5714 – Quando surgiu a tradição de malhar o Judas?


O malho do Judas

É uma tradição vigente em diversas comunidades católicas e ortodoxas que foi introduzida na América Latina pelos espanhóis e portugueses. É também realizada em diversos outros países, sempre no Sábado de Aleluia, simbolizando a morte de Judas Iscariotes.
Consiste em surrar um boneco do tamanho de um homem, forrado de serragem, trapos ou jornal, pelas ruas de um bairro e atear fogo a ele, normalmente ao meio dia.
Cada país realiza a tradição de um modo, alguns queimam os boneco em frente a cemitérios ou perto de igrejas. No Brasil é comum enfeitar o boneco com máscaras ou placas com o nome de políticos, técnicos de futebol ou mesmo personalidades não tão bem aceitas pelo povo.
Algumas cidades fazem da Malhação de Judas uma atração turística, como a cidade paulista de Itu. Famosa por seus objetos de tamanhos avantajados, os moradores da cidade aumentam o tamanho do boneco a cada ano, mas com um diferencial, no lugar de atearem fogo, é usando até mesmo dinamite, costuma-se chamar o Estouro de Judas.
O que a música da cantora Simone tem a ver com a malhação do Judas?
Ouça os versos e descubra:

5713 – Nutrição e Obesidade – Açúcar mascavo é melhor que o branco?


O açúcar mascavo não é tão refinado como o branco, contendo quantidades mínimas de fibras, vitaminas e sais minerais, que são perdidos durante o processamento do açúcar branco.O açúcar mascavo, no entanto, como o branco, contém muitas calorias e por isso não é essencial em uma dieta saudável. Outros produtos não refinados também são mais saudáveis. O arroz integral e o pão integral fornecem muito mais nutrientes e fibras do que o pão branco e o arroz.
O aumento da mortalidade entre pessoas obesas é devido principalmente a doenças circulatórias, tais como a das coronárias, hipertensão e acidentes vasculares, além das complicações provenientes da diabetes. Uma pessoa que esteja mais de 40% acima do peso ideal para a sua faixa etária corre risco dobrado de morrer de doenças coronarianas. Se a pessoa estiver mais de 20 a 20% acima do peso ideal a probabilidade de morrer de complicações provenientes da diabetes será 3X maior.

5712 – Medicina – Diabetes no obeso


Indivíduos obesos são mais propensos a sofrer de diabetes não dependente da insulina, na idade madura do que as outras pessoas. A insulina controla a absorção da glicose (açúcar) do sangue pelas células. Peso excessivo pode fazer com que o suprimento normal de insulina não supra o aumento da demanda pelos tecidos, que passam a conter mais células. A entrada e os níveis de glicoseno sangue aumentam. Perder peso, reduzindo o número de células do organismo, restaura tal equilíbrio e evita a necessidade de um tratamento a base de remédios.
Carboidratos complexos ricos em fibra, como produtos à base de cereal integral, frutas frescas, hortaliças, feijão e leguminosas, tem poucas calorias e são ricos em vitaminas e sais minerais. As fibras dão sensação de saciedadee reduzem a absorção de colesterol e glicose.
Evite carboidratos refinados – São alimentos ricos em calorias e pobres em vitaminas e sais minerais;
Prefira derivados do leite com pouca gordura e carnes magras. Ao cozinhar, use óleos vegetais, como óleo de girassol e de soja. Em vez de fritar os alimentos, siva-os grelhados. Diminua a quantidade dos alimentos semi-prontos, como biscoitos, doces e bolos, pois são ricos em gorduras. Estas contém mais do dobro de calorias que os carboidratos e proteínas.
Risco de câncer – Recentes estudos demontraram que quanto maior o excesso de peso, maior o risco de câncer de cólon, reto e próstata. De forma semelhante, mulheres obesas correm maior risco de desenvolver câncer de mama, de colo de útero, e cérvix. Tais descobertas ainda estão sendo analisadas.
Colesterol – Pessoas muito gordas podem apresentar altos níveis de colesterol no sangue. Acredita-se que esses níveis resultam da ingestão de excesso de gorduras saturadas, que se transformam em colesterol no fígado;
Hipertensão – Homens e mulheres com excesso de peso são mais propensos a morrer de complicações causadas pela hipertensão do que outras pessoas na mesma faixa etária cujo peso é normal. Mesmo a redução moderada de peso pode baixar consideravelmente a pressão alta.

