7243 – Instrumentos Musicais – O Saxofone


Partes-de-Saxofone

Também conhecido popularmente como sax, é um instrumento de sopro patenteado em 1846 pelo belga Adolphe Sax, um respeitado fabricante de instrumentos, que viveu na França no século XIX. Os saxofones são instrumentos transpositores, ou seja, a nota escrita não é a mesma nota que ouvimos (som real ou nota de efeito). A maior parte dos saxofones são em B (como o sax tenor e o soprano) ou em E (como o sax alto e o barítono).
Ao contrário da de muitos dos modos de instrumentos tradicionais, que para chegar ao seus formatos atuais foram evoluídos de instrumentos mais antigos, dos quais muitas vezes não se conhece o inventor, o saxofone foi um instrumento deliberadamente inventado. Seu inventor foi o belga Antonie Joseph Sax, mais conhecido pela alcunha de Adolphe Sax. Filho de um fabricante de instrumentos musicais, Adolphe Sax aos 25 anos foi morar em Paris, onde começou a trabalhar no projeto de novos instrumentos. Ao adaptar uma boquilha semelhante à do clarinete a um oficleide, Sax teve a ideia de criar o saxofone. A data exata da criação do instrumento foi em 28 de junho de 1840.
Ao longo do tempo, diversas modificações foram feitas, como a chave de registro automática, introduzida no início do século XX em substituição às duas chaves de registro que deveriam ser alternadas manualmente pelo instrumentista. Entretanto, as características gerais do instrumento permanecem as mesmas dos originais criados por Adolphe Sax.
É um instrumento fabricado em metal, geralmente latão, com chaves, numa mecânica semelhante à do clarinete e à da flauta. É composto basicamente por um tubo cônico, com cerca de 26 orifícios que têm as aberturas controladas por cerca de 23 chaves vedadas com sapatilhas feitas de couro e uma boquilha que pode ser de metal ou de resina, na qual se acopla uma palheta de bambu ou de material sintético.

A família do saxofone é extensa. Todos os membros compartilham a mesma digitação e a escrita é sempre em clave de sol, variando a transposição de acordo com o registro do instrumento. Dentre os sete instrumentos originalmente produzidos, há:
Saxofone sopranino – É o membro mais agudo da família dos saxofones. É afinado em E♭ ou, raramente, em F. Seu corpo é reto.
Saxofone soprano – É o integrante mais agudo do quarteto de saxofones clássico. Afinado em B♭. Há também sopranos afinados em C, mas são muito raros. O tradicional é o de corpo reto, mas há também sopranos curvos.
Saxofone alto – Um dos tipos mais comuns de saxofone. De registro médio-agudo, tem a tessitura próxima à da viola. É afinado em E♭.
Saxofone tenor – Também é um instrumento muito comum. Tem registro médio-grave. Afinado em B♭. Há também os afinados em C.
Saxofone barítono – É o integrante mais grave do quarteto de saxofones clássico. Afinado em E♭. É comum encontrar barítonos com uma nota a mais para o grave (A grave, que soa C), recurso raramente encontrado em saxofones mais agudos.
Saxofone baixo – Muito utilizado em bandas sinfônicas e em grandes conjuntos de saxofones. É afinado em B♭. Também pode contar com recurso do A grave (que soa G).
Saxofone contrabaixo – É o membro mais grave da família original do saxofone. É afinado em E♭.
O projeto de Adolphe Sax previa um instrumento ainda mais grave que o saxofone contrabaixo, entretanto, esse instrumento não chegou a ser produzido.

A boquilha é a peça que se encaixa na extremidade mais fina do saxofone e na qual é fixada a palheta. Seu funcionamento é semelhante ao de um apito, que gera as vibrações que irão percorrer o corpo do instrumento. As boquilhas podem ser fabricadas em diversos materiais: massa plástica, metais, acrílico, madeira, vidro e até mesmo osso, contudo as de massa plástica e de metais são as mais utilizadas.
O formato das boquilhas também pode variar, tanto externamente quanto internamente. Alterações nos formatos implicam alterações significativas do som produzido, e devido a este fato, a escolha da boquilha é uma decisão muito pessoal para cada saxofonista. Não existe um padrão entre as fábricas e cada fabricante produz, geralmente, boquilhas com várias aberturas.
A palheta está para o saxofone assim como a corda está para os instrumentos de corda. Ela é a responsável pela emissão do som pelo instrumento. Ao soprarmos a boquilha, é gerada uma coluna de ar que faz vibrar a palheta, produzindo o som.
As palhetas são fabricadas com madeira, geralmente cana ou bambu, porém palhetas sintéticas, como a Fibracell, feita de um material de fibra e a Légere e Bari, confeccionada em acrílico. Existem numerações para determinar o nível de dureza e de resistência à envergadura de uma palheta, mas esta numeração não é padronizada, varia de fabricante para fabricante. Quanto mais dura é a palheta, maior é o esforço para a emissão da nota, contudo menor é o esforço para manter o controle da afinação.

Os mais conhecidos fabricantes de saxofones no mundo são Buffet Crampon, Julius Keilwerth, Leblanc (Vito), Jupiter (Habro), Selmer, Conn, Cannonball, King, Buescher, Martin, Yamaha, e Yanagisawa. Já dentre os fabricantes de boquilhas estão Selmer, Claude Lackey, Rico, Dukoff, Yanagisawa, Meyer, ARB, Otto Link, Meyer, Beechler, Bari e Vandoren. Os principais fabricantes de palhetas são Vandoren, Rico, Fibracell, Platicôver e Gonzales.
Um dos fabricantes de saxofones mais respeitados pelos saxofonistas é a companhia francesa Selmer Company, que conquistou a preferência de grandes saxofonistas como John Coltrane – que celebrizou o tenor modelo Mark VI – e Coleman Hawkins. Também há modelos famosos, como os da Conn: New Wonder, Lady Face, NAked LAdy; da King: Super20 e King Zephyr; da Buescher: Big B e Top Hat and Cane.
Dos fabricantes orientais, o destaques são Yanagisawa e Yamaha. Atualmente, diversos fabricantes chineses, como Eagle e Dolphin fabricam saxofones de qualidade inferior aos demais e que tem um tempo de vida muito curto, além disso, sua qualidade sonora pode variar muito de um exemplar para outro e também ao longo do tempo.

7242 – Cinema – O Mundo de Andy


o mundo de andy

Se você esperava humor, vai se surpreender com um drama

O Mundo de Andy) é um filme norte-americano de 1999, dirigido por Milos Forman e que tem Jim Carrey no papel de Andy Kaufman.
A produção do filme começou três anos antes do lançamento com pesquisas e entrevistas com amigos, familiares e até mesmo inimigos de Andy Kaufman para que o roteiro ficasse o mais próximo possível da conturbada vida de Kaufman.
Apesar de figurar na categoria comédia, o filme mostra o drama da vida de um artista que queria se superar e não aceitava convenções. Andy Kaufman sonhava alto. Queria ser o maior artista do mundo e se esforçava para isso interpretando durante toda sua vida inúmeros papéis diferentes. O filme tenta de forma dramática e ao mesmo tempo engraçada mostrar quem de fato foi Andy Kaufman.
O filme destacou-se pela intensidade da interpretação de Jim Carrey no papel de Kaufman e pela excelente trilha sonora contando com músicas do próprio Andy Kaufman e canções da banda norte-americana R.E.M.
Man on the Moon foi premiado com Globo de Ouro de Melhor Ator em Comédia/Musical (Jim Carrey) e foi ainda indicado na categoria de Melhor Filme em Comédia/Musical.
Ganhou também o Urso de Ouro de Melhor Diretor, no Festival de Berlim.

