5818 – Mega Curiosidades – Ditos populares


Se você é daqueles que gostam de “frases feitas”, então aqui vai algumas:

Erro crasso
Significado: Erro grosseiro.
Origem: Na Roma antiga havia o Triunvirato: o poder dos generais era dividido por três pessoas. No primeiro destes Triunviratos , tínhamos: Caio Júlio, Pompeu e Crasso . Este último foi incumbido de atacar um pequeno povo chamado Partos. Confiante na vitória, resolveu abandonar todas as formações e técnicas romanas e simplesmente atacar. Ainda por cima, escolheu um caminho estreito e de pouca visibilidade. Os partos, mesmo em menor número, conseguiram vencer os romanos, sendo o general que liderava as tropas um dos primeiros a cair.
Desde então, sempre que alguém tem tudo para acertar, mas comete um erro estúpido, dizemos tratar-se de um “erro crasso “.

Memória de elefante

Significado: Ter boa memória; recordar-se de tudo.
Origem: O elefante fixa tudo aquilo que aprende, por isso é uma das principais atracções do circo .

Não poder com uma gata pelo rabo

Significado: Ser ou estar muito fraco; estar sem recursos.
Origem: O feminino, neste caso, tem o objectivo de humilhar o impotente ou fraco a que se dirige a referência. Supõe-se que a gata é mais fraca, menos veloz e menos feroz em sua própria defesa do que o gato. Na realidade, não é fácil segurar uma gata pelo rabo, e não deveria ser tão humilhante a expressão como realmente é.

Fila indiana

Significado: enfiada de pessoas ou coisas dispostas uma após outra.
Origem: Forma de caminhar dos índios da América que, deste modo, tapavam as pegadas dos que iam na frente.

5817 – Mega Empreendedores – Steve Jobs


Se você acompanhou as notícias que sucederam a morte de Steve Jobs e assistiu ao famoso discurso que ele fez em Stanford em 2005, já deve saber que ele não completou a faculdade. O empresário já havia afirmado que a maioria das aulas não o interessava e muitas das matérias eram bem inúteis. Mesmo sem o diploma, Jobs nunca negou a importância do conhecimento e do aprendizado.
Como boa parte dos gênios, Steve Jobs era um tanto complicado e tinha várias manias esquisitas.
Como explicar um cara abandonado pela mãe que depois se recusou a reconhecer a primeira filha? Um jovem que largou a faculdade, mas criou uma empresa com o objetivo de desenvolver computadores para universidades? Um nerd que adorava LSD e passou uma temporada na Índia? Um budista que humilhava os funcionários em público? Mas uma coisa é inegável: o homem era um gênio. E daqueles influentes, que fazem a cabeça das pessoas. Começou a carreira inaugurando a era dos computadores pessoais e terminou reinventando tudo de novo com o iPad. Deixou a sua marca no cinema, na publicidade, na música, na telefonia. Para revolucionar tantos mercados, atirou para todos os lados. Não teve medo de correr riscos, nem de mudar de opinião no meio do caminho.

Ele lutava contra um câncer desde 2003, mas continuou no comando de uma das maiores empresas de tecnologia do planeta até agosto de 2011, quando foi substituído por Tim Cook.
Um dia depois de um dos mais importantes eventos do ano para a Apple, o anúncio dos próximos lançamentos da marca – incluindo o novo iPhone 4S – a empresa noticiou a morte de Jobs com uma imagem do ex-CEO em seu site oficial. Segundo agências internacionais de notícias, Jobs morreu “tranquilamente”, ao lado de seus familiares, nos Estados Unidos.

Jobs fundou a Apple 1976 e ajudou a transformá-la em uma das marcas mais valiosas do planeta. Ele foi um dos responsáveis pela popularização do Macintosh nos anos 80 e de alguns dos gadgets mais importantes dos últimos 10 anos: iPod, iPhone e iPad. Jobs também chegou a comandar a Pixar, a empresa que inventou a animação digital em 3D do jeito que conhecemos hoje.
A empresa que Jobs ajudou a fundar publicou um comunicado com as seguintes palavras: “A Apple perdeu um gênio criativo e visionário, e o mundo perdeu um ser-humano incrível. Aqueles que tiveram a sorte de trabalhar com Steve perderam um querido amigo e mentor. Steve deixou para trás uma companhia que só ele poderia ter construído e seu espírito será sempre a base da Apple”. A Apple também convidou os fãs a enviarem mensagens de homenagem a Steve Jobs pelo email rememberingsteve@apple.com.

5816 – Degelo há 400 mil anos gerou efeito gangorra e afundou ilhas


Folha Ciência

Um problema que vinha bagunçando as estimativas de aumento do nível do mar decorrente do aquecimento global acaba de ser resolvido.
O que atrapalhava os cientistas é que um pedaço da crosta terrestre atua como gangorra: quando o gelo do Canadá derrete muito, tira peso de uma borda da placa tectônica norte-americana e faz a outra borda descer, afundando no mar ilhas como as Bahamas e as Bermudas.
Foi isso o que aconteceu 400 mil anos atrás e fez o mar avançar mais de 20 metros de altura nesses arquipélagos.
Na época, o planeta estava em uma era glacial e passou por um intervalo de aquecimento de 10 mil anos. Geólogos descobriram que o mar tinha avançado sobre as Bahamas e as Bermudas nesse período. Fósseis de animais marinhos com essa idade foram encontrados em regiões altas.
Uma elevação de 20 metros no nível dos oceanos, porém, era uma catástrofe que não estava de acordo com os cálculos dos cientistas. Para que isso acontecesse, seria preciso um derretimento completo das plataformas de gelo da Groenlândia e da Antártida.
Mas um estudo em edição recente da “Nature” mostra que o problema foi mesmo causado pelo “efeito gangorra”, que fez as ilhas afundarem mais que o previsto.
A geóloga Maureen Rayno, da Universidade Columbia (EUA), autora da pesquisa, concluiu que a inclinação tectônica afundou as Bahamas em 10 metros. Como o derretimento da Antártida Ocidental e da Groenlândia já tinham adicionado 10 metros ao nível do mar, a impressão é que a água subiu 20 metros.
Segundo Raymo, as Bahamas e as Bermudas deverão enfrentar de novo o problema com o aquecimento global. “O efeito será menor se considerarmos só o que vai acontecer neste século, pois o período de aquecimento do estudo é de 10 mil anos.”
O último relatório do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática) estima que o nível do mar deve subir 60 cm até o fim deste século. Raymo diz que a tendência é que o painel revise essa previsão até para pior.
Num cenário de 1 metro de elevação da água, 145 milhões de pessoas podem ter de se deslocar, estima um relatório da ONU.