4562 – A Invisibilidade


Os melhores físicos, químicos e engenheiros de materiais do mundo estão quebrando a cabeça neste exato momento para saber como se tornar invisível.
Não se trataria, é claro, de invisibilidade real, sendo apenas um efeito. Técnicas se baseiam num princípio simples: a luz muda a velocidade de sua propagação quando passa de um meio para outro. É fácil perceber isso quando você coloca uma caneta dentro de um copo d’água. A impressão de que a caneta está “quebrada” tem a ver com o fato de que a velocidade da propagação da luz muda quando ela passa do ar para a água, que é um meio mais denso do que os gases que compõem a atmosfera. O chamado índice de refração é uma medida dessa mudança de velocidade da luz. Na prática, ele indica o quanto os raios de luz “entortam” ao passar do ar para a água ou da água para o vidro. O índice de refração é importante na busca por invisibilidade porque, caso fosse possível criar um material no qual ele é negativo, o que aconteceria na prática é que a luz, em vez de penetrar no novo meio, ficaria dando voltas ao redor dele, o que na verdade é a definição física de invisibilidade: um objeto que a luz não toca. Até pouco tempo atrás, acreditavase que esse tipo de material (os chamados metamateriais) seria impossível de ser fabricado.
O primeiro grande avanço veio em 2006, quando pesquisadores da Universidade Duke (EUA) construíram um metamaterial invisível a microondas, que não passa de um tipo de onda luminosa. “Os cientistas da Duke implantaram circuitos elétricos em faixas de cobre que ficavam organizadas em círculos achatados e concêntricos, lembrando as resistências de um forno elétrico”.
Como nenhum ser vivo enxerga a luz na faixa do microondas, a utilidade dessa parafernália é meramente como prova de princípio. Um dos grandes problemas daqui para a frente tem a ver com a fabricação do material. É que os detalhes da superfície do metamaterial têm de ter dimensão compatível com o comprimento da onda luminosa que se quer curvar. Como o comprimento de onda das microondas é de 3 centímetros, basta que esses detalhes sejam menores que isso. Mas a luz visível possui comprimentos de onda de nanômetros, ou seja, da ordem de 1 metro dividido por 1 bilhão. É preciso aprender a construir o metamaterial com detalhes desse tamanhinho ridículo.
Talvez seja possível fazer isso com a ajuda de várias camadas de metamateriais. Outro detalhe é fazer com que a pessoa coberta pelo “manto” também seja capaz de enxergar. São desafios enormes.

4561 – O Fim da Obesidade


Embora muita gente ainda sofre com o problema da falta de comida, a obesidade ainda persiste.
O fato é que a oferta excessiva de calorias é um desafio muito mais sério, e vai matar cada vez mais gente ao longo deste século. Recomendar alimentação mais saudável e vida menos sedentária não está resolvendo o problema. O jeito talvez seja intervir nos mecanismos básicos que controlam o armazenamento de energia no corpo.
Vencer a obesidade pelos métodos convencionais é especialmente complicado porque estamos brigando com milhões de anos de evolução. Desde tempos imemoriais até um ou dois séculos atrás, os seres humanos e seus antepassados viviam debaixo da ameaça da escassez. A regra era comer o máximo possível, já que ninguém sabia quando uma refeição farta estaria à disposição novamente. Com a quantidade absurda de gorduras, proteínas e carboidratos nas prateleiras dos supermercados de hoje, o perigo de morrer de fome foi para o espaço, mas nosso organismo não teve tempo de “desaprender” sua mania de armazenar o máximo possível de calorias. Resultado: seja bem-vindo ao planeta dos fofinhos. A necessidade de comer demais está tão encravada no DNA, que, para muitas pessoas, nenhum tipo de informação sobre dietas, exercícios e o perigo do diabetes e das doenças cardíacas é capaz de suprimir o desejo inconsciente por comida gorda.
O alvo das últimas pesquisas é a grelina, um hormônio estimulador do apetite. A ideia é “grudar” a substância a um pedaço de proteína de bactéria, de forma que o organismo reconheça o conjunto como um corpo estranho e desenvolva anticorpos contra ele, diminuindo a vontade de comer do gordinho em questão. A vantagem é que a vacina provavelmente teria efeito rapidamente reversível.
Outro estudado é o Nocturnin, um gene ligado tanto à alimentação quanto ao relógio biológico de mamíferos. Camundongos cuja versão do Nocturnin foi desligada continuaram fininhos mesmo após uma dieta altamente calórica. O mesmo acontece com roedores sem o gene MGAT2, que ajuda a assimilar a gordura da dieta, diz Chi-Liang Eric Yen, da Universidade da Califórnia em São Francisco. Resta saber quai serão os efeitos de longo prazo desse tipo de abordagem em seres humanos.

