4092 – Zoologia – Os Grandes Gatos


Apetite destruidor
Como todos os felinos, os leões são exclusivamente carnívoros. Comem, em média, 9 kg de carne por dia e para conseguir tanto alimento atacam o que aparecer pela frente: zebras, antílopes, girafas, rinocerontes, ratos, peixes e, se tiverem chance, humanos. Podem até virar carniceiros e roubarem a refeição de hienas. Na hora do almoço, os machos comem primeiro, as fêmeas em seguida e os filhotes por último.Disputa pelo trono
Os leões são os únicos felinos a se organizar em grupos. Os bandos chegam a ter 30 animais. A alimentação fica por conta das leoas, que armam em grupo emboscadas para suas presas. Os machos se preocupam em demarcar o território e evitar que outros leões tomem posse do bando. Os rugidos, que podem ser ouvidos a mais de 8 km de distância, servem para afastar eventuais concorrentes.
O leão pode ser o rei dos animais, mas o maior de todos os felinos é o tigre. Ao contrário dos leões, o tigre prefere caçar sozinho, em matagais e florestas asiáticas, para não ser percebido. Quando avista um antílope ou um porco selvagem, ele destrói o pescoço do animal e o arrasta para um lugar seguro, onde devora até 40 kg de carne de uma só vez. Após a refeição, pode ficar mais de dez dias sem comer novamente.
Gato-bala

Guepardo, a flecha amarela

O guepardo, também conhecido como chitá, é o mais rápido dos animais terrestres. Além do corpo alongado e dos ossos leves, tudo nele foi feito para correr: as garras não-retráteis melhoram a tração, os largos pulmões absorvem mais oxigênio e a longa cauda facilita curvas. Ele depende de sua velocidade de até 120 km/h para alcançar animais velozes como gazelas e antílopes. Mas cada corrida o deixa tão exausto que, se não alcançar a presa rapidamente, só poderá fazê-lo no dia seguinte.
O sexo dos selvagens
A onça-pintada, também chamada de jaguar, só convive com outra de sua espécie durante o acasalamento. Nesse período, que pode durar até duas semanas, caçam juntas capivaras, veados e jacarés. É o maior felino das Américas e, apesar de ser bastante feroz, nunca ataca humanos.
Quente ou frio
O lince sobrevive em regiões tão diferentes quanto o gelo do Canadá e os desertos do México. Apesar de se parecer com um inocente gato doméstico, consegue matar lebres e mesmo ovelhas e cervos.
Leão-da-montanha
A habilidade que o puma, ou suçuarana, tem de saltar lhe permite viver sozinho em lugares de difícil acesso, como florestas e montanhas, e controlar um território de até 600 km2. Apesar de habitar toda a América, o seu comportamento tímido o torna difícil de ser encontrado.
Caça noturna
Para os cientistas, o gênero Panthera reúne o tigre, o leão, a onça e o leopardo. Na linguagem popular, o nome lembra sempre a pantera negra, ou leopardo negro. Ela pesa 70 kg – cerca de um terço do peso do tigre – mas tem uma enorme habilidade em surpreender suas presas. Escura por inteiro, sempre caça à noite, com o auxílio de sua visão noturna e dos movimentos silenciosos. É capaz de pular uma altura de até 4 m e passa a maior parte do dia em cima de árvores, para onde leva as suas presas.

Conheça todos individualmente nos capítulos do ☻ Mega

4091 – Afrika Bambaataa se Apresentou no o Rock in Rio


Nem só de metal vive o Rock in Rio.
Jamiroquai e Steve Wonder também estiveram lá e tem capítulos á parte aqui no ☻ Mega

Esse nova-iorquino praticamente inventou o DJ de hip hop, no início dos anos 1980. Ele se apresenta ao lado da cantora brasileira Paula Lima e do rapper português Boss AC, veterano que trabalha muito com DJs de Angola.
Afrika Bambaataa é o pseudônimo de Kevin Donovan (Bronx, Nova York, 19 de abril de 1957) é um DJ estado-unidense e líder da Zulu Nation, reconhecido como fundador oficial do Hip Hop.
Nasceu e foi criado no Bronx e, quando jovem, fazia parte de uma gangue chamada Black Spades (Espadas Negras, em português), mas viu que as brigas entre as gangues não levariam a lugar nenhum. Muitos dos membros originais da Zulu Nation também faziam parte da Black Spades, que era uma das maiores e mais temidas gangues de Nova York. Bambaataa se utilizou de muitas gravações já existentes de diferentes tipos de música para criar Raps. Usando sons, que iam desde James Brown (o pai do Funk) até o som eletrônico da música “Trans-Europe Express” (da banda européia Kraftwerk), e misturando ao canto falado trazido pelo DJ jamaicano Kool Herc, Bambaataa criou a música “Planet Rock”, que hoje é um clássico. Bambaataa também foi um dos líderes do Movimento Libertem James Brown, criado quando o mestre da Soul Music estava preso e, anos depois, foi o primeiro ‘Hip-Hopper’ a trabalhar com James Brown, gravando “Peace, Love & Unity”. Bambaataa criou as bases para surgimento do Miami Bass, Freestyle (gênero musical), ritmos que segundo alguns historiadores infuênciaram o Funk Carioca, o que eu particularmente discordo.
Palco Sunset, às 15h50
Joss Stone
Inglesa, loirinha e dona de um vozeirão, quando ela surgiu, ainda adolescente, ganhou fama logo de cara. Agora, mais madura, volta ao Brasil, onde uma legião de fãs concorda com os críticos que querem compará-la a Aretha Franklin
Palco Sunset, às 17h45
Também discordo dos críticos. Ela não tem nada a ver com Aretha Franklim, que segue abaixo com Jump to It, outra clássica dos anos 80 e produzida por Luther Vandross

4090 – Além da Imaginação – Um Game de Arrepiar


Lançado em 1995, Phantasmagoria foi um marco. Com seus sete CDs, criou uma nova linguagem para jogos de computador. Misturava mistério e desafio ao raciocínio, características dos games tipo quebra-cabeça, com muita ação. Na esteira desse sucesso, a empresa americana Sierra está lançando o Phantasmagoria II. Só que a trama não tem nada a ver com a do original. Dessa vez o personagem principal é Curtis Craig, jovem bem-empregado, saído há um ano de um hospício. Coisas estranhas acontecem e, para escapar de uma nova internação, Craig vai procurar explicações na história de sua família. Aí aparece de tudo: ancestrais mortos, feiticeiros, alquimistas. O plano da Sierra é dar início a uma seqüência de episódios nos moldes da série de TV Além da Imaginação, que mistura ciência, terror e misticismo.

4089 – Ficção e Suspense – No Limite da Realidade


Título original: (Twilight Zone: The Movie)
Lançamento: 1983 (EUA)
Direção: Joe Dante, John Landis, Steven Spielberg, George Miller
Atores: Dan Aykroyd, Albert Brooks, Vic Morrow, Doug McGrath.
Duração: 101 min
Gênero: Ficção Científica
É um filme americano de 1983 produzido por Steven Spielberg, versão cinematográfica da popular série de televisão criada por Rod Serling nas década de 1950 e 1960, The Twilight Zone[1] (br: Além da Imaginação / pt: A Quinta Dimensão). O filme conta com 4 episódios análogos à série original, com 30 minutos cada um.
Sinopse
1º Segmento: Bill Connor (Vic Morrow) é um homem racista, que sente na pele a sensação de exclusão apenas devido à cor de sua pele ao viajar no tempo até a Alemanha nazista. 2º Segmento: o sr. Bloom (Scatman Crothers) chega em um asilo e realiza os desejos dos moradores do local, ao transformá-los em jovens encarnações de si próprios. 3º Segmento: Anthony (Jeremy Licht), um garoto de 10 anos, ganha uma carona de Helen Foley (Kathleen Quinlan) e passa a aprisioná-la, juntamente com outras pessoas, em um universo por ele criado. 4º Segmento: John Valentine (John Lithgow) está em um avião e tenta convencer outras pessoas, inutilmente, da existência de uma criatura do lado de fora da aeronave, tentando sabotá-la.

4088 – R&B – Phyllis Hyman,o som dos anos 80


Phyllis Linda Hyman (06 de julho de 1949 – 30 de junho de 1995) – Cantora e atriz norte-americana, filha de um pai m Afro-americano e mãe italiana, ela era a filha mais velha. A sua formação musical começou em uma escola de música. Na graduação, ela se apresentou em uma turnê nacional com a Direcção Novo grupo em 1971. Hyman mudou-se para New York para trabalhar em sua área de atuação. Ela fez vocais de fundo em Jon Lucien Premonition ‘s e trabalhou em clubes. Foi durante uma dessas apresentações que ela foi flagrada por Norman Connors , que lhe ofereceu uma vaga como vocalista em seu álbum, You Are My Starship (1976). A dupla marcou nas paradas R & B com um remake de The Stylistics ” Betcha por Golly Wow! “.
Quando Arista Records comprou Buddha, ela foi transferida para esse rótulo. Seu primeiro álbum para a Arista, Em algum lugar na minha Vida, foi lançado em 1978, a faixa-título foi produzido pelo então labelmate Barry Manilow . Seu álbum de follow-up, You Know How to Love Me, fez o Top R & B 20 e também teve um bom desempenho nas paradas clube de dança. No final de 1970, Hyman se casou com seu empresário Larry Alexander (que é irmão do pianista e jogador jamaicano melodica Monty Alexander ), mas ambas as associações pessoais e profissionais terminaram em divórcio. Por essa época, começou a usar cocaína Hyman, o que levou a uma dependência ao longo da vida.
Problemas entre Hyman e sua gravadora, Arista, provocou uma pausa em sua carreira a gravação. Em 1983, Hyman gravou a canção “Never Say Never Again” como a canção título para o filme de James Bond com o mesmo nome , escrito por Stephen Forsyth e Jim Ryan. No entanto, a Warner Brothers informou que Forsyth Michel Legrand , que escreveu a partitura para o filme, ameaçou processá-los, alegando que ele tinha contratualmente o direito de a canção título. Uma canção título alternativo composto por Legrand acabou por ser utilizado para o filme e realizado pela cantora Lani Hall , ex- Sérgio Mendes e Brasil ’66.
Morte
Na tarde de 30 de junho de 1995, Hyman cometeu suicídio por overdose de pentobarbital e secobarbital em seu apartamento em Nova York. Ela foi encontrada horas antes de sua apresentação no Teatro Apollo . Sua nota de suicídio em parte:
“Estou cansada. Estou cansada. Aqueles de vocês que eu amo sabem quem é. Que Deus os abençoe.”
Ela tinha 45 anos. Um serviço memorial foi realizado na Luterana de São Pedro Igreja em Manhattan. Na semana seguinte, teria sido seu aniversário de 46 anos.
Deixou essa clássica do R&B, muito conhecida aqui no Brasil e tocada nas melhores rádios nos anos 80:

4087 – Psicologia – A Felicidade Existe?


Das clássicas proposições filosóficas aos atuais manuais de auto-ajuda, passando pelos trabalhos científicos e as construções utópico-ideológicas predominantes no século 20, a verdade é que o ser humano ainda não conseguiu dar uma resposta definitiva e satisfatória sobre o que é ser feliz e como conseguir sê-lo.
Seguindo o caminho das certezas, as “religiões prometem felicidade eