5652 – Mega Notícias do Futebol – Italiano companheiro de Pelé no Cosmos morre aos 65 anos


Chináglia e Pelé, no Cosmos de NYC

O ex-atacante italiano Giorgio Chinaglia morreu neste domingo, aos 65 anos, na Flórida (EUA).
A morte foi confirmada por Anthony, filho do ex-companheiro de Pelé no New York Cosmos na década de 70.
“Nesta manhã ele acordou para tomar um remédio e depois disse que iria deitar. Fui verificá-lo e ele não respirava mais”, disse Anthony em entrevista ao canal Skysport.
Ídolo da Lazio, Chinaglia passou por uma operação na última semana após sofrer um ataque cardíaco.
Segundo a mídia americana, o ex-atacante marcou 193 gols em 213 partidas pelo Cosmos. Ele atuou ainda em 14 jogos pela Itália (quatro gols) e fez parte da seleção na Copa de 1974.

Mais sobre o Cosmos no capítulo 5580

5651 – Pequenos Países – O Chipre


Chipre no mapa

É uma ilha situada no Mar Mediterrâneo oriental ao sul da Turquia, cujo território é o mais próximo, seguindo-se a Síria e o Líbano, a leste. O país é também membro da União Europeia (UE). O terço restante (norte da ilha) foi ocupada pela Turquia em 1974, que então institui a República Turca de Chipre do Norte, nunca reconhecida pela ONU, reconhecida apenas pela própria Turquia.
Segundo as leis internacionais, a ilha de Chipre, em sua totalidade, é um país independente. Todavia, em 1974, após 11 anos de violência entre as comunidades e um golpe de Estado de nacionalistas cipriotas gregos, a Turquia invadiu e ocupou a parte norte da ilha. A violência entre as comunidades e a posterior invasão turca levou ao deslocamento de centenas de milhares de cipriotas além do estabelecimento de uma entidade turco-cipriota separada políticamente ao norte, reconhecida somente pela própria Turquia. Nicósia, a capital do Chipre, é a última capital dividida por um muro em todo mundo.

Nicósia, a capital

Na ilha também os sítios de Akrotiri e Dhekelia pertencem ao Reino Unido. A ilha de Chipre está situada no Mar Mediterrâneo, 113 quilômetros ao sul da Turquia, 120 km a oeste da Síria, 150 km a leste da ilha grega de Kastelorizo. Chipre tornou-se membro da Organização das Nações Unidas em 20 de setembro de 1960.
O nome da ilha e do país deriva da palavra grega para cobre, kýpros. Por este motivo, alguns autores especulam que a melhor tradução do nome em português seria Cipro, em vez do galicismo Chipre.
Depois de sucessivamente ocupado por fenícios, egípcios, assírios, persas, gregos e romanos durante a antiguidade, Chipre foi dominado pela República de Veneza desde 1489 até à invasão dos turcos otomanos em 1570. Pelo Congresso de Berlim, a ilha passou à administração britânica a 12 de julho de 1878, sendo convertida oficialmente em colónia em 1914, com o início da Primeira Guerra Mundial.
Chipre é uma das grandes ilhas do mar Mediterrâneo (juntamente com a Sicília, Sardenha, Córsega e Creta), a mais oriental de todas, localizada entre a costa sul da Anatólia e a costa mediterrânica do Médio Oriente. Geograficamente, pertence à Ásia, embora culturalmente e historicamente seja um misto de elementos europeus e asiáticos, com os europeus a predominar, dado o seu passado grego e os dois terços actuais de população de origem grega.
A ilha é montanhosa, com duas zonas acidentadas separadas por um vale amplo (a Mesaoria), onde se ergue a capital, Nicósia. A sudoeste erguem-se os montes Troodos, que albergam o ponto mais elevado da ilha, o monte Olimpo, com 1 953 metros de altitude. A norte erguem-se os montes Pentadactylos, uma cordilheira bastante estreita que começa na costa norte e que se prolonga para leste na longa península que confere à ilha a sua forma característica. Há também pequenas planícies costeiras no sul.
Nicósia é a maior cidade e a capital quer do estado reconhecido internacionalmente, quer da República Turca de Chipre do Norte. Outras cidades importantes são Limassol na parte grega e Famagusta na parte ocupada.
O clima é mediterrânico.
A economia de Chipre está claramente afectada pela divisão da ilha em dois territórios. Tem uma economia altamente vulnerável, mais estabilizada depois da entrada na União Europeia, com uma forte dependência do sector serviços e problemas de isolamento com respeito ao resto da Europa.
Nos últimos vinte e cinco anos, Chipre passou a depender da agricultura (onde só a produção de cítricos tem relativa importância comercial), a ter uma estrutura mais conforme com o contexto europeu, com uma presença importante do sector industrial que sustenta a maior parte das exportações e emprega ao 25% da população. Cerca de 70% depende do sector serviços, e em concreto do turismo. A localização geográfica próxima ao Oriente Médio provoca grandes oscilações de ano em ano ao tempo de converter-se em destino turístico.
Apesar do fato de que a história de Chipre é uma história de ocupações e invasões, a cultura contemporânea é de caráter grego puro, um personagem que nunca mudou durante os últimos 3500 anos.
Na verdade Chipre possui uma grande movimentação de turistas durante o período de verão, quando o calor e sol são fortíssimos. A noite também é bastante agitada com vários bares, com ares típicos de pubs.