7241 – Argumentação Lógica – Os que são os silogismos?


É um termo filosófico com o qual Aristóteles designou a argumentação lógica perfeita e que mais tarde veio a ser chamada de silogismo, constituída de três proposições declarativas que se conectam de tal modo que a partir das duas primeiras, chamadas premissas, é possível deduzir uma conclusão. A teoria do silogismo foi exposta por Aristóteles em Analíticos anteriores.
Um exemplo clássico de silogismo é o seguinte:
Todo homem é mortal.
Sócrates é homem.
Logo, Sócrates é mortal.

Conforme Kant, silogismo é todo juizo estabelecido através de uma característica mediata. Dito de outra forma: silogismo é a comparação de uma característica de uma coisa com outra, por meio de uma característica intermediária.

Outro exemplo:
“Toda gata mia.
Ora, minha namorada é uma gata.
Logo, minha namorada mia.”

Um silogismo é portanto um raciocínio que pode ser verdadeiro ou falso.

7240 – Biologia – Ovos


Do ponto de vista da biologia, o ovo é o zigoto dos animais. É uma célula que se forma após a fusão do núcleo do óvulo (pronúcleo feminino, haploide) com o núcleo do espermatozoide (pronúcleo masculino, haploide) por cariogamia, o que dá origem à célula diploide denominada ovo ou zigoto.
Nos seres humanos, bem como na maioria dos mamíferos, para que esta célula se forme é necessário que um espermatozoide “atravesse” a zona pelúcida (que reveste o ovócito II e o 1º glóbulo polar) de modo a “introduzir” o seu núcleo no ovócito II que se encontra em metafase II – Fecundação. Em virtude deste “estímulo” termina a meiose originando o óvulo e o 2º glóbulo polar (que irá degenerar juntamente com o 1º glóbulo polar anteriormente formado). Como agora no interior do óvulo se encontra o seu pronúcleo (pronúcleo feminino) e o pronúcleo masculino (oriundo do espermatozoide), vão-se fundir (cariogamia) originando o ovo ou zigoto (diploide). Este processo é fundamental na reprodução sexuada.
Mórula resulta das mitoses sucessivas a partir do ovo, originando um embrião com mais de 16 células.
Já o blastocisto resulta da mórula que depois de sofrer cavitação, apresenta conteúdo líquido no seu interior.
O ovo animal é classificado com base na quantidade e distribuição de vitelo que há em seu citoplasma. Pode ser oligolécito, heterolécito, telolécito ou centrolécito.
Ovos oligolécitos são aqueles que possuem pouco vitelo, distribuído de forma homogénea por todo o citoplasma. Contudo há um leve acúmulo de vitelo em um dos polos, que passa a se chamar polo vegetativo. O outro polo passa a se chamar polo animal. Animais com esse tipo de ovo são os mamíferos, anfioxos e equinodermos.
Ovos heterolécitos ou ovos mesolécitos são aqueles que possuem grande quantidade de vitelo, distribuída de forma não-homogénea. O polo vegetativo apresenta uma concentração muito maior de vitelo em relação ao polo animal. Animais com esse tipo de ovo são os moluscos, anfíbios e anelídeos.
Ovos telolécitos ou ovos megalécitos são aqueles que possuem uma quantidade de vitelo tão grande (ainda maior que a do heterolécito) que faz com que as estruturas citoplamáticas e o núcleo fiquem totalmente no polo animal do ovo. Animais com esse tipo de ovo são as aves, os peixes que produzem pequena quantidade de ovócitos, e os répteis.
Ovos centrolécitos são aqueles que possuem o vitelo no centro do ovo. Esse ovo não possui polos e está presente nos artrópodes.

Cientistas franceses e alemães uniram-se para pesquisar os ovos dos répteis e das aves. Há 100 milhões de anos os mamíferos passaram a guardar seus ovos dentro do corpo, até o nascimento dos filhotes para não ficarem à mercê de alterações do ambiente. Eles querem investigar quais as evoluções que tiveram. Estão analisando a forma e a cor dos ovos de mais de 4 mil espécies para ver qual a vantagem de serem de um jeito ou de outro.

