5464 – Se as florestas acabassem o que aconteceria?


Isso produziria impactos climáticos e ecológicos locais. Aumentaria a temperatura do ar e a evaporação se reduziria. A exposição do solo às chuvas provocaria erosão acelerada e assoreamento dos rios, além de mudanças na qualidade da água e da vida aquática local. O efeito estufa se intensificaria.
Se destruídas por queimadas, as florestas lançariam mais gás carbônico na atmosfera. As florestas dizimadas deixariam de reter esse gás por meio da fotossíntese. Mais co² = a mais calor. Com o aumento da temperatura o nível dos mares subiria, atingindo as populações costeiras onde se concentra 60% da humanidade.
Outra grande perda seria a redução da biodiversidade. As florestas tropicais e particularmente a Amazônia, concentram milhares de plantas, insetos e microrganismos que sequer foram catalogados. A importância da biodiversidade pode ser avaliada pelo fato de que 85% dos medicamentos usados hoje vem de plantas.

5463 -Atmosfera – O Brasil tem tornados e não furacões


Imagem de um tornado

No Brasil não existem furacões. As vezes o termo é aplicado inadequadamente aos tornados e mesmo estes, ocorrem raramente. A diferença entre ambos está na intensidade e tamanhio da área que atingem. O tornado é uma tempestade muito localizada, com diâmetro de poucas centenas de metros e ventos fortes da ordem de 300 km por hora. Já os furacões são bem mais violentos e atingem extensão bem maior.
O tornado é um fenômeno meteorológico que se manifesta como uma coluna de ar que gira de forma violenta e potencialmente perigosa, estando em contato tanto com a superficie da Terra como com uma nuvem cumulonimbus ou, excepcionalmente, com a base de uma nuvem cumulus. Sendo um dos fenômenos atmosféricos mais intensos que se conhece, os tornados se apresentam sob várias formas e tamanhos, mas geralmente possuem um formato cônico, cuja extremidade mais fina toca o solo e normalmente está rodeada por uma nuvem de pó e outras partículas. A maioria dos tornados conta com ventos que chegam a velocidades entre 65 e 180 quilômetros por hora, mede aproximadamente 75 metros de altura e translada-se por vários metros, senão quilômetros, antes de desaparecer. Os mais extremos podem ter ventos com velocidades superiores à 480 km/h, medir até 1,5 km de altura e permanecer no solo, percorrendo mais de 100 km de distância.

5462 – Engenharia genética – Ciência Maluca?


Do tubo de ensaio para a prateleira da farmácia

Ela não recebe apenas aplausos pelas proezas que realiza. Seus avanços também provocam contrariedade entre aqueles que encaram com desconfiança suas pesquisas. Escaldados pela História, no desenvolvimento da energia nuclear, os adversários das experiências com os seres vivos querem que elas sejam suspensas ou restritas.
Os ecologistas se preocupam com possíveis efeitos adversos da liberação no ambiente de bactérias geneticamente alteradas com o objetivo de torná-las inseticidas vivos.
O porco recebeu um gene de vaca. O governo americano decidiu que podem ser requeridas patentes para formas de vida obtidas em laboratório, inclusive de mamíferos não humanos. Desde então, surgiu o fantasma do Frankstein de 4 patas.
A Engenharia Genética devassa os segredos da vida e vem criando seres inexistentes na Natureza. Há 2 décadas, transplantaram meterial genético de um micróbio para o outro. Tal proeza assinalou um novo campo de pesquisa que vai da Agricultura à Medicina.
Em 1944, um pesquisador do Instituto Rockfeller constatou que a matéria prima da hereditariedade é o DNA. Até então, o que havia de mais moderno eram os trabalhos do monge Gregor Mendel. Suas obras desvendaram as leis que governam a hereditariedade.
Substâncias foram produzidas pela Engenharia Genética, que antes só eram obtidas em quantidade insuficiente, tais como a insulina e o hormônio de crescimento.
Essas e outras substâncias deixaram os tubos de ensaio e foram para os balcões das farmácias, sendo fabricadas a partir de bactérias geneticamente manipuladas. Os genes foram removidos e substituídos com o uso de uma espécie de bisturi químico chamado enzima de destrição, que corta o DNA em determinados lugares. A bactéria manipulada transmite a característica de geração em geração.
Em 1985, pesquisadores transplantaram para embriões de camundongos, o gene do hormônio de crescimento humano; o crescimento dos filhotes foi excepcional. Acredita-se que novas experiências farão surgie animais capazes de crescer depressa, consumir menos e oferecer carne mais magra por quilo, sem doenças deformantes.