5711 – Chope com espuma inovadora deixa a bebida gelada por mais tempo


A bebida com espuma resfriada a -5ºC já está disponível nos bares de Tóquio

Chope geladinho por até meia hora? Essa é a promessa da cervejaria Kirin // Crédito: Divulgação
A cervejaria japonesa Kirin acaba de apresentar ao mundo uma invenção que promete fazer a felicidade dos apreciadores da “loira gelada”. O chope ‘Ichiban Shibori Frozen Draft’ vem com a espuma congelada a -5 graus e, por isso, mantém a temperatura ideal por até meia hora.
A consistência do colarinho não é das mais agradáveis, assemelha-se a um chantilly. Para que ele fique congelado, a empresa usou um processo chamado Agitação Congelada, em que o chope é agitado, arrefecido e o ar é soprado para dentro da bebida.

Você, que já está ansioso para experimentar a novidade, não vai ter que esperar muito. A bebida já está disponível em bares de Tóquio e a empresa anunciou que até o final de maio, deve chegar a todo o Japão.
No Brasil, vai demorar mais um pouco.

5710 – Matemática – O Zero


Ele só surgiu muitos séculos depois que a humanidade aprendera a contar e a representar graficamente suas contas. Seu uso com sagrou-se na Europa por volta do século XIV, embora haja indícios de que algumas civilizações o utilizasse antes.
É difícil acreditar que os homens levaram 5 mil anos entre escrever números e conceber o nosso sistema de numeração posicional. Datam de antes de 3500 e a.C os registros mais antigos, indicando o uso sistemático de numerais escritos, e eles eram dos sumérios e dos egípcios.
Conta-se que, no século XIV, um mercador alemão quis escolher uma boa escola para o filho e foi aconselhar-se com um professor. Esse recomendou: se o aprendiz fosse limitar-se á soma e á subtração, bastaria freqüentam para uma universidade alemã; se quisesse multiplicar e dividir, deveria ir à Itália, pois só lá se pode obter instrução tão avançada. Mas é preciso esclarecer que fazer esses cálculos naqueles tempos nada tinha a ver com as técnicas que empregamos hoje. A multiplicação era obtida por duplicações sucessivas e a divisão por mediações sucessivas, ou seja, sucessivas divisões por dois.
É razoável imaginar que os sistemas numéricos nasceram da necessidade que o homem primitivo tinha de registrar seus bens – rebanhos, por exemplo. Logo as necessidades foram além do simples registro e então surgiram as operações aritméticas, que levaram à criação do ábaco, um curioso e simples aparelho que permite fazer os cálculos por meio de contas móveis. Durante muito tempo os homens mantiveram um sistema de numeração escrito para registrar os bens e o ábaco, para fazer cálculos. Houve quem tentasse elaborar regras para operar com os números escritos, mas as dificuldades eram grandes.
E por isso a humanidade levou um tempo enorme para passar do ábaco para a numeração posicional moderna. Um período em que muitas civilizações floresceram e pereceram, deixando-nos um rico legado de obras literárias, artísticas, filosóficas e religiosas. A Luz sobre essa questão começa a se fazer quando examinamos o esqueleto de nossa numeração moderna. O princípio posicional consiste em dar ao algarismo um valor que depende não apenas do membro da seqüência natural que ele representa, como também na posição que ocupa em relação aos outros símbolos do grupo. Assim, o algarismo 3 tem significados diferentes nos números 423, 537 e 386: no primeiro significa 3, no segundo 30 e no terceiro 300. Vamos escrever um desses números num quadro de contar: Parece suficiente traduzir esse esquema na linguagem dos numerais para obter mudas o que temos hoje. Mais há dificuldade num registro como 43, que pode estar representando qualquer destas formas.
Foi necessário criar um símbolo para as casas que ficavam vazias no ábaco, conforme estivéssemos escrevendo 43,430, 403,4003 etc. Hoje parece simples, mas a mentalidade concreta dos antigos gregos, por exemplo, não podia conceber o vazio, o nada, como um número. Provavelmente, nem os hindus viram no zero o símbolo do nada. O termo indiano sunya significa vazio ou espaço em branco, mas não o nada.
Assim, tudo leva a crer que a descoberta do zero foi um acidente causado pela tentativa de fazer um registro permanente e claro de uma operação do ábaco. Não foi à toa que o grande matemático, astrônomo e físico francês Pierre-Simon Laplace (1749-1827), observou: “Apreciaremos ainda mais a grandeza dessa conquista se lembrarmo-nos de que ela escapou ao gênio de Arquimedes e Apolônio, dois dos maiores homens da Antiguidade”.

5709 – Por que a espuma de sabão é sempre branca?