7239 – Automóvel – O Stealth Tech 1


Os radares da Polícia Rodoviária nada podem fazer para flagrar esta supermáquina, um carro esporte com 2 lugares. Seu nome foi inspirado nos aviões de caça F117A, usados pelos EUA para despistar os radares iraquianos na Guerra do Golfo. Como o avião, este carro é “invisível” aos radares por causa do desing especial. É formado por painéis dispostos de tal maneira que refletem e desviam as ondas emitidas pelo radar, para outra direção. Desse modo o aparelho não capta suas ondas de volta. O fabricante afirmara não pretender comercializar a invenção, mesmo assim, deixou a Polícia Rodoviária apreensiva.

Se a moda pega...
Se a moda pega…

Criado por Jim Router e Jerry Booen (que havia trabalhado nos projetos do De Lorean, Lotus Elan, Jaguar XJR15 e McLaren F1), o carro foi construído em 18 meses inspirado pelo caça Lockheed F117, com uma estrutura espacial em aço e alumínio, movido por um motor turbo Isuzu (o mesmo do Lotus Elan), com a carroceria feita em fibra de vidro e madeira compensada, com dois assentos dispostos como em um caça, um atrás do outro e equipados com cintos de quatro pontos.

7238 – Elemento Químico – As Terras Raras


terras-raras-1

Trata-se de um grupo seleto de 17 elementos químicos de relativa abundância na crosta terrestre (com concentração variando entre 68ppm para o cério e 0,5ppm para o túlio e lutécio) considerados raros pela dificuldade da sua separação (já que ocorrem em vários minérios de composições distintas). Apenas o lantânio, que é muito instável, não é visto nestas terras – embora se classifique como tal.
Hoje, a China é o maior produtor desses minérios (supre quase 97% do mercado mundial), porém, tal produção diversas vezes é proporcionada por meios não lícitos, com grande impacto para o ambiente.

Os metais são:

Escândio (z = 21);
Ítrio (z = 39);
Lantânio (z = 57);
Cério (z = 58);
Praseodímio (z = 59);
Neodímio (z = 60);
Promécio (z = 61);
Samário (z = 62);
Európio (z = 63);
Gadolínio (z = 64);
Térbio (z = 65);
Disprósio (z = 66);
Hólmio (z = 67);
Érbio (z = 68);
Túlio (z = 69);
Itérbio (z =70);
Lutécio (z =71);

A exceção do escândio e do ítrio, todos os outros são integrantes da série dos lantanídeos. Estes metais podem ser encontrados também em solos de terras-raras pela semelhança que apresentam com os de transição interna.
Os minérios mais comuns que apresentam estes elementos são: a monazite (como fonte importante de tório, lantânio, cério e samário), a bastnasite (cério, lantânio e ítrio), o xenótimo (na maior parte, é fonte de ítrio. Mas, pode apresentar alguns vestígios de arsênio, cálcio, disprósio, érbio, térbio, tório, urânio, itérbio e zircônio) e a loparite (com maior parte constituída por cério).
Extração
O uso de retroescavadeira muitas vezes não é realizado por detalhes técnicos e indisposições no solo, assim, são empregados produtos químicos em forma de solução que, ao circular num caminho previamente perfurado, removem os minérios de interesse. A alguns metros ou quilômetros dali, há um sistema de contenção. Logo após, os sólidos são retirados e seguem para processamento.
O grande problema nesse mecanismo é que os produtos químicos utilizados (como o sulfato de amônia) se disseminam na natureza (adentrando no solo) e podem causar diversos tipos de impactos negativos ao ambiente.
Isso é visível quando exploradores particulares (incentivados pelo baixo investimento inicial e a possibilidade retorno em pequena escala de tempo) o fazem às escuras, contra o governo.
Em épocas de chuva, por exemplo, o solo enfraquecido é facilmente levado pelas águas e as enxurradas de lama destroem as residências da população local. Causando transtornos que poderiam ser evitados com um pouco mais de consciência por parte dos produtores.
Em laboratório, um punhado de areia vale mais do que pedras preciosas, só porque foi transformado em fibra óptica. As terras raras são mil vezes mais abundantes que a prata na crosta terrestre, mas utilizadas na indústria petroquímica como catalizadores, podem custar 3600 dólares o quilo.

