5740 – O que são lipídios?


São substâncias caracterizadas pela baixa solubilidade em água e outros solvente polares e alta solubilidade em solventes apolares. São vulgarmente conhecidos como gorduras e suas propriedades físicas estão relacionadas com a natureza hidrófoba das suas estruturas, sendo todos sintetizados a partir da acetil-CoA.
Na verdade, todas a relevância do metabolismo lipídico advém desta característica hidrófoba das moléculas, que não é uma desvantagem biológica (mesmo o corpo possuindo cerca de 60% de água). Justamente por serem insolúveis, os lipídios são fundamentais para estabelecer uma interface entre o meio intracelular e o extracelular, francamente hidrófilos.
Todos os seres vivos possuem a capacidade de sintetizar os lipídios, existindo, entretanto, alguns lipídios que são sintetizados unicamente pelos vegetais, como é o caso das vitaminas lipossolúveis e dos ácidos graxos essenciais.
Classificação
Muitas classificações são propostas dependendo do ponto de vista, se químico ou biológico. Desta forma, encontra-se na literatura especializada, várias formas de organizar os lipídios de acordo com a abordagem, o que pode complicar a compreensão do assunto. Entretanto, todas as classificações propostas baseiam-se em características comuns às diversas moléculas de lipídios existentes na natureza, sendo apenas uma forma didática de agrupá-las. Assim sendo, vamos agrupar os lipídios em dois grandes grupos para melhor entendê-los: aqueles que possuem ÁCIDOS GRAXOS em sua composição e aqueles que não possuem.

5739 – Via Láctea tem bilhões de planetas potencialmente ‘habitáveis’


Folha Ciência

Bilhões de planetas potencialmente “habitáveis” existem na Via Láctea, onde está a Terra.
O anúncio foi feito nesta semana por um grupo de cientistas do Observatório de Ciências do Universo de Grenoble, na França.
Em apenas um conjunto de 102 estrelas do tipo “anãs vermelhas” foram descobertas nove ‘super Terras’. Essa é a maneira como são chamados os planetas rochosos com massa um pouco maior que a da Terra.
Já “anãs vermelhas” é o apelido das estrelas que são relativamente frágeis e frias se comparadas com o Sol. Elas são muito comuns nas galáxias e representam 80% de todas as estrelas na Via Láctea.
“Nossas novas observações significam que mais ou menos 40% de todas as anãs vermelhas têm uma ‘super Terra’ em sua zona habitável, onde a água líquida pode existir na superfície do planeta”, explicou Xavier Bonfils, coordenador da equipe de pesquisadores.
Existindo água, é possível que existam formas de vida.
“Mas as anãs vermelhas são conhecidas por estarem sujeitas a erupções estelares que podem submergir o planeta em uma onda de raios X ou de radiações ultravioletas, tornando a vida menos provável na região”, disse Stéphane Udry, do Observatório de Genebra.
Portanto resta muito caminho a percorrer para detectar uma hipotética forma de vida extraterrestre.

5738 – Quem sente mais calor, o homem ou a mulher?


A sensação de calor é determinada geneticamente e depende da quantidade de receptores de calor sob a pele. A noção de temperatura varia de pessoa para pessoa, independentemente de sexo. Acontecimentos comuns na vida de casais, como discutir para ligar ou o aquecedor ou o ar-condicionado, são coincidências, ás vezes acentuadas por fatores como obesidade – os mais gordos produzem mais calorias e, por outro lado, a gordura ajuda a mantê-los aquecidos.

5737 – Quem nasceu primeiro, o ovo ou a galinha?


A galinha. Todos os organismos descendem de outros, mais primitivos. Por isso, a galinha, tal como conhecemos, teve de surgir antes de pôr o primeiro ovo. Ela deriva de um outro animal menos evoluído. “O ovo é apenas uma questão de nomenclatura”, analisa um professor de genética da Santa Casa de São Paulo. “Uma célula pode ser considerada um ovo, no sentido de unidade básica, a partir da qual, por exemplo, o ser humano é concebido. Ademais, somente depois de se desenvolver é que um organismo pode se reproduzir”.

5736 – Quando e como surgiu a fala?


