6134 – Metrô de Nova York acaba com as lixeiras


Uma das estações do Metrô de NYC

A administração do metrô nova-iorquino decidiu fazer uma experiência e remover as latas de lixo de duas estações. A ideia é forçar as pessoas a jogar o lixo fora do metrô, que atualmente recebe 40 toneladas de dejetos por dia.

Um pouco +

O Metrô de New York é um dos mais velhos e extensos sistemas de transporte público do mundo, atrás apenas do metrô de Londres, com 468 estações em operação (423, se as estações de conexão por transferência forem consideradas uma só), 369 Km de serviços,1056 Km de trilhos, 1355 Km de trilhos incluindo pátios e estacionamento de trens. Em 2009 o metrô realizou mais de 1.579 bilhões de viagens, com uma média de cinco milhões (5,086,833) nos dias de semana, 2.9 milhões aos sábados e 2.2 milhões aos domingos. O Metropolitano de Nova Iorque compara-se somente com os metropolitanos de Tóquio, Seul e Moscow no que diz respeito à ocupação do espaço e carrega mais passageiros que todos os outros sistemas de metrô dos Estados Unidos combinados. Ele é um dos quatro únicos sistemas no mundo, juntamente com o PATH, o Chicago ‘L’ e o PATCO, a funcionar 24 horas por dia, 365 dias por ano.
Em 1869 Alfred Ely Beach e seu Beach Pneumatic Transit Company de Nova Iorque começaram a construir uma linha de metrô pneumática abaixo da Broadway (Beach havia demonstrado anteriormente o sistema básico na Exposição do American Institute em 1867.) Encaminhada através da empresa fundada por ele, Beach investiu US$350000 de seu próprio dinheiro para financiar o projeto. Construída em apenas 58 dias, seu único túnel tinha 95 metros de comprimento e 2,4 m de diâmetro, a linha foi completada em 1870 e decorria no âmbito da Broadway indo da Warren Street até Murray Street.
A primeira linha subterrânea do metrô abriu em 27 de outubro de 1904, quase 35 anos depois da abertura da primeira linha elevada. A pesada tempestade de neve de 1888 comprovou as vantagens e benefícios de um sistema que fosse subterrâneo. Ela ligava a estação City Hall ao bairro The Bronx.[28] O trecho foi construído pelo método tradicional de “cavar e cobrir”, que basicamente consiste, em interromper o trecho de rua aonde passará a linha, cavar, construir o túnel de sustentação, cobrir e reconstruir a via de tráfego.
Como o Metrô de São Paulo, cada seção do metrô tem três características de identificação, linha, serviço e cor. O mais constante termo é “linha”, que se refere a estrutura física e os trilhos pelos quais os trens passam. Para cada seção do sistema é atribuído um nome de linha única, geralmente combinado com sua empresa de operação original ou divisão (Brooklyn-Manhattan Transit Corporation (BMT), Interborough Rapid Transit Company (IRT), Independent Subway System (IND)). Por exemplo, a linha que passa abaixo da Oitava Avenida é a IND Eighth Avenue Line. Algumas linhas tiveram seus nome alterados (e até mesmo divisões), mas isso acontece raramente.

6133 – Tratamento pode reverter a síndrome de Down


Cientistas dos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA fizeram uma descoberta que pode entrar para a história da medicina: conseguiram reverter os problemas de aprendizado e de memória em ratos com síndrome de Down. Para fazer isso, trabalharam sobre duas proteínas, que se chamam NAP e SAL. Elas são essenciais para o funcionamento das células gliais, que alimentam os neurônios com nutrientes. Nos portadores da síndrome de Down, as células gliais não funcionam direito – e é por isso que a pessoa apresenta dificuldades de aprendizado.

Os pesquisadores trataram camundongos de laboratório, que haviam sido geneticamente modificados para desenvolver a síndrome de Down, com essas duas proteínas – administradas por via oral. Após 4 dias de tratamento, as cobaias passaram a obter o mesmo desempenho dos ratos normais em tarefas cognitivas, como percorrer um labirinto. Os autores do estudo ainda não sabem se o tratamento pode ajudar também em outros sintomas da síndrome de Down, como problemas de malformação e no sistema cardiovascular, mas acreditam que seja possível.

De toda forma, ainda há um enorme salto a ser dado. “Não fizemos testes com humanos, então não sabemos se funciona com eles. E ainda há muitas etapas antes que os testes em pessoas possam começar”, diz Catherine Spong, líder da pesquisa. Sem falar nas diferenças entre o cérebro de um rato e de um humano. Mas a descoberta aponta um novo caminho para a pesquisa – e a esperança.