7237 – Peso Pesado a Nocaute – Rinoceronte em extinção


MOCAMBIQUE - rinoceronte negro_resize

Há meio século, havia na África cerca de 70 000 rinocerontes-negros. Hoje, eles não passam de 2 500, ou seja: nas últimas três décadas, foram mortos, em média, 2 250 espécimes por ano. Não é exagero dizer, portanto, que o rinoceronte-negro pode desaparecer em pouco tempo. Daí para a extinção seria um pequeno passo, e a perda, inestimável. O negro não é a única espécie existente: há mais duas na África e três na Ásia. Mas, no total, elas somam parcos 15 000 exemplares, em condições tão precárias quanto as do negro.
Em outras palavras, embora estejam entre os mais antigos mamíferos do planeta — uma raridade na vasta arca de seres vivos criados pela evolução —, os rinocerontes só continuarão a existir com a ajuda crescente dos homens. Durante milhões de anos, eles puderam se dar ao luxo de ser um dos mais pacatos bichos da floresta.
São agressivos apenas quando o macho de uma família estranha ameaça o território de outro macho, ou quando são deliberadamente provocados. Esse é o recurso utilizado pelos diretores de cinema para filmar cenas que sugiram os perigos na selva, os quais, como se vê, nem sempre são justificados. A verdade é que os rinocerontes muito raramente atacam, sejam pessoas ou outros animais. Pode-se dizer que pagam para não entrar numa briga: fazem todo tipo de fanfarronada para intimidar o possível oponente, e assim demovê-lo da luta. A encenação inclui sopros fortes pela boca e pelas narinas, um estardalhaço sonoro ampliado pelo furioso raspar dos cascos no chão. Mas é tudo bravata. Depois de uma corrida direta para cima do adversário, o rinoceronte pára. Mesmo porque, a essa altura, já não há adversário à frente. Se esse tipo de recepção assusta, imagine-se o terror que seria um encontro com o baluquitério, um antepassado dos atuais rinocerontes. O maior mamífero a pisar o solo terrestre em todos os tempos, ele tinha nada menos que 5 metros de altura e pesava 30 toneladas (o mesmo que a atual baleia-azul). Destituído de chifres, viveu no Oligoceno, entre 36 milhões e 25 milhões de anos atrás, quando Ásia e América do Norte ainda eram um único continente.
Monstros como o baluquitério surgiram de um ancestral bem mais antigo, que teria vivido há mais de 60 milhões de anos. Dessa linhagem de animais descendem tanto os rinocerontes, como também as antas, e mais tarde, os cavalos e as zebras. Todos eles são hoje agrupados na chamada ordem dos perissodáctilos, termo que significa, literalmente, “número ímpar de dedos no pé” . Segundo Cartelle, os cavalos e as zebras são membros mais recentes e as antas estão mais próximas da origem — daquele ancestral que fundou a ordem dos perissodáctilos. Os rinocerontes, explica o paleontólogo, seriam uma especialização, uma espécie de ramo novo no tronco original das antas, também chamadas tapires.
A caça esportiva — o prazer de abater uma criatura tão grande e portentosa — destruiu uma parte da população de rinocerontes. Mas não foi, nem de longe, o principal motivo. A destruição dos habitats naturais, com certeza, teve influência muito mais devastadora. Animais precisam de grandes espaços, um bem que a civilização torna cada vez mais escasso. No caso do rinoceronte, porém, houve uma agravante: a crendice, muito popular no Oriente, de que o pó de seus chifres teria propriedades medicinais ou milagrosas. A ciência já provou que nada há de verdade nessa idéia. Mas não convenceu: o pó de chifre é o produto natural mais caro do mundo, chegando a custar, em dólar, cinco vezes mais que o ouro. Transformados no objeto do desejo de centenas de milhares de pessoas, 1 quilo do pó de chifre de rinoceronte chega a custar 60 000 dólares, em Taiwan.