Larnaca no Chipre

5650 – A vacina anti-rábica


É preparada com vírus causadores da raiva, mortos. O material genético estimula o sistema imunológico a produzir anti-corpos o cão é transmissor, por isso recebe dose única anualmente como prevenção. Já o homem, só será vacinado se for mordido por um cão que adquiriu a doença. Não há necessidade de prevenção porque os casos são raros e além disso, a vacina pode causar alergias. Como a quantidade de vírus recebida na mordida é baixa, a resposta do sistema imunológico também fica fraca. São dadas de 7 a 12 doses seguidas para despertá-lo. O abdome é indicado por ser mais amplo.

5649 – Neurolologia – O sono favorece o aprendizado


Enquanto dormimos, nosso cérebro conecta dados que acabou de guardar com outros acumulados no decorrer dos anos. Pelo menos é o que afirmou um neurologista da Harvard. O sono expanderia os caminhos para a comunicação entre as regiões do cérebro. Virar a noite estudando é inútil. Todo o esforço se transforma em desperdício se as horas debruçado sobre os livros não forem seguidas de uma boa e longa noite de sono. Só aprende quem dorme bem. O travesseiro é um bom professor e a aula deve ter no mínimo 6 horas por dia.
O cientista alemão Kekulé (1829-1896) passou um tempo empacado em um estudo da estrutura química do benzeno. Certa vez, viu em sonho, grupos de átomos se juntando para formar uma espécie de cobra que tentava morder o próprio rabo. Ao acordar, veio a idéia de que aquela seria a estrutura do benzeno. E era! É durante o sono que o cérebro revisa o aprendizado do dia e encaixa as informações nos lugares mais adequados, gravando-as na forma de memória.
Fases:
A 1ª dura 1 ou 2 minutos. A mente ainda não se desligou por inteiro e ainda dá pra perceber alguns estímulos. A fase seguinte também é rápida, com cerca de 5 minutos. Sono leve, acorda-se com facilidade e muitas vezes cochilo rápido não passa desse estágio. É um momento de transição para um repouso mais intenso.
Na 3ª fase, deligou geral – Começa o sono profundo, que dura cerca de 40 minutos no 1º ciclo, diminuindo em seguida. O que foi aprendido durante o dia está arquivado no hipocampo e começa a ser transferido para o córtex cerebral. Na penúltima fase, que também dura 40 minutos no início e fica curta ao longo da noite. Em tal fase há uma acumulação intensa da memória.
Última fase – É a fase REM. As informações do dia passam a ser gravadas junto com os dados antigos relacionados. Tal associação ajuda na solução de problemas.
Há eletricidade circulando pelo cérebro e por meio dela, uma célula nervosa se comunica com a outra. Chama-se potencial elétrico a quantidade de cargas positiva e negativa que funciona nas diferentes regiões do cérebro.
A pesquisas tem demonstrado que o sono é crucial para transferir informações guardadas durante o dia no hipocampo, a memória provisória. Por isso, os recém-nascidos dormem quase o dia todo, eles tem muito a aprender.
Parte das tarefas diárias executadas ficam estocadas no hipocampo. Quando dormimos cessa os sinais externos e o hipocampo manda os sinais elétricos para o cérebro.
Não é apenas para a memória que o sono é importante. O organismo também aproveita para se recuperar do cansaço físico. É a noite que se produz o hormônio de crescimento, que no adulto promete a cicatrização e a reposição de pele. O sistema imunológico também se refaz.
Diferentes sonos no reino animal:
Mosca – Repousa, mas não se pode afirmar que durma. Nunca se desliga totalmente do ambiente, pois seria facilmente predada.
Peixes – Também apenas descansam. O tubarão é um caso curioso porque repousa com metade do cérebro de cada vez para não ter que parar para nadar. Se parasse, seria levado pela corrente.
Jacaré – Não se sabe ao certo o que acontece com répteis, mas é provável que alternem períodos de vigília e descanso, mas sem dormir porque se bobear vira bolsa.
Mamíferos – Todos dormem e o urso hiberna, mas esse longo período de recolhimento não é sono. Trata-se de um estado letárgico no qual o metabolismo se reduz para poupar energia.
Pássaros – Seu sono é semelhante ao dos homens e passam por diferentes estágios, inclusive o REM.