6132 – O Peso da Obesidade na Saúde


A ciência ainda não sabe explicar totalmente por que as pessoas engordam a ponto de ficarem obesas. E também não encontrou a fórmula ideal de perder peso com saúde. Em uma simplificação grosseira, engorda quem come mais do que gasta de calorias. Mas essa não é uma conta exata e qualquer um sabe que apenas dieta e exercícios não resolvem todos os problemas. Existem milhares de dietas por aí, mas o número de gordos no mundo só aumenta. “Não é só o excesso de comida que deixa alguém obeso. São considerados diversos fatores, como a genética, que influencia o metabolismo. Dormir pouco engorda, até ar-condicionado engorda – com menores variações de temperatura, o corpo acaba gastando menos energia”, afirma um endocrinologista chefe do grupo de obesidade e síndrome metabólica do Hospital das Clínicas de São Paulo e professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

Antes de continuar, um parêntese: há uma diferença entre “gordo” e “obeso”. A medicina classifica como obesa pessoas com índice de massa corpórea (IMC) acima de 30. Gordos são o que os médicos chamam de “acima do peso”, com IMC a partir de 25. Ou seja, alguém que não passou da linha que classifica a obesidade, mas que ao se olhar no espelho normalmente não se sente satisfeito com o próprio corpo. Segundo o Ministério da Saúde, em 2006, quase 43% dos brasileiros estavam acima do peso. Em 2009, esse número aumentou para quase 47%.

A relação direta entre o acúmulo de gordura no corpo e o desenvolvimento de doenças como diabetes e hipertensão não foi completamente esclarecida. Mas sabemos que o excesso de gordura interfere nas reações químicas responsáveis por manter nosso corpo em funcionamento. Ele aumenta a resistência à insulina (o que leva ao aumento de açúcar), além do aumento do nível de triglicerídeos e colesterol em circulação.

Muitos médicos defendem que, por ser uma doença crônica, a obesidade deve ser tratada com medicamentos pela vida toda, já que, uma vez obesa, a pessoa sempre terá predisposição para engordar. Mas nem todos os obesos, mesmo aqueles em nível mais alto, com IMC acima de 35, desenvolvem outras doenças. “Existem os obesos metabolicamente normais, que, por algum motivo, não desenvolvem hipertensão ou colesterol alto. Mas isso acontece em 1 a cada 4 casos.
O que não quer dizer que não precisem emagrecer. Eles não estão livres de outros problemas de saúde, como nas articulações .
Não é só o corpo que sofre com o excesso de gordura e as variações de peso. Psiquiatras identificaram doenças e distúrbios psicológicos ligados à obesidade. Um dos mais comuns é o transtorno da compulsão alimentar periódica (TCAP). De acordo com Adriano Segal, diretor de psiquiatria e transtornos alimentares da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica (Abeso), 75% dos pacientes com TCAP têm excesso de peso. Uma das causas possíveis é ter feito dietas restritivas repetidas por anos. Deixar de comer proteína ou carboidrato, por exemplo, pode provocar de desnutrição a transtornos psiquiátricos.

Outros problemas vão de quadros depressivos e ociosos a bulimia nervosa, passando por hiperatividade e bipolaridade. Para variar, as origens de cada alteração não estão completamente esclarecidas.
Ainda hoje, são raros os espaços públicos adaptados para os gordos. Da escola ao mercado de trabalho, quem está acima do peso é visto como diferente. Uma pesquisa recente mostrou que mais de 70% dos empresários brasileiros têm restrições para contratar obesos.
Nos Estados Unidos, onde mais de 70% da população está acima do peso, grupos tentam promover a aceitação do gordo. Entre o final dos anos 60 e o começo dos 70, surgiram instituições como a Associação Nacional para Acelerar a Aceitação dos Gordos nos EUA e a Associação pela Diversidade de Tamanho e Saúde. Nas universidades, especialmente em grupos ligados à sociologia e aos estudos de gênero, surgiram os pesquisadores especializados em “fat studies” (estudos da gordura) – que não pesquisam apenas os aspectos fisiológicos da gordura, mas a situação dos gordos na sociedade.
Obesos apresentam de 4 a 5 vezes mais risco de desenvolver artrose do que pessoas de peso considerado normal. Os danos nos joelhos são tão grandes que, mesmo no caso de quem passa por cirurgia de redução de estômago, eles permanecem os mesmos, de acordo com um estudo do Departamento de Cirurgia Ortopédica do Hospital Roper, nos Estados Unidos. E não são apenas os velhos que sofrem com isso. Um estudo da Universidade de Viena revelou que crianças e adolescentes com excesso de peso tiveram problemas na cartilagem do joelho.

6131 – Um parque de diversões nuclear


Não tem radiação, eles garantem!

A catástrofe de Fukushima assustou o mundo e levou vários países a reavaliar seus programas nucleares. A Alemanha foi o mais radical de todos e decidiu desativar todos os seus reatores até 2022. Mas, depois disso, o que fazer com os locais abandonados? Que tal transformá-los em áreas de lazer? Essa é a proposta do Wunderland (“país das maravilhas”, em alemão) Kalkar, o primeiro parque de diversões construído dentro de uma usina nuclear. A usina, que fica na fronteira da Alemanha com a Holanda e foi concluída em 1985, sofreu pressões políticas porque havia sido projetada para usar plutônio (combustível considerado perigoso) e não chegou a entrar em operação. O projeto foi abandonado e 3,5 bilhões de euros jogados no lixo. Até que, em 2002, o empresário holandês Hennie van der Most teve a ideia de transformar o lugar em parque – que hoje recebe 600 mil visitantes por ano.

O complexo tem 40 brinquedos, que incluem tudo o que se espera de um parque de diversões: roda-gigante, montanha-russa e até um chapéu mexicano (espécie de carrossel com cadeirinhas que voam) instalado na chaminé do reator, que também abriga uma parede de escalada. A sala de controle pode ser visitada pelos turistas, e o restaurante é uma atração à parte – para chegar até ele, é preciso passar por bunkers antirradiação com paredes de 1 m de espessura “Ninguém tem medo, pois Kalkar nunca chegou a entrar em operação”, explica o holandês Han Groot-Obbink, gerente do Wunderland Kalkar. “Não há risco de contaminação.”

6130 – Televisão – O Mega Polêmico Jorge Kajuru


Kajuru, o polêmico

Jorge Reis da Costa, mais conhecido como Jorge Kajuru (Cajuru, 20 de janeiro de 1961), é um jornalista esportivo, radialista e apresentador de televisão brasileiro.
Jorge é conhecido por dar declarações polêmicas e por se opor ao merchandising em programas jornalísticos. Foi demitido de vários locais em que trabalhou, pediu demissão no ar quando trabalhava na RedeTV!. É conhecido também por não se conter e contar fatos pessoais em seus programas e entrevistas, como a traição a sua então mulher na Copa do Mundo de 1982 e uma experiência homossexual que teve durante a infância com Gonzaguinha, que atualmente é fotógrafo e trabalha no jornal Diário de São Paulo. Reside hoje no Rio de Janeiro, onde ficam os estúdios da TV Esporte Interativo.

Tem como principais referências profissionais os também jornalistas Juca Kfouri e João Saldanha, ambos conhecidos por serem polêmicos e polemizadores. Admirador de Telê Santana e Silvio Santos, é também amigo de José Luiz Datena, de quem já foi sócio. Tem muitas inimizades em todos os setores da mídia, por suas fortes declarações, e de Milton Neves, a quem ataca por conta do merchandising; e Marconi Perillo, por questões políticas.
Atualmente Kajuru apresenta o Kajuru Sob Controle e é um dos debatedores do programa Jogando Em Casa da TV Esporte Interativo. Apesar de estar trabalhando na rede Esporte Interativo, Kajuru ainda mantém vínculos com o SBT. O apresentador também tem sua própria TV 24 horas na internet, com vários vídeos de seus programas e de sua vida e carreira profissional.
Jorge sofre de transtorno bipolar.
A vida de Jorge Kajuru é repleta de polêmicas. Pelo ímpeto crítico, fez muitas denúncias cujo conteúdo não pôde comprovar, o que rendeu ao jornalista processos e condenações. Um levantamento realizado em 2004 mostrava que, até aquele momento, Kajuru respondia por 109 processos, a maioria por injúria e difamação, em quatro estados diferentes. Somente em São Paulo, correm 30 ações criminais contra ele.

Várias personalidades já foram alvo da língua afiada de Kajuru. Milton Neves processou o jornalista na área cível e apresentou mais de dez queixas-crime conta ele. O ex-presidente do Palmeiras, Mustafá Contursi, o empresário, Jaime Câmara Júnior, a apresentadora da Rede TV, Luciana Gimenez e o governador de Goiás Marconi Perillo são alguns nomes que recorreram à Justiça contra Jorge.
Rádio K
Quando ainda morava em Goiânia, Kajuru era proprietário da Rádio K (Rádio Clube de Goiás). A rádio foi tirada do ar temporariamente em diversas ocasiões durante o mandato do governador Marconi Perillo, do PSDB. Em 2002 o TRE de Goiás determinou, atendendo representação do governador, o fechamento da rádio por oito dias por reiterados descumprimentos à lei eleitoral.
Dossiê K
O Dossiê K foi um livro escrito por Jorge Kajuru com denúncias de corrupção no Governo do Estado de Goiás, na gestão do ex-senador e hoje governador Marconi Perillo. Em 28 de setembro de 2002 a impressão e distribuição do livro foram proibidas pelo TRE de Goiás até o término do período eleitoral de 2002. A Polícia Militar de Goiás cumpriu mandado de busca e apreensão no Campus 2 da Universidade Federal de Goiás para recolhimento de exemplares do livro que estavam sendo distribuídos gratuitamente. A ação causou controvérsia e notas oficiais de repúdio por parte da direção da Universidade, por ser considerada truculenta e por se tratar a Universidade Federal de território de competência da Polícia Federal.
Em março de 2005 Jorge Kajuru foi condenado a dezoito meses de prisão em regime aberto por difamação à empresa Jaime Câmara Junior. A prisão foi tema do Observatório da Imprensa por não ter sido amplamente noticiada e por ter sido a primeira prisão de um jornalista depois do fim da ditadura.

Em 2010, o programa Kajuru na Área para de ser exibido para a região de Campinas (onde ia ao ar pela TVB), e para o estado do Paraná (onde ia ao ar pela Rede Massa), sendo assim o programa continua sendo exibido apenas para as regiões de Ribeirão Preto e de Jaú, começando sempre às 13h15min e tendo duração de um pouco mais de 15 minutos. Em 2010,o programa completou 4 anos de exibição ininterrupta, um fato inédito para programas de Jorge Kajuru.
Em Fevereiro de 2010 Kajuru lança na internet seu próprio blog, onde trata de assuntos mais polêmicos do que na TV, logo no 1° dia de vida o Blog do Kajuru ficou entre os 10 mais visitados do Brasil. Além de escrever Kajuru também posta vídeos de seu programa na TV Esporte Interativo. Mesmo com seu blog, Kajuru continua escrevendo no seu Twitter e na TVKajuru.com, que passa por momentos difíceis.

 

6129 – Mega Personalidades da Política – Orestes Quércia


Ex Governador de São Paulo, Ex. Senador, um grande nome da política brasileira.
(Pedregulho, 18 de agosto de 1938 — São Paulo, 24 de dezembro de 2010). Foi o 28° governador do estado de São Paulo.
Orestes Quércia mudou-se ainda jovem com a sua família para Campinas, onde se formou em jornalismo. Era também advogado e administrador de empresas formado em 1962 pela Pontifícia Universidade Católica.
Foi casado com Alaíde Barbosa Ulson desde os anos 1980, com quem teve quatro filhos, até sua morte, em 24 de dezembro de 2010.
Filho de Otávio Quércia e Isaura Roque Quércia, Orestes Quércia morou em Pedregulho e a seguir em Campinas para onde mudou acompanhando a família e lá foi eleito vice-presidente do grêmio estudantil da Escola Normal Livre. Nessa época ingressou como repórter do Diário do Povo e foi aprovado no vestibular da Faculdade de Direito da Universidade Católica de Campinas, onde foi diretor do jornal do Centro Acadêmico 16 de Abril e fundou a Universidade de Cultura Popular, ligada à Universidade Católica de Campinas. Locutor (1959-1963) da Rádio Cultura e da Rádio Brasil, trabalhou no Jornal de Campinas e na sucursal do Última Hora. A seguir presidiu a Associação Campinense de Imprensa e trabalhou no Departamento de Estradas de Rodagem como assistente de produção.
Orestes Quércia iniciou sua carreira política ao ser eleito vereador em Campinas pelo Partido Libertador em 1962. Extinto o pluripartidarismo optou pelo MDB sendo eleito deputado estadual em 1966 e prefeito de Campinas em 1968.
Após eleger seu sucessor em 1972 passou a organizar diretórios do MDB pelo interior paulista e disputou a convenção do partido como candidato ao Senado Federal vencendo a disputa com Lino de Matos e Samir Achôa.
Teve participação decisiva em alguns dos mais marcantes espisódios da história recente, como na criação da CPI do PC, que levaria ao impeachment do presidente Collor, em 1993.
Quércia destacou-se nacionalmente quando se elegeu, em 1974, o senador até então mais votado de São Paulo, derrotando o então poderoso e tradicional político paulista, o ex-governador Carvalho Pinto. Nessa enxurrada de votos, na chamada “enchente de 74”, que fez o MDB enfraquecer, politicamente, a ditadura, derrotando a Arena em 16 estados, Quércia recebeu o título de “o homem de seis milhões de votos”, numa referência a uma famosa série de tv.

Em 1974, foi eleito senador derrotando Carvalho Pinto que disputava a reeleição pela ARENA e era apontado como favorito. Na tribuna foi crítico da política econômica do governo Ernesto Geisel e em 1977 foi noticiada a ocorrência de casos de corrupção quando de sua passagem pela prefeitura de Campinas, porém tais afirmações não foram comprovadas. Com o retorno ao pluripartidarismo ingressou no PMDB em 1980 e declarou-se candidato à sucessão do governador Paulo Maluf em fevereiro de 1981, posição que manteria até que um acordo de última hora o fez candidato a vice-governador na chapa de Franco Montoro.
Em 1982 foi eleito vice-governador de São Paulo, mas ao contrário da imagem de unidade partidária apresentada durante a campanha, foi adversário constante de políticos peemedebistas ligados ao governador, não conseguindo, porém impedir a nomeação do deputado federal Mário Covas como prefeito de São Paulo em 1983 e a eleição do senador Fernando Henrique Cardoso à presidência do diretório estadual do PMDB naquele mesmo ano. Foi adepto das Diretas Já e da campanha vitoriosa de Tancredo Neves rumo à Presidência em 1985, ano em que se casou com a médica Alaíde Cristina Barbosa Ulson. Nesse ponto estava em curso sua candidatura a governador em 1986.