Não teve um início único, bem demarcado no tempo. Mas foi produto de uma série de processos, separados uns dos outros às vezes por muitos milhões de anos e que vieram a se combinar no ser humano. Os organizadores do simpósio de Cortona, os antropólogos italianos Brunetto Chiarelli e Andréa Campero Ciani, fizeram uma síntese das discussões ali travadas, que vale como uma síntese das hipóteses mais aceitas até agora sobre as origens da linguagem. É claro que muitas incertezas e controvérsias permanecem — como, de resto, em praticamente tudo o que diz respeito à vida dos antepassados do homem. Mesmo quando os especialistas (paleontólogos, antropólogos, biólogos, entre outros) concordam em relação a um evento, por exemplo, podem divergir quanto ao período aproximado em que ele se deu. O capítulo da linguagem não é exceção.
A visão colorida multiplica as chances de sobrevivência no ambiente multiforme da floresta, onde perceber detalhes (um animal predador escondido na folhagem) pode fazer a diferença entre a vida e a morte.
Outra adaptação anatômica de importantíssimas conseqüências foi o surgimento do polegar, oponível aos outros dedos da mão, o que facilita agarrar-se aos galhos das árvores, permitindo ao animal caminhar entre elas sem o risco de andar no chão exposto às feras. Sem esses dois processos, o ser humano — descendente daquele insetívoro parecido com o musaranho — não poderia ter desenvolvido, dezenas de milhões de anos depois, a capacidade de falar e entender o que os outros falam. Isso porque, sem a visão tridimensional e colorida, o ser humano não teria conseguido traçar um mapa mental de seu ambiente — e assim não poderia comunicar a outro ser humano onde achar comida. E sem o polegar oponível aos outros dedos — uma característica que o homem partilha com os demais primatas seus parentes, o chimpanzé, o gorila e o orangotango — a mão não se teria libertado da necessidade de ajudar o andar sobre o chão, como fazem os quadrúpedes.
O difícil é precisar quando todas essas mudanças ocorreram . Fala-se em algo como 15 milhões de anos atrás, quando viviam os Dryopithecus, dos quais teriam descendido tanto o homem como os primatas modernos. É certo, em todo caso, que os indivíduos da mais antiga espécie hominídea conhecida, o Australopithecus afarensis, que viveu há pelo menos 3 milhões de anos, já exibiam a postura ereta — um efeito a longo prazo do polegar oponível. Livre da tarefa de andar, a mão libertou também a boca da tarefa de segurar a comida, que passou a ser agarrada com o polegar preênsil. Libertada da tarefa de pegar os alimentos, a boca, por sua vez, depois de passar também ela por transformações anatômicas relacionadas à postura ereta, estaria bem depois disponível para outras ocupações, como falar.
Mas não pára aí a influência, na origem da linguagem, da mão dotada do polegar oponível. Pois isso permitiu que uma das mãos, a direita, se especializasse na manipulação de objetos — alimentos, paus, pedras –, enquanto a outra se especializava na localização espacial. Essa divisão de funções levou à chamada lateralização do cérebro dos primatas: o hemisfério esquerdo do córtex cerebral passou a coordenar os movimentos do lado direito do corpo, enquanto o hemisfério direito passou a lidar com o lado esquerdo. Isso tem muito a ver com a linguagem, pois, quando falamos, acionamos áreas especializadas do lado esquerdo do córtex cerebral, que movimentam o aparelho fonador e tornam possível dizer frases inteligíveis.
De qualquer forma, todas aquelas mudanças anatômicas fizeram diminuir a boca dos ancestrais do homem. Mas esse, já ereto, pôde usar as mãos para preparar os alimentos antes de enfiá-los na boca — inicialmente cortando-os em pedaços, depois moendo-os e por fim cozinhando-os. Assim, foi-se desenvolvendo o modo de vida especificamente humano. Ocorre ainda que, para sobreviver na savana ,onde havia menos alimentos vegetais disponíveis, os hominídeos dependiam de alimentos animais, particularmente de animais de grande porte. Para caçá-los, aprenderam, de um lado, a agir em grupo; e, de outro, a usar instrumentos (primeiro, pedras e paus disponíveis naturalmente; depois, objetos já adaptados a suas necessidades).
Isso estimulou a comunicação entre os hominídeos em escala maior que em outras espécies, nas quais, salvo exceções, cada indivíduo tende a obter o seu alimento basicamente sozinho e sempre sem o uso de instrumentos. Para a origem da linguagem, o uso de artefatos foi ainda mais importante do que a associação dos caçadores, mesmo porque há animais que organizam caças coletivas sem se comunicarem, como o cão caçador da África. Pois havia a imperiosa necessidade de ensinar aos outros como produzir e usar os instrumentos. Supõe-se que a primeira linguagem humana tenha sido mais gestual do que oral. A fala, como os gritos de outros primatas, devia tão somente acompanhar os gestos. Mas, à medida que as mãos passavam a ficar cada vez mais ocupadas com os instrumentos, havia menos disponibilidade para os gestos.
É muito possível que a linguagem seja qual for a origem, se tenha basicamente desenvolvido a partir das necessidades da divisão do trabalho. Os primeiros agrupamentos humanos organizados já contavam com divisão de tarefas entre caçadores, coletores de vegetais, preparadores de alimentos, responsáveis pelas crianças. Essa primitiva, porém já complexa, rede social exigia uma forma de comunicação mais sofisticada que o gesto ou o grito — a linguagem. Ela permitiu que fosse criado o universo específico do ser humano. Com efeito, o animal ou tem comportamentos inatos, instintivos, ou tem comportamentos que aprendeu individualmente, mas — na grande maioria das espécies — é capaz de transmiti-los a seus semelhantes.
O homem sabe que na linguagem está a liberdade e tudo que o torna humano: o raciocínio, a inteligência, a criatividade; e a possibilidade de comunicar a conquista do raciocínio de cada indivíduo, da inteligência de cada grupo, da criatividade de cada sociedade.