5648 – Quem dorme pouco paga caro


Thomas Edson (1847-1931) – Ele não era bom de travesseiro e só repousava 3 horas por noite, considerando mais do que isso perda de tempo. Registros históricos comprovaram que no século 19 repousava-se mais de 10 horas em média. No início do século 20 convencionou-se que 8 horas seriam suficientes.
Insones tem apresentado mau resultado em testes de reflexo. Inúmeros estudos verificam a relação entre a privação do sono e o mau humor.
Muito diferente do que pensava Thomas Edison,(genios também erram) repousar não é perda de tempo. Pode se entregar aos braços de Morfeu e dormir o sono dos sábios.
Sono da morte – Dormir menos de 6 horas por noite pode ser mortal segundo uma pesquisa italiana, que encontrou relação entre o pouco sono e problemas cardíacos, pressão alta, diabetes, colesterol alto e obesidade. Tudo isso aumentaria em 65% a chance de morrer aos 65 anos. O problema é que o estudo apontou que dormir mais de 9 horas também é letal. O excesso de sono pode estar ligado a alguns tipos de câncer e depressão.

5647 – Como se forma a ferrugem?


Por meio de uma reação química entre o ferro presente nos metais e o oxigênio do ar. Tal reação em que o o oxigênio perde e o ferro ganha elétrons é chamada de oxidorredução. Para evitar a ferrugem, é comum proteger a superfície metálica com uma camada de tinta ou de metais pouco oxidáveis, ou seja, que não percam elétrons facilmente, como zinco, o estanho, o níquel e o cromo.

5646 – Efeitos do álcool na gravidez


Cientistas conseguiram confirmar uma antiga suspeita: existe uma relação direta entre consumo de álcool durante a gravidez e o desenvolvimento mental dos filhos. Pesquisadores americanos, trabalhando com uma amostra de 421 mães e seus filhos, verificaram que aos 4 anos, as crianças cujas mães tinham o costume de tomar pelo menos 3 drinques por dia na gestação, ficavam cerca de 5 pontos abaixo da média em testes de inteligência específico para a idade. Eles tiveram o cuidado de levar em consideração pelo menos 30 outros fatores que também poderiam influir no QI da criança, desde o nível de educação dos pais até a nutrição pré-natal, raça e sexo.
Para os autores do estudo, os resultados não querem dizer que se 3 doses são demais, 2 não irão prejudicar. O ideal é não ingerir álcool nenhum durante a gravidez.