Acusações de Corrupção
A carreira política de Quércia foi marcada por escândalos e acusações de corrupção e enriquecimento ilícito, tanto na prefeitura de Campinas quanto no governo de São Paulo. Apesar disso, nunca recebeu uma condenação em última instância. Foi acusado de desviar mourões do Departamento de Estradas de Rodagem (DER) para construir cercas em sua fazenda em Pedregulho (SP); de importar sem licitação equipamentos eletrônicos de Israel; de superfaturar obras do metrô; e de irregularidades na privatização da Vasp.
Em 1991, o então governador do Paraná, Roberto Requião, rival partidário de Quércia, criou o serviço “Disque Quércia para Corrupção”, um número de telefone para o qual os brasileiros poderiam ligar para denunciar o colega paulista. Mais tarde, os dois oponentes se tornaram aliados. Neste ano, Quércia apoiou a pré-candidatura de Requião à Presidência.
Seu predomínio junto ao PMDB e sua defesa em favor dos cinco anos de mandato para o presidente José Sarney levou seus adversários internos a deixar a legenda e fundarem o PSDB em 24 de junho de 1988. Nesse mesmo ano perdeu as eleições municipais em São Paulo e Campinas. Apesar do revés teve seu nome cogitado para disputar as eleições presidenciais em 1989, entretanto a candidatura escolhida pelo partido foi a de Ulysses Guimarães.
Ao fim do mandato Quércia obtinha bons índices de aprovação junto à população paulista e conseguiu eleger o seu sucessor, Luiz Antônio Fleury Filho, que até pouco tempo antes era o semi-desconhecido secretário de Segurança Pública do governo Quércia.
Mas as inúmeras denúncias de corrupção relativas à gestão de Quércia que surgiram posteriormente (a denúncia mais célebre foi a de má gestão do BANESPA), o insatisfatório mandato desempenhado por Fleury e o esvaziamento de algumas medidas tomadas em seu antigo cargo acabaram por comprometer a sua imagem de forma aparentemente irremediável.
Presidente do PMDB
Quércia foi um dos fundadores do PMDB, tendo-o presidido entre 24 de março de 1991 e 26 de abril de 1993 ao renunciar da presidência ante as sucessivas denúncias de corrupção e o refluir de seu apoio político. Em seu período como presidente do partido fez oposição do governo Fernando Collor, apoiando inclusive o processo de impeachment, viu morrer Ulysses Guimarães e apoiou o regime presidencialista no plebiscito de 21 de abril de 1993. Ao deixar o comando da legenda foi substituído interinamente pelo senador José Fogaça e depois por Luiz Henrique da Silveira.
Desde que Quércia deixou o governo de São Paulo em 1991, não conseguiu vencer nenhuma outra disputa eleitoral – foi o candidato do PMDB à Presidência da República em 1994, ao governo estadual em 1998/2006 e ao Senado Federal em 2002 (ia ser candidato novamente ao Senado em 2010, mas renunciou à candidatura devido ao tratamento de câncer de próstata).
Quércia atuou nos ramos imobiliário e das comunicações – foi proprietário do Grupo Sol Panamby, que detém controle da rádio Nova Brasil FM, do jornal financeiro DCI, de duas emissoras regionais, a TVB Campinas (a partir de fevereiro, afiliada a Rede Record) e a TVB Santos (a partir de março, afiliada a Rede Bandeirantes), do Shopping Jaraguá e de várias fazendas[carece de fontes]. Seu patrimônio foi avaliado em mais de R$117 milhões.

Quércia morreu na véspera de Natal de 2010, aos 72 anos, vítima de câncer na próstata, de acordo com o hospital Sírio-Libanês, na capital paulista. Ele havia tratado a doença em 1990, mas o tumor reincidiu, levando-o a desistir da candidatura ao Senado. Segundo o assessor de Quércia, o velório foi realizado no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, a partir das 14h.

6128 – Arte e Inconsciente – O que é o Surrealismo?