5461 -Literatura – Dom Quixote


Dom Quixote, um clássico da Literatura

Inspirado nos romances de cavalaria dos séculos 12 e 13, o espanhol Miguel de Cervantes (1547-1616), escreveu em pleno século 17, o engenhoso fidalgo Dom Quixote de La Mancha, um romance que satiriza os cavaleiros andantes, já completamente fora de moda na época.
O personagem era alto, magro e meio capenga e seu cavalo velho e desnutrido se chamava Rocinante, em alusão a rotim, um tipo de cavalo de tração, empregado nas lavouras européias. No Brasil, seria o popular pangaré. Dom Quixote não passava de um fidalgo espanhol empobrecido chamado Alonso de Quijano, que certo dia resolveu tomar como verdades as façanhas dos heróis dos livros, tornando-se um deles.
Sua ordenação deu-se num albergue, que ele imaginava ser um castelo; como elmo, que ele acreditava ser mágico, usava na cabeça uma modesta bacia de barbeiro. Sua paixão ideal e impossível era Dulcinéia, que ele supunha ser uma linda donzela, era uma simples camponesa.
Seu escudeiro, um simplório camponês de nome Sancho Pança, embarcou muito a contra gosto nas miragens do estranho cavaleiro e senhor, seguindo-o fielmente à falta de alternativa. Assim, os 2 percorreram a Espanha travando inglórias batalhas contra moinhos de vento, que na imaginação de Quixote eram gigantes maus. Talvez o 1º anti-herói da literatura ocidental. Quixote fez da sua vida, uma sucessão de equívocos. De volta a sua aldeia, já quase à morte, recupera a razão e volta a ser Alonso Quijano. Foi o triunfo da vida real sobre os dourados castelos que os romances de cavalaria construíram.

5460 -Fitness – A Fisiologia do Exercício


A liberação do hormônio de crescimento começa a diminuir já depois dos 20 anos. A perda de peso e a aparência mais magra atribuídas ao exercício na meia idade, são devidos somente a perda de gordura e não ao aumento da massa muscular.
Estudos recentes, demonstraram que pessoas obesas, valendo-se de dieta de baixas calorias, não perderam massa muscular do corpo quando tratadas com hormônio de crescimento. Para pessoas com dieta de baixas calorias e não executando exercicio, 25% do peso perdido será músculo. Até mesmo com exercícios pesados, 5% da perda do peso continuarão sendo músculos. Os nutrientes naturais, arginina, ornitina; podem ser usados para estimular no cérebro, a liberação do hormônio de crescimento, sendo mais sdaudável que as injeções do próprio hormônio, que causa efeitos colaterais.
Exercícios vigorosos e continuados produzem uma regular quantidade de massa muscular, sendo que para tanto, cerca de 25% do total de calorias consumidas são usadas como combustível. Nos animais que se exercitam ao máximo, comprovou-se que os múculos ficaram menos desenvolvidos do que naqueles que trabalham menos. Presume-se que tal fato decorreu por terem usado mais proteínas como combustível e terem menos disponibilidade para o crescimento muscular. Estudos mostraram ainda, que depois de correm 100 km, atletas tinham somente 30% nos níveis de soro, aminoácidos essenciais e não retornaram ao normal mesmo após 3 dias depois da prova.
Esta é uma das razões para os atletas consumirem mais proteínas. Os liberadores do hormônio de crescimento também poderiam ser de grande utilidade na limitação da perda de proteína.

Perda Muscular

Os 24 ratos que embarcaram na Challenger em abril de 1985 tiveram reduções drásticas na secreção do hormônio de crescimento, que vem das glândulas pituitárias. Um problema que também afeta os astronautas e resultou num forte descondicionamento devido a pequena atividade muscular requerida sob condições de menor pressão sobre todos os músculos, incluindo o coração. Tem sido um sério problema para pacientes hospitalizados. A arginina tem sido usada em pacientes mais velhos, recuperando-se desde cirurgias de câncer abdominal, para ajudar a vencer rapidamente o equilíbrio negativo do nitrogênio que causa a perda da massa muscular, e a supressão do sistema imunológico que tem lugar em pacientes cirurgicamente estressados e debilitados. Os estudos com hormônio de crescimento inicaram na década de 70, quando se descobriu que a idade está relacionada ao declínio da produção de tais hormônios, que são fabricados e liberados pela glândula pituitária, localizada no cérebro, em resposta ao sono. Determinados estudos mostraram que exercícios tem efeitos complexos nas funções imunológicas.

5459 -Mega Polêmica – Países ricos têm obrigação de ajudar os pobres?


Argumento pró – Sim e tal realidade não se aplica apenas à sociedade americana em relação à África, mas a cada latino-americano, que deve justificar a sua existência na abundância do século 21 ao lado da esqualidez de 400 milhões de pobres no mundo.
(Um embaixador e ex ministro brasileiro)

Argumento contra – A África recebeu 2,3 trilhões de dólares em ajuda desde a década de 60, mas sua expectativa de vida continua caindo. Já alguns países asiáticos que receberam pouco ou nehuma ajuda, conseguiram prosperar. Dar dinheiro, então, não seria a melhor ajuda e sim criar formas de desenvolvimento e remover barreiras convencionais.
(Diretora de um programa de política internacional para o meio ambiente)

5458 – Pirataria – CD caiu na rede é peixe


Enquanto a banda grava no estúdio, um funcionário espertinho, ou mesmo um músico, pode copiar canções e colocar na Internet. Uma cópia do áudio original chega ás gravadoras para os executivos, os acessores de imprensa e os agentes de markenting, qualquer um deles pode vazar o CD. O arquivo original do áudio é levado para as empresas que prensam o CD e funcionários podem escondê-lo no uniforme. As revistas especializadas recebem até 3 meses antes das lojas para fazer a crítica. Uma vez prontas, as cópias ficam em um balcão a espera de pedidos. São caixas e mais caixas de CDs e uma unidade pode sumir sem que ninguém perceba.