4560 – Hi Tec – A Regeneração de Membros


Próteses para pessoas que tiveram braços ou pernas amputados estão cada vez mais avançadas e eficientes – não é incomum que as mais modernas permitam até que o usuário pratique esportes olímpicos -, mas é claro que elas não se comparam ao original. Alguém que tivesse a chance de ver seu membro cortado crescer de novo certamente consideraria o fato um milagre. E, no entanto, criaturas cujo corpo é construído com base em princípios quase idênticos aos nossos operam esse prodígio como quem chupa um sorvete. Um exemplo: as salamandras, as primas caudadas de rãs e sapos. Você pode cortar as patas delas quantas vezes quiser, porque novos membros sempre vão surgir.
Embora pouca gente saiba, os seres humanos são capazes de substituir a ponta de dedos cortados, desde que não haja ne-nhuma intervenção agressiva no machucado, como implantes de pele. É claro que isso não se compara à capacidade das salamandras. Quando a pata de uma salamandra é decepada, tudo começa de um jeito mais ou menos igual ao que se vê entre pessoas. O sangue estanca e forma-se uma espécie de “casca de machucado”. A partir daí, a coisa muda de figura. O passo seguinte do anfíbio é construir, na região, o chamado blastema, uma espécie de “embrião de membro” cujo desenvolvimento espelha, em grande parte, a formação original da pata dela.
Os fibroblastos, um tipo de célula que também participa da cura natural de ferimentos em seres humanos. A diferença entre nós e as salamandras, no entanto, é que os fibroblastos que são recrutados para o toco de membro delas parecem adquirir uma feição primitiva, ativando genes que normalmente só funcionam durante o desenvolvimento embrionário. Isso permite que eles se tornem versáteis, produzindo todo tipo de tecido, como cartilagens e ossos, o que ajuda a remontar o membro perdido. Outro ponto importante é que essas células trocam mensagens entre si, de forma que “sabem” com precisão em que parte do resto de membro estão. Não há risco de uma pata cortada na altura do cotovelo, digamos, crescer de novo como se estivesse começando a partir do ombro.
Estudos com embriões de camundongos revelam que eles são capazes de formar blastemas, mas o fazem de forma lenta, o que impede a regeneração completa. Outro problema é que os fibroblastos de animais como nós tendem a produzir grandes quantidades de matriz extracelular (uma espécie de cimento biológico), que acaba engessando a regeneração e formando uma cicatriz. Portanto, os pesquisadores já sabem o que fazer. É preciso achar maneiras de ativar os genes “primitivos” do local da amputação assim que o ferimento acontece. Eles esperam testar a ideia daqui a uns 5 ou 10 anos.

4559 – O Antílope


Antílope é a designação comum para um grupo variado de mamíferos bovídeos, O grupo engloba espécies de diferentes sub-famílias, por vezes mais aparentadas com vacas ou cabras que entre si. Em comum têm musculatura poderosa nos quartos traseiros, que lhes permite fugir aos predadores e atingir cerca de 70 a 100 km/h em algumas espécies, e presença de cornos ocos.
Há cerca de 90 espécies que se englobam no grupo dos antílopes.
elande
dik-dik
gazela (no sentido lato)
órix
kudu
Niala
impala
palanca
springbok
sitatunga
gnu
cob
adax
damalisco
songue

