5637 – Por que os vegetais são verdes?


Por causa dos cloroplastos. São bolsinhas verdes contendo clorofila, a substância esverdeada que absorve a luz do Sol e a transforma em energia. Quanto mais cloroplastos, maior a capacidade de produzir energia. Mas há exceções. É o caso da acalifa, um arbusto vermelho comum em jardins, mas elas também tem bastante clorofila, só que o verde é mascarado por outros pigmentos.

Um pouco +

A intensa cor verde da clorofila se deve a suas fortes absorções das regiões azuis e vermelhas do espectro eletromagnético, e por causa destas absorções a luz que ela reflete e transmite parece verde. Ela é capaz de canalizar a energia da luz solar em energia química através do processo de fotossíntese. Neste processo a energia absorvida pela clorofila transforma dióxido de carbono e água em carboidratos e oxigênio.
As moléculas de clorofila encontram denominados fotossistemas, que se encontram integrados nos tilacóides de cloroplastos. A maioria das moléculas de clorofila absorve luz e transmite a energia luminosa através de um fenómeno designado por “transferência de energia por ressonância” a um par de moléculas de clorofila específico que se encontra no centro reaccional dos fotossistemas. Os fotossistemas I e II possuem centros reaccionais distintos, denominados P680 e P700 de acordo com o comprimento de onda (em nanómetros) correspondente ao seu pico máximo de absorção.
A clorofila em plantas verdes consiste em duas formas, clorofila a e b. As clorofilas c e d são encontradas especialmente em algas e cianobactérias.
A clorofila a difere da clorofila b por apresentar na posição 3 do grupo tetrapirrólico o radical -CH3 (metila) no lugar do -CHO (aldeído). A clorofila está presente nas folhas das plantas, sendo crucial para a fabricação de glicose através da fotossíntese. A clorofila é produzida pela planta através dos cloroplastos. É a clorofila a a principal responsável pela coloração verde das plantas e pela realização da fotossíntese.
A clorofila b difere da clorofila a por apresentar na posição 3 do grupo pirrólico o radical -CHO (carbonila/aldeído) no lugar do -CH3 (metila).

O pigmento clorofila, presente no granum dos cloroplastos, não absorve luz verde, que é refletida, e por isso enxergamos as plantas dessa cor. A energia captada pela clorofila vem das luzes azul e vermelha, absorvidas pela clorofila. Além do verde, as plantas refletem o ultravioleta, e por isso vários insetos podem enxergar nessa cor.
A molécula de clorofila não sofre desgaste ou modificações na sua estrutura durante a fotossíntese. Se fosse extraído a clorofila de uma folha e depois submetida à luz, verficaríamos o fenômeno da fluorescência. Esse fenômeno ocorre pois os elétrons que ocupam subníveis energéticos mais baixos absorvem luz, ficam “excitados” e sobem para níveis energéticos mais altos. Esses elétrons perdem a energia recebida em forma de fóton, causando a fluorescência, retornando para os níveis energéticos inferiores. Há vários tipos de molécula de clorofila: nos vegetais superiores são comuns as clorofilas “a” e “b”. A clorofila “a” absorve melhor a luz com comprimentos de onda entre 400 e 700 nm, enquanto que a clorofila “b” absorve melhor na faixa entre 450 e 680 nm. Os dois tipos possuem maior absorção na faixa do azul e do vermelho.