5856 – ☻ Mega Byte – Bytes, muitos bytes


Tráfego mensal médio de quem usa a Internet:
24,8 gigabytes – Para enviar tal quantidade de informação por escrito seria necessário 1 milhão de cartas de uma página cada uma ou 10 toneladas de papel.
1 kilobyte = mil bytes
1 megabyte = 1 milhão de bytes, cabe em 1 disquete de 3,5 polegadas, já em desuso.
Cada gigabyte tem 1 bilhão de bytes, um DVD simples tem alguns gigabytes.
Cada terabyte tem 1 trilhão de bytes, já existem HDs com capacidade de 1 ou mais terabytes.
Cada pentabyte tem 1 quadrilhão de bytes. Depois vem o exabyte com 1 quintilhão e o zettabyte com 1 sextilhão de bytes, equivalente a toda a informação digitalizada hoje no mundo.
Se cada byte fosse 1 grão de arroz, 1 zettabyte equivaleria a 20 quadrilhões de quilos de arroz, ou o suficiente para alimentar a humanidadepor 30 mil anos.
Para oferecer serviços em nuvem, as empresas usam recursos com alicerces bem sólidos na terra. São enormes data centers, conhecidos como fazendas se servidores, mantidos permanentemente a temperatura de 21°C. O maior da Amazon ocupa um terreno de 65 mil metros quadrados, o equivalente ao terminal de passageirosdo Aeroporto de Congonhas.
A idéia de nuvem ainda em formato rudimentar data de 1961. O especialista em inteligência artificial Mc Carthy, então professor do Instituto de Tecnologia de Massachussets, descreveu o modelo em que as centrais fornrciam processamento e o armazenamento de dados para residências e empresas. A 1ª vez que se falou de computação em nuvem foi em 1997. Em termos práticos, a nuvem é a capacidade ociosa de servidores gigantes, como o Google e a Microsoft, que pode ser emprestadaou vendida a quem quiser usá-la para guardar ou processar seus arquivos digitais e programas de computador. Para empresas isto significa economia pois não é preciso manter uma bateria de servidores, cuja manutenção custa caro. Também não é preciso comprar licenças que apenas uma parte dos funcionários irá usar. Outro ponto positivo é que é possível ter uma velocidade de processamento alta a um custo baixo.
“Eu acho que há no mundo mercado para talvez 5 computadores” Essa frase atribuída a Thomas Watson, fundador e presidente da IBM, supostamente dita em 1943, tem lugar de destaque em qualquer antologia de palpites infelizes, ainda que a empresa insista em desmentir que ele alguma vez tenha pronunciado tal asneira. Quatro décadas mais tarde, a IBM desenvolveu o Personal Computer,o PC, transformando o computador em um produto de massa. Mas as vendas dos PCs tipo desktop estão em queda por causa da multiplicação dos dispositivos móveis que, embora com limitações tem capacidade de processamento e armazenamento suficiente para suprir as necessidades da maioria das pessoas. A computação em nuvem seria o golpe final?