Classificação científica
Reino: Animalia

Filo: Chordata

Classe: Mammalia

Ordem: Artiodactyla

Família: Bovidae

Géneros
Aepyceros
Alcelaphus
Antidorcas
Antilope
Cephalophus
Damaliscus
Gazella
Hippotragus
Kobus
Madoqua
Neotragus
Oreotragus
Oryx
Ourebia
Pantholops
Procapra
Sylvicapra
Taurotragus
Tragelaphus
Antílope é a designação comum para um grupo variado de mamíferos bovídeos, O grupo engloba espécies de diferentes sub-famílias, por vezes mais aparentadas com vacas ou cabras que entre si. Em comum têm musculatura poderosa nos quartos traseiros, que lhes permite fugir aos predadores e atingir cerca de 70 a 100 km/h em algumas espécies, e presença de cornos ocos.
Espécies
Há cerca de 90 espécies que se englobam no grupo dos antílopes.
elande
dik-dik
gazela (no sentido lato)
órix
kudu
Niala
impala
palanca
springbok
sitatunga
gnu
cob
adax
Curiosidades
Ciclista foi atingido por um antílope durante uma prova na África do Sul
Ao decidir filmar uma corrida de bicicleta na reserva de Albert Falls, na África do Sul, o que o ciclista Travis Walke menos esperava era que seu companheiro de equipe Evan van der Spuy fosse acertado em cheio por um antílope à sua frente.
Evan van der Spuy chegou a ser hospitalizado após o acidente, mas foi salvo devido ao capacete
“Na próxima vez avisem aos ciclistas sobre os antílopes também e não apenas os rinocerontes, porque eles fazem tanto estrago quanto”, escreveu em seu perfil no Twitter o atingido Evan van der Spuy, que se queixou apenas de dores no pescoço depois de passar por exames.

4558 – Mega Byte – No Facebook não tem nada de interessante…


Essa é a opinião de muita gente, incluindo a minha.

Tópico da comunidade da Veja no Orkut:
Qual a rede social que você mais usa?

Anônimo
Orkut, apesar de meus amigos possuirem os dois, o orkut é menos confuso, tem as comunidades, lugar que vc encontra e faz amizade com pessoas com o mesmo estilo e interesses que vc.
o que peca no orkut é a dificuldade de encontrar algum amigo, coisa muito simples no facebook.

☻ Não gosto do Facebook porque ele não permite vídeos de terceiros, só do próprio usuário. Ora, se você não é artista, por que diabos faria um vídeo de si mesmo para torná-lo público na Internet?

Twitter eu ainda n consegui encontrar a graça
Anônimo
Sou muito mais o Orkut.

O Facebook é muito sem graça. Não tem nada de interessante pra fazer e não dar pra interagir e conhecer pessoas tanto quanto no Orkut….
Tenho perfil em alguns, mas devido à simplicidade do Orkut estou sempre por aqui. Os outros perfis até caíram no esquecimento, apesar de estar constantemente recebendo e-mail de cada um deles me relembrando algo. Acho o Orkut campeão por isso, descomplicado… prático.
Outro:
O Orkut é uma prova da ignorância popular, não sua causa.
O conteúdo é postado pelos usuários. Os mesmos usuários que estão no orkut estão no facebook, será que eles se tornarão “gênios” só porque estão em outra rede?

Pense antes de falar. Esse discurso pseudo “elitista” é inadequado.
Outro
Orkut, apesar de meus amigos possuirem os dois, o orkut é menos confuso, tem as comunidades, lugar que vc encontra e faz amizade com pessoas com o mesmo estilo e interesses que vc.
o que peca no orkut é a dificuldade de encontrar algum amigo, coisa muito simples no facebook.

Twitter eu ainda n consegui encontrar a graça

Perfeito. Análise perfeita.
Twitter!!
Eu tenho Orkut a algum tempo, e só utilizo pra ver as fotos de alguns amigos e baixar episódios de séries televisivas nas comunidades relacionadas. Ou seja, esses sites de relacionamento se tornaram dispensáveis, e por esse motivo, nem criei um perfil no Facebook, a onda do momento.
Já o Twitter é um vício meu. Não consigo ficar um dia sem acessá-lo. Ágil e prático, ficamos bem informados e sabemos das últimas novidades, em todas as áreas, quase que instantaneamente. Fora a diversão garantida pela criatividade dos outros twitteiros ao comentarem os temas atuais de forma livre.
Aliás, sigam-me:….