quinta-feira, tendo a totalidade começado exatamente às 10:44h, durando um pouco mais de quatro minutos, apresentando o Sol uma coroa muito espigada e ativa, com cerca de quatro grandes faixas de projeção coronal. Convém ressaltar que o sol encontrava-se em um final de máxima atividade Solar com muitas de manchas solares, que teve seu pico em 1991.

7325 – Qual a causa do terçol?


Trata-se do entupimento de glândulas localizadas nas pálpebras, logo abaixo dos cílios. Essas glândulas produzem uma secreção oleosa que ajuda a lubrificar o olho. O entupimento ocorre nos dutos pelos quais a secreção passa, e o motivo pode ser um processo alérgico, inflamatório, ou mesmo a formação de caspa nessa região. Esse tipo de terçol é conhecido como ordéolo externo porque a glândula entupida fica na parte externa da pálpebra. Existe ainda o ordéolo interno, caso em que a glândula que entope está localizada na parte interna. Como as glândulas que ficam na parte de dentro da pálpebra são maiores, é também maior o inchaço, a vermelhidão e a dor. No primeiro caso, em cerca de cinco dias a pele se abre e joga a secreção acumulada para fora. “No segundo caso, esse processo pode não acontecer e será necessária uma cirurgia”, explica um oftalmologista da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em São Paulo.

7324 – Artes – O Museu Van Gogh, de Amsterdã


O Museu Van Gogh é mais uma atração em Amsterdã
O Museu Van Gogh é mais uma atração em Amsterdã

É um museu em Amsterdam dispondo de trabalhos do pintor neerlandês Vincent van Gogh (o homem que pintava o 7) e seus contemporâneos. Uma visita ao Museu Van Gogh é uma experiência única. O museu contém a maior coleção de pinturas de Vincent van Gogh no mundo. Ele oferece a oportunidade de acompanhar a evolução do artista, ou comparar suas pinturas às obras de outros artistas do século 19 na coleção. O museu também oferece uma vasta oferta de exposições sobre vários assuntos do século 19 a história da arte. Vaste collectie informações Visitante Aqui você vai encontrar tudo que precisa para se preparar para sua visita: horários, preços de admissão, orientações, dicas de estacionamento e muito mais.
A permanente Coleção permanente do museu inclui mais de 200 pinturas de Van Gogh e muitos desenhos e letras.

Galeria Van Gogh

Auto-Retrato
Auto-Retrato

casa_granjaVgogh

castelo

V.Gogh

VGogh6