5360 – Museu do Som – A Cygnus


Tuner TU 800 foi um dos primeiros digitais

Uma marca brasileira de primeiríssima linha, desing futurístico e moderno e que conquistou o público especializado há 3 décadas.
A empresa foi fundada em 1972, originalmente em Buenos Aires – Argentina, e transferida para São Paulo em 1976.
Cygnus Eletrônica do Brasil Comercial e Industrial Ltda.
Rua Bahia, 897 – Higienópolis – São Paulo – SP
Cygnus Eletrônica Ltda.
Rua Antônio Vera Cruz, 199 – Casa Verde Alta – São Paulo – SP
Vejamos aqui alguns de seus equipamentos:
Cygnus – Linha Profissional
* Remote Control Processoir RC800
* Digital AM/FM Stereo Tuner TU800
* Full Control Stereo Preamplifier CP1800
* Stereo Graphic Equalizer GE1800
* Dynamic Noise Reduction Processor NR800
* Four Way Stereo Eletronic Programable Crossover EC400
Após alguns anos de sucesso a marca deixou de existir, alguns ex funcionários abriram uma fábrica com outro nome (UNIC), com projetos parecidos, mas que não durou muito tempo.
Veja a apresentação da empresa:
Unic Audio
Formada por profissionais com amplo knowhow em projeto de equipamentos de som profissional e larga experiência adquirida em conceituadas empresas do ramo.
Os equipamentos com a marca UNIC oferecem alta qualidade, excelente performance e fino acabamento. São amplificadores de potência, mixers, pré-amplificadores, equalizadores, mesas de som, amplificadores integrados com mixer de microfones para uso em karaokê, e ainda, amplificadores de linha de 70 ou 100 Volts, transformadores, gongo e sintonizador de AM/ FM, destinados à sonorização ambiente de aeroportos, magazines, auditórios, hotéis, escolas, academias de ginástica, igrejas, supermercados, cinemas, etc.E sempre que necessário com o suporte ao projeto do pessoal técnico da UNIC.
veja, ouça e compare:

Outro UNIC, quem conheceu ambas as marcas notou a incrível semelhança!

5359 – Mega Memória – Sputinik e Pearl Harbor


Lançamento do satélite russo Sputinik causou uma surpresa comparável ao ataque de Pearl Harbor aos americanos. Até então, armas nucleares tinham que ser transportadas por aviões, que poderiam ser derrubados pelo inimigo, mesmo assim, causando destruição limitada. Os russos mostraram que tinham tecnologia para atingir qualquer ponto do planeta. Seis meses depois, numa pesquisa do Gallup, 60% dos americanos achavam que uma guerra nuclear era iminente e que nela, a metade dos americanos ia morrer. Sirenes foram instaladas em centenas de cidades e muitos americanos construíram abrigos anti-bomba. O Sputinik deixou a Terra num foguete R-7 que ainda é baseado em foguetes Soyuz usados pela Agência Espacial Russa.

5358 – Ecologia – O avanço das algas tóxicas


A China tem 16 das 20 cidades mais poluídas do mundo e como se não bastasse a sujeira no ar, convivem com outra praga: a poluição das águas por algas tóxicas. As responsáveis pelas “marés vermelhas” e que agora estão alcançando lagos e reservatórios naturais que abastecem a população com água potável. Recentemente, centenas de milhares de habitantes ficaram sem água quando as algas tóxicas foram detectadas nos reservatórios. As algas produzem oxigênio, absorvem gás carbono, o principal gás do efeito estufa. e formam a base da cadeia alimentar marinha. Algumas espécies são tóxicas, mas em condições normais, não afetam o meio ambiente, porém, quando são envenenadas por dejetos industriais lançados por fábricas, absorvem tais substâncias. Nos seres humanos, o contato com as águas tóxicas pode causar enjôo, intoxicação, rachaduras na pele. Nos animais provoca doença, podendo levar à morte.
Na Flórida e no Havaí é comum encontrar tartarugas marinhas com tumores do tamanho de uma maçã, em volta dos olhos, na boca e atrás das nadadeiras. Nos EUA, 400 mil peixes morreram na Baía de Chesa Peake, numa área que vai de N. York até o estado de Virgínia, devido a proliferação de um tipo de alga tóxica chamado karlodinium, que se reproduz pela combinação de altas temperaturas, escassez de chuvas e excesso de poluentes na água.