7236 – Biologia – O Porco Espinho


Tais espinhos são pêlos duros modificados, alcançam até 10 cm e estão presentes na cabeça, pernas e parte anterior da cauda.
Nome científico: Coendou prehensilis
Nome vulgar: Porco-espinho
Categoria: Ameaçado
Características físicas: as partes superiores são cobertas com fortes espinhos farpados de coloração branca ou amarelo pálido na base e na ponta, e preto ou marrom escuro no centro. Estes “espinhos”, que na verdade são pêlos duros modificados (vibrissas), alcançam até 10 cm e estão presentes na cabeça, pernas e parte anterior da cauda. A região ventral é mais clara que a dorsal e é coberta por espinhos pequenos e macios. Sua cauda longa e preênsil tem entre 30 a 57 cm, com a parte anterior espinhosa e a posterior nua. Esse animal tem em média 54 cm de comprimento e pesa cerca de 4 kg.
Solitário, sai à noite ou na hora do crepúsculo em busca de alimento. De dia descansa no alto das copas das árvores ou abriga-se em troncos ocos. Tem movimentos lentos, mas está bem adaptado para a vida nas árvores, usando a cauda para prender-se aos galhos e mover-se entre as árvores.
Reprodução: após uma gestação que dura de 195 a 210 dias, nascem um ou dois filhotes com cerca de 390g. Ele é alimentado diariamente pelos pais por cerca de 70 dias.
Predadores: jaguatirica e outros felinos.
Longevidade: média de 10 anos.
Habitat: em todo o país.

Vai encarar um espinho ai?
Vai encarar um espinho ai?

Seu ataque geralmente não é perigoso. O verdadeiro vive apenas na Europa, África do Sul e Ásia. Seus espinhos são pelos modificados, extremamente duros que servem como defesa. Quando um predador encosta no animal, estes espinhos se soltam, fixando-se na pele e musculatura do atacante, sua ponta tem minúsculas farpas que tornam a extração difícil e dolorosa. Se o espinho não for arrancado,poderá haver inflamação ou infecção, mas raramente leva á morte. Nos países da América do Sul, não existem porco-espinho, mas ouriços e ratos de espinho, geralmente confundidos, com um sistema de defesa igual, mas sendo de menor porte. Seus espinhos tem cerca de 7cm, são dóceis, lentos e raramente atacam.

7235 – Artes – O Museu de Cera


Albert Einstein no Museu de Cera
Albert Einstein no Museu de Cera

É um museu no qual existe a exposição de peças feitas de cera, usualmente retrantando animais extintos ou celebridades. O Museu Madame Tussauds é talvez o mais famoso nome associado com os museus de cera. Em 1935, Marie Tussaud montou sua primeira exibição permanente em Baker Street, Londres.
Em dezembro de 2009, inaugurou o Museu de Cera Dreamland, na cidade de Gramado – RS, sendo o primeiro museu de cera no gênero do entretenimento no Brasil, e o primeiro na América do Sul. Em agosto/2010 foi anunciado no Festival de Cinema de Gramado, a criação da Galeria Oscarito dentro do Museu de Cera Dreamland, com estátuas de grandes nomes do cinema nacional.
Existem (ou existiram) ainda museus de cera, entre outros, em:

Museo de Cera (Barcelona)
Museo de Cera (Madrid)
Musée Grévin (Paris)
Castans Panoptikum (Berlim, dissolvido em 1922)
National Wax Museum (Dublin)
Panoptikum Hamburg (Hamburgo)

O mais famoso museu de cera do mundo também está presente em Las Vegas.
Abre diariamente as 10 da manhã 365 dias por ano e fecha normalmente as 9:30 da noite mas, eventualmente poderá fechar antes, para poder atender a eventos locais.
Está localizado na 3377 las Vegas Blvd suite 2001, Las Vegas , NV 89109, bem em frente ao Venitian Cassino.
O Museu Madame Tussauds é um famoso museu de figuras de cera. Possui a maior coleção de figuras de celebridades. A sede principal do museu está em Londres, mas também existem 13 filiais em, Nova York, Washington, D.C., Las Vegas, Hollywood, Berlim, Amsterdam, Hong Kong, Shanghai,Blackpool, Sydney, Viena, Banguecoque e Tókio.

Marie Tussaud (1761-1850), nascida em Strasbourg, França, trabalhou como governanta para o Doutor Philippe Curtius, um médico com talento em modelação da cera, que ensinou essa arte a Tussaud. Começou sua carreira modelando em cera, máscaras de vítimas da Revolução Francesa. Ela se mudou para a Inglaterra em 1835, fez uma mostra de seu trabalho na Baker Street perto do endereço do atual museu. Suas técnicas convencionais ainda são usadas para criar figuras da realeza, políticos,atores e astros da música pop e heróis do esporte.
Há citações do museu em livros de Júlio Verne como o “Volta ao mundo em 80 dias”.
Lady Gaga soma 12 estátuas espalhadas pelos museus Madame Tussaud, sendo a recordista.

Kylie também está no Museu.
Kylie também está no Museu.

7234 – Planeta Terra – Ondas de um metro atingem Japão após forte tremor


Ondas de até um metro de altura atingiram a região nordeste do Japão após um forte terremoto de magnitude 7,3 ter eclodido próximo à costa recentemente.
O Japão emitiu um alerta de tsunami após o tremor, registrado às 17h18 no horário local (6h18 de Brasília) no mar. A região nordeste é a mesma que foi devastada por um tremor seguido de tsunami em março de 2011.
Ainda não há informações sobre vítimas ou danos sérios provocados pelas ondas.
A Agência Meteorológica do Japão emitiu o alerta para cinco províncias: Miyagi, Aomori, Iwate, Fukushima e Ibaraki.
As primeiras ondas, de cerca de 20 centímetros, atingiram algumas cidades da costa nordeste. Segundo a agência, as ondas em Miyagi chegaram a ter um metro de altura.
Na TV, há alertas constantes para que a população procure por abrigos em lugares altos. Na região costeira, os bombeiros e grupos voluntários também trabalham para evacuar as pessoas que vivem próximas ao mar.
A emissora pública NHK informou que, por enquanto, não há informações sobre danos nas usinas nucleares localizadas na área afetada pelo terremoto. Apesar de estarem desativados, há reatores em Ibaraki, Fukushima e Miyagi.
A empresa JR, que administra o trem-bala, interrompeu sua circulação e também as de linhas locais.
O tremor também foi sentido em Tóquio, onde as linhas de metrô e trem foram paralisadas por alguns minutos.
De acordo com o Instituto Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês), o epicentro do terremoto foi a cerca de 245 quilômetros da cidade costeira de Kamaishi, a uma profundidade de 36 quilômetros.
Outro terremoto, de magnitude 6,2, foi registrado às 17h31 na mesma região. A agência japonesa informou também que existe a possibilidade de ocorrerem tremores secundários na região.
Em março de 2011, um terremoto de magnitude 9 provocou um tsunami que deixou mais de 15 mil mortos. Ainda hoje, mais de 3,2 mil pessoas continuam desaparecidos e outras 300 mil vivem em casas provisórias.

Fonte: BBC Brasil