Obra de Salvador Dali, o pintor surrealista

Foi um movimento artístico e literário nascido em Paris na década de 1920, inserido no contexto das vanguardas que viriam a definir o modernismo no período entre as duas Grandes Guerras Mundiais. Reúne artistas anteriormente ligados ao Dadaísmo ganhando dimensão mundial. Fortemente influenciado pelas teorias psicanalíticas do psicólogo Sigmund Freud (1856-1939), o surrealismo enfatiza o papel do inconsciente na atividade criativa. Um dos seus objetivos foi produzir uma arte que, segundo o movimento, estava sendo destruída pelo racionalismo. O poeta e crítico André Breton (1896-1966) é o principal líder e mentor deste movimento.
A palavra surrealismo supõe-se ter sido criada em 1917 pelo poeta Guillaume Apollinaire (1886-1918), jovem artista ligado ao Cubismo, e autor da peça teatral As Mamas de Tirésias (1917), considerada uma precursora do movimento.
Um dos principais manifestos do movimento é o Manifesto Surrealista de (1924). Além de Breton, seus representantes mais conhecidos são Antonin Artaud no teatro, Luis Buñuel no cinema e Max Ernst, René Magritte e Salvador Dalí no campo das artes plásticas.
O Surrealismo destacou-se nas artes, principalmente por quadros, esculturas ou produções literárias que procuravam expressar o inconsciente dos artistas, tentando driblar as amarras do pensamento racional. Entre seus métodos de composição estão a escrita automática.
Salvador Dalí e René Magritte criaram as mais reconhecidas obras pictórias do movimento. Dalí entrou para o grupo em 1929, e participou do rápido estabelecimento do estilo visual entre 1930 e 1935.
Surrealismo como movimento visual tinha encontrado um método: expor a verdade psicológica ao despir objetos ordinários de sua significância normal, a fim de criar uma imagem que ia além da organização formal ordinária.
Em 1932 vários pintores Surrealistas produziram obras que foram marcos da evolução da estética do movimento: La Voix des Airs, de Magritte, é um exemplo deste processo, onde são vistas três grandes esferas representando sinos pendurados sobre uma paisagem. Outra paisagem Surrealista deste mesmo ano é Palais Promontoire, de Tanguy, com suas formas líquidas. Formas como estas se tornaram a marca registrada de Dali, particularmente com sua obra A Persistência da Memória, na qual relógios de bolso derretem.

6127 – Geofísica – Vulcão Merapi


Vulcão Merapi

Um dos mais antigos vulcões do mundo, o Monte Merapi, situado em região densamente povoada, na região central da Indonésia, voltou a lançar lava, obrigando centenas de moradores a abandonarem suas casas. Um vulcanólogo da cidade de jacarta, a 500 km da capital, informou que o vulcão fumegou 23 vezes em um período de 5 horas. Sua última erupção foi em novembro de 1993, deixando rastro de destruição que matou 60 pessoas e feriu pelo menos 100.

Um pouco +

O Merapi é um vulcão localizado na ilha indonésia de Java. É o vulcão mais ativo da Indonésia – país que tem a maior densidade de vulcões do mundo – tendo matado 70 pessoas em uma erupção em 1994 e 1.300 pessoas em 1930. Sua última erupção havia ocorrido em 1994 – quando pelo menos 50 pessoas morreram.
Na madrugada do dia 05/11/2010, o vulcão Merapi entra novamente em erupção e causa mais 69 mortes na Indonésia Jacarta, 5 nov (EFE).- Pelo menos 69 pessoas morreram e outras 71 ficaram feridas devido a uma nova erupção do vulcão Merapi na Indonésia, elevando a mais de 100 o número de vítimas fatais desde que a actividade começou, em 25 de Outubro de 2010 Quase todos os corpos foram encontrados no distrito de Sleman, a maioria no vilarejo de Bronggang, a 15 quilómetros da cratera e situado, portanto, dentro do perímetro de segurança que mais uma vez foi ignorado pelos habitantes, informaram fontes oficiais.
A erupção soou como um trovão durante a madrugada e lançou ao céu colunas de cinzas e fragmentos de rocha de até seis quilómetros de altura, intensificando os rios de lava que descem da montanha e provocando nuvens tóxicas a temperaturas superiores aos 750 graus centígrados.
No centro da ilha de Java, a explosão pôde ser escutada a 20 quilómetros de distância, relataram os vulcanólogos indonésios, que acreditam que a erupção desta sexta-feira foi a mais forte até o momento e muito mais potente do que a primeira, de 26 de Outubro, na qual morreram quase 30 pessoas.
Segundo os relatos de várias testemunhas, dezenas de pessoas com os rostos cobertos de cinzas se afastaram a pé ou de moto do vulcão, enquanto o Exército efectuou evacuações em caminhões cheios de mulheres e crianças.

6126 – Farmacologia – A Aspirina


É o nome comercial do ácido acetilsalicílico (tente falar isso rápido), um derivado do ácido salicílico. A substância existe em uma flor muito usada em buquê de noivas, as do gênero Spiraea, e é comum em toda a Europa. Hipócrates, em 4 a.C., já tinha notado que ela diminuía a dor. Mas foi só em 1899 que o químico alemão Felix Hoffmann conseguiu uma fórmula estável do ácido.
Descoberta por acaso: Hoffmann estava tentando achar algo que aliviasse o reumatismo de seu pai quando trombou com o ácido. Ele trabalhava com materiais de despejo em uma fábrica de corantes chamada Bayer. Sim, a Bayer só virou farmacêutica depois de registrar a patente da aspirina em 1900. Depois disso, resolveu investir em remédios (e lançou até a heroína, tirada do mercado em 1913).