Na verdade, a espuma produzida por sabões e detergente não é branca. Quem explica isso é o professor de química Haroldo Meira Teixeira Júnior: “A espuma é um conjunto de microbolhas que, em virtude da reflexão e refração da luz e dependendo também do recipiente onde se encontram, podem adquirir todas as cores”. Como o branco é a soma de todas as cores do espectro visível, enxergamos a espuma com essa cor. Isso é fácil de ser comprovado se lembrarmos das bolhas de sabão produzidas por um canudinho, que são multicoloridas.

5708 – Mega Almanaque Futebol – Brasil X Uruguai na Copa de 70


Uma partida inesquecível com lances imortais, relembrados até hoje nos programas esportivos.
O jogo da semifinal no ano do Tricampeonato significou muito mais do que um jogo, devido a rivalidade com os uruguaios após o Maracanazzo de 1950.
Jairzinho, o furacão da copa deixou o dele. E o drible lendário de pelé no goleiro Mazurkiewcz valeu o ingresso.
OS CONVOCADOS PARA A COPA DE 1970
Goleiros: Félix (Fluminense), Ado (Corinthians) e Leão (Palmeiras);
Laterais: Carlos Alberto (Santos), Zé Maria (Corínthians),
Everaldo (Grêmio) e Marco Antônio (Fluminense);
Zagueiros: Brito (Flamengo), Baldochi (Palmeiras),
Fontana (Cruzeiro) e Joel Camargo (Santos);
Meio-campistas: Clodoaldo (Santos), Piazza (Cruzeiro), Gérson (São Paulo),
Pelé (Santos), Rivelino (Corinthians) e Tostão (Cruzeiro);
Atacantes: Jairzinho (Botafogo), Dario (Atlético-MG), Roberto Miranda (Botafogo),
Paulo César (Botafogo) e Edu (Santos); Técnico: Zagallo.
Dos quatro semifinalistas da Copa de 1970 (Uruguai, Brasil, Itália e Alemanha), três poderiam conquistar em definitivo a Taça Jules Rimet. Brasileiros, italianos e uruguaios tinham duas conquistas cada.

Curiosidades sobre a Copa
· Dois dos três preparadores físicos da Seleção Brasileira da Copa de 1970 chegaram a técnicos do Brasil em mundiais. Cláudio Coutinho, em 1978, e Carlos Alberto Parreira, em 1994. Admildo Chirol foi o único que não chegou.
· João Saldanha era o técnico da Seleção Brasileira nas eliminatórias da Copa de 1970. Mas um entrevero com o presidente da República na época, Emilio Garrastazu Médici, o afastou da Copa. Médici palpitou sobre a convocação da Seleção para Copa e Saldanha respondeu que “Médici devia palpitar no ministério dele, que da seleção cuidava ele. João Havelange, então presidente da CBF, não teve dúvidas, e demitiu o treinador.
· A Seleção da Copa de 1970 era formada por: Sepp Maier(Alemanha); Carlos Alberto(Brasil), Cera(Itália), Cooper(Inglaterra) e Beckenbauer(Alemanha);Clodoaldo(Brasil),Gérson(Brasil);Jairzinho (Brasil), Muller(Alemanha), Pelé (Brasil) e Rivelino(Brasil).
· O capitão da Seleção Inglesa campeã em 1966, Bob Moore, foi acusado de roubar um bracelete de ouro de uma joalheria em Bogotá. Após muitas discussões com as autoridades colombianas, o jogador foi liberado para jogar o Mundial de 1970.
· O meio-de-campo Didi, campeão com a Seleção Brasileira em 1958 e 1962, foi o técnico do selecionado peruano no mundial do México. A maior façanha do “Príncipe Etíope” foi nas Eliminatórias Sul-Americanas de 1969, quando desclassificou a Argentina.
· O goleiro uruguaio Mazurkiewicz, que ficou entre os três melhores arqueiros na copa, jogou no Brasil, mais precisamente no Atlético Mineiro, de 1972 a 1974.
O alemão Gerd Muller marcou dez gols em 1970, tornando-se o artilheiro da Competição. Com os quatro gols assinalados na Copa de 1974, Muller virou o maior goleador em copas do mundo.
· Jairzinho(Botafogo),Tostão(Cruzeiro), Rivelino(Corinthians), Gérson(São Paulo) e Pelé (Santos), que formavam o meio-de-campo e o ataque da Seleção Brasileira, jogavam nos seus clubes com a camisa 10.
· Em 1970, foi a quarta e última Copa que Pelé disputou. O Rei do Futebol marcou 10 gols e venceu três vezes a principal competição de futebol do Mundo.