5357 – Qual é a planta mais venenosa?


Cuidado com ela

É a abrina, encontrada no jequiriti, uma trepadeira brasileira conhecida também como arvoeiro. Mas a planta que faz mais vítimas no Brasil é a mandioca brava, porque a população em geral não sabe diferenciá-la das outras espécies comestíveis e inofensivas e a comigo-ninguém pode, também muito comum em residências.
A toxina da mandioca-brava, a linamarina, provoca náuseas, vômito, cólicas abdominais, sonolência, irritação na mucosa respiratória, distúrbios neurológicos, convulsões, coma e morte. Em caso de envenenamento requer hospitalização.
A trepadeira jequiriti contém uma toxina letal que é vagarosamente absorvida pelo aparelho digestivo. Causa intoxicação grave com distúrbios gástricos, diarréia e convulsões seguidos de estado de choque e morte.
Antídoto: Lavagem gástrica, antiespasmódicos e medicação intravenosa.
Comigo-Ninguém-Pode – Toda a planta é venenosa, em especial o caule e folhas. Os índios usavam a planta para induzir a esterilidade. A toxina oxalato de cálcio provoca náusea, cólicas e vômito. O contato com os olhos também produz irritação intensa.
Antídoto – Lavagem gástrica, vômito, ingestão de leite, clara de ovos, óleo de oliva e analgésicos.

5356 – Ecologia – Mais fitoplancton, menos efeito estufa


Um ambientalista propôs o aumento da quantidade de microalgas, conhecidas como fitoplancton, este absorveria grandes quantidades de dióxido de carbono e liberaria oxigênio. Embora corresponda a apenas 2% da flora da Terra, o fitoplancton produz 48% do oxigênio gerado diariamente no planeta. Quando esse vegetal morre e se decompõe, libera gases que contém moléculas que ao chegar a atmosfera, funcionam como núcleos ao redor dos quais formam as nuvens, filtrando e refletindo parte ad radiação solar, reduzindo o aquecimento da Terra. Para estimular a produção do fitoplancton, tubos verticais seriam colocados nos oceanos para captar a água a 200 metros de profundidade, onde é mais rica em nutrientes e seria bombeada até a superfície.

5355 – Sociologia – Urbanismo, política e favelização


Em troca de uma avalanche de votos, os políticos deixaram os morros do RJ serem tomados por barracos. O morro do Leblon abriga uma grande área de preservação ambiental e é patrimônio paisagístico tombado pela União desde 1973. Nele, a favela vem crescendo. Estima-se que tenha triplicado desde 1988. Por lei, o prefeito deve por abaixo obras irregulares durante a construção. Mas, remover as casas depois que a população já se estabeleceu, é um processo complicado.
Muitos moradores opõe-se energicamente contra a descrição de suas comunidades como “favelas”, alegando que o termo é pejorativo e que, muitas vezes, resulta em ameaças de despejos. Muitos acadêmicos têm criticado a UN-HABITAT e o Banco Mundial, argumentando que a campanha criada pelas duas instituições denominada “Cidades Sem Favelas” levou a um aumento maciço de despejos forçados.
Embora suas características geográficas variem entre as diferentes regiões, geralmente essas áreas são habitadas por pessoas pobres ou socialmente desfavorecidas. Os edifícios de favelas variam desde simples barracos a estruturas permanentes e bem-estruturadas. Na maioria das favelas ocorre a falta de água potável, eletricidade, saneamento e outros serviços básicos, como policiamento e corpo de bombeiros, por exemplo

5354 – Mega Memória – Lutador de jiu-jitsu toma coquetel fatal


Encontrado morto aos 33 anos na cela de uma delegacia em SP. Laudos do IML indicaram que foi vítima de hipoxia, onde o nível de oxigenação do sangue cai drasticamente. Sob efeito de cocaína, maconha e tranquilizantes ao ser detido, ele estava muito agitado. De madrugada lhe foi administrado um coquetel por um médico psiquiatra, eram 6 remédios: haldol antipsicótico, 3 amplolas de 100 ml cada, leponex outro antipisicótico, 1 comprimido de 100 ml; dienpax (tranquilizante, 3 comprimidos de 10 ml cada); topamax (anticonvulsionante, 2 comprimidos de 50 ml cada); fenergan (anti-alérgico, 12 ampolas de 2 ml cada); capoten (anti-hipertensivo), 1 comprimido de 25 mg. Segundo uma farmacêutica especialista em interações medicamentosas, todos os remédios prescritos reduziram direta ou indiretamente a atividade cerebral. A combinação entre eles potencializa os efeitos depressores do sistema nervoso central e pode levar a um quadro de parada cardio-respiratória.
O hadol acentua a ação do capoten, levando a uma queda brusca e acentuada da pressão arterial, a mistura com tranquilizante, cocaína e maconha pode levar o organismo a uma parada cardio-respiratória.

5353 – Energia Elétrica


O complexo elétrico do Rio Madeira, em Rondônia é um conjunto de usinas que vão despejar mais de 6 mil mw no sistema elétrico brasileiro, o que representa 6% de toda a capacidade instalada no país. O suficiente para atender 25 milhões de pessoas, mais que a região metropolitana de SP. A primeira usina a ser construída é a de S. Antônio, com um custo de 10 bilhões de reais; mas só em 2016, a usina vai alcançar sua capacidade plena com 44 turbinas em operação. O consórcio vencedor foi formado por Furnas e pela construtora Odebrecht. O programa visa reduzir o risco de racionamento que ronda o sistema elétrico desde o apagão de 2001.

5352 – A Fé e a Ciência


Por Carlos Rossi – Exclusivo para o ☻ Mega

Pesquisas indicaram que 93% dos membros da Academia Nacional de Ciências dos EUA não aceitam a idéia de um Deus. Há mais de uma década a revista Nature informou que 60% dos cientistas não acreditavam em Deus, a mesma quantidade encontrada em levantamento similar feito em 1916. Entre os mais incrédulos estão os biólogos. Os matemáticos são os mais crentes. Dawkins afirmou que era inaceitável um cientista ter idéias religiosas, pois o conflito seria incontornável.
Um geólogo como Kurt Wise sabia, cientificamente, que a Terra tem bilhões de anos, mas a Bíblia diz que foi criada por Deus há apenas 10 mil anos. Alguns aceitam a idéia de que a Bíblia tem imprecisões ou passagens metafóricas. A Ciência, porém, não tem respostas para perguntas como por que estamos aqui e qual o sentido da vida. Os cientistas ateus alegam que a ausência de uma explicação natural não exige necessariamente uma explicação sobrenatural. Eles acusam os religiosos de aproveitar a lacuna do conhecimento humano para preenche-la com o pensamento mágico. A Fé, por séculos foi mais forte, mais influente e mais poderosa que a Ciência. Darwin, com sua teoria da evolução das espécies fez ruir a idéia de que Deus fez do barro Adão e de sua costela, Eva. Na Evolução temos aves que não voam, cobras com pélvis e peixes cegos, o processo não seria perfeito, mas reincidente em um incessante trabalho de mutações. Um dia o homem saberá ler com precisão os 3 bilhões de letras do DNA humano. O conhecimento científico poderá fazer com que seja possível evitar um câncer , uma disfunção renal, a tendência a depressão ou fragilidade dos ossos do tórax. Mas não saberemos como fazer um homem bom ou mau, triste ou feliz.