Ela dilui o sangue: Um estudo de 2010, da Universidade de Oxford, descobriu que 1 dose diária de 75 mg (é pouco: 1 comprimido tem 500 mg) diminui o risco de morrer de câncer – qualquer um – em 20%! Outro uso clássico da aspirina é para proteger o coração de doenças, já que ela também impede a formação de coágulos. Mas…cuidado!

…Antes de começar a tomar, é bom saber que há estudos mais recentes que contestam o uso diário, já que a aspirina pode causar sangramentos. Estima-se que o uso indiscriminado de aspirina – e de outros anti-inflamatórios não esteroides – mate quase 8 mil pessoas por ano só nos EUA e no Canadá.

6125 – Meio Ambiente – Quais são os objetos mais jogados no esgoto?


Faltam latas de lixo nas residências brasileiras? Pelo menos é o que parece, olhando para o levantamento inédito da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (a Sabesp), que recolheu e examinou os restos encontrados nos esgotos. Como os sistemas de coleta de água são separados – o que vem da rua e o que vem das residências não se misturam -, é possível determinar quais são os detritos jogados nas privadas e nas pias das casas. É tanto lixo que entre janeiro de 2007 e janeiro de 2011, o sistema sofreu em média 3 paralisações por mês.

6124 – O que Jó da Bíblia tem a ver com Jobs?


Jó foi um personagem bíblico que perdeu a fortuna, a família e até a saúde, mas preservou a fé – para depois ser recompensado em dobro por Deus. A história de Jó é contada no judaísmo, no cristianismo e no islamismo – neste último, com direito até a uma fonte da juventude. Que ficaria na atual cidade israelense de…

Ashkelon
Localizada na costa do Mediterrâneo, a cidade foi parte dos impérios grego, romano, persa, egípcio, turco e, finalmente, britânico. Em 1948, Israel conquistou a cidade dos árabes que, mesmo sob domínio estrangeiro, viviam ali há séculos. Os habitantes tiveram de sair e viraram refugiados, o que impulsionou o nacionalismo árabe.
Ele já existia, mas ganhou força após o conflito com Israel. O nacionalismo árabe era um movimento secular, que pregava a união dos povos árabes e buscava modernizar as sociedades do Oriente Médio. Ele atraiu muitas mentes brilhantes da geração dos anos 50. Entre elas, um professor sírio chamado Abdul Fattah Jandali
Filho de milionários, Jandali estudou direito e ciência política na Universidade da Síria. Apesar de ser nacionalista e antiamericano, ele foi para os EUA continuar os estudos – e lá conheceu Joanne Simpson, com quem se casou. A união foi condenada pelo pai da moça, e o casal entregou seu primeiro filho para adoção. Ninguém menos que Steve Jobs
Adotado por uma família pobre, ele teve de se virar. Na faculdade, dormia no chão e catava latinhas vazias. Em 1976 fundou a Apple, empresa da qual acabaria expulso em 1985. Em 1997, foi chamado de volta e transformou a Apple na potência que é hoje. Como Jó, Jobs passou por provações – mas acabou recompensado,embora com uma vida não muito longa.

6123 – Museu do Automóvel – O Passat TS


Uma estrela do final da década de 70, quando a maioria dos automóveis que circulavam pelo brasil eram nacionais já que o imposto para importados era muito alto por causa da política de protecionismo dos governos militares, para preservar a indústria nacional. A filosofia mudaria a partir do governo Collor, que afirmou que os carros nacionais eram “carroças”.

O Passat se tornou objeto de desejo de muita gente. Sinônimo de modernidade, a linha, que já contava com um quatro-portas, pedia um gênero então em alta. Uma versão “esportiva”, a exemplo do Ford Corcel, que tinha o seu GT. Não demorou mais que dois anos para que duas consoantes modificassem a personalidade do hatch. Com motor de maior cilindrada e potência, o TS (de Touring Sport) ganhou frente e equipamentos exclusivos. Os quatro faróis da primeira geração davam um ar agressivo ao antes pacato sedã. No interior, volante exclusivo – de tamanho exagerado para a proposta do carro – com três raios de metal, conta-giros e console de instrumentos faziam toda a diferença. O que antes era objeto de desejo transformou-se em objeto de culto. Os primeiros modelos a circular pelas ruas eram admirados com indisfarçável cobiça.
O ganho de potência aproximou o TS do desempenho do modelo alemão. Com motor de 1,5 litro, o carro fabricado pela matriz tinha 85 cavalos de potência líquida, obtidos por meio de uma taxa de compressão de 9,7:1, inviável para as características de nosso combustível. Nem mesmo a antiga gasolina azul daria conta sem que ocorresse a pré-ignição. A solução foi aumentar a cilindrada de 1471 para 1588 cm3 e trabalhar com uma confortável taxa de 7,5:1 a fim de conseguir 80 cavalos.

A alimentação, que nos Passat era feita por carburador simples, nos TS passou a ser tarefa para um Solex de corpo duplo, importado da Alemanha. Com isso, além de potência o motor ganhou torque e elasticidade. A receita ficava completa com uma mudança na relação da segunda e da quarta marchas, que ficaram mais longas. Com essas modificações, o TS atingia a máxima de 156 km/h, uma melhora em relação aos 146 km/h obtidos pelo Passat LS. No 0 a 100 km/h ele cravava 13,1 segundos. Não chegava a ser um míssil, mas passou a se impor nas ruas.
Mais do que o motor, o que agradava no TS era o conjunto da obra. A estabilidade já havia ganhado fama e trabalhava a favor nos confrontos com carros potentes mas menos equilibrados, como Opala, Dodge e Maverick.

As primeiras fornadas do TS ainda traziam o criticado trambulador do câmbio que gostava de pregar peças. O problema foi resolvido a partir do modelo 1977. É dessa safra o modelo que aparece nas fotos, xodó do paulista Márcio Valente, seu proprietário. Na primeira reestilização do TS, a estreita faixa na linha de cintura que terminava numa diagonal na altura da coluna “C” foi substituída por outra mais larga que percorre a lateral inferior do carro, sempre com inscrição TS em destaque.
A exclusividade dos quatro faróis cedeu lugar ao pragmatismo quando da unificação da frente dos Passat, que ocorreu a partir de 1979. Naquele ano foram adotados os faróis retangulares, que, apesar de trazerem uma expressão mais moderna, provocaram reações. Passado o tempo, é ao garimpo dos raros TS de quatro faróis sobreviventes que hoje colecionadores mais se dedicam.

A sigla TS identificou a versão esportiva até o modelo 1982. No ano seguinte, a linha Passat ganhou conjuntos de faróis retangulares duplos. O esportivo virou GTS e perdeu a prerrogativa do motor diferenciado. O 1.6 passou a ser padrão para todos os Passat. Em 1984, o motor 1.8 do Santana voltaria a fazer a diferença. Mas o tempo dos TS já tinha ficado para a história.

6122 – O Primeiro Buraco Negro


Desde a década de 1950, os astrônomos já desconfiavam que a galáxia M87, a 50 milhões de anos-luz, escondia um buraco negro em seu núcleo. De lá, sai um imenso jato de energia. Ele tem 3 mil anos-luz de comprimento. Depois de tal imagem, o Huble faria outra, que confirmaria a hipótese: há realmente gases superaquecidos girando no coração da galáxia, a 2 milhões de km por hora. É desse carrossel enlouquecido que sai tal jato de energia. No seu centro deve haver um buraco negro, um caroço de matéria tão denso que nãopode emitir luz. Só pode ser identificado porque atrai e esmaga estrelas vizinhas, aquecendo violentamente os gases remanescentes.

A Galáxia de Circus abriga no seu núcleo o tão temido Buraco Negro, formado por gases que giram em torno do centro da galáxia, produzindo cores quentes quando afastadas e cores frias quando aproximadas. O objeto denso aumenta a gravitação de tal forma que impede com que a luz escape. Essa é a versão proposta pelo inglês John Michell, em 1783 e em 1795, pelo francês Pierre Simon Laplace. “Os corpos escuros” de Michell e Laplace foi o principal fator da história da ciência, quando Einstein mostrou que a lei de Newton da gravitação estava incorreta nos domínios onde a matéria é densa. Além disso, Einstein também provou que a teoria da luz corpuscular, também estava errada.

O Buraco Negro surgiu em 1939, por J. Robert Oppenheimer e alguns de seus colaboradores. Tudo começou baseando-se na Teoria geral de Relatividade de Einstein. O termo, propriamente dito, foi usado pela primeira vez pelo astrofísico John Wheeler, em 1967.
O ser humano não pode enxergar um buraco negro, já que a luz não se pode escapar dele, mas podemos ver os efeitos na matéria circunvizinha, em formato de gases e estrelas. Através de imagens do telescópio orbital Hubble, os astrônomos têm localizado durante 2 décadas, um número considerável de buracos negros, criados em sua maioria, após o Big Bang. Em janeiro de 1997 a Sociedade Astronômica Americana, junto com diversos outros astrônomos, afirmaram a existência desses buracos negros, nos centros da maioria dos bilhões de galáxias existentes.

Mitos
Os maiores mitos e distorções são criados, geralmente, por fanáticos religiosos e místicos, comparando-o com o inferno ou algo parecido. Isso acaba fazendo com que muitos acreditem na ideia de que o Buraco Negro seja algo associado ao mal. Alguns estudantes relataram que os buracos negros eram lugares onde as almas das crianças que estavam por nascer, residem. Mais um mito que não tem nenhuma lógica.

É difícil compreender sobre os buracos negros, mas os astrofísicos continuam estudando sobre. A maioria das informações atuais sobre a natureza da matéria ainda são insuficientes para explicá-los, mas um início para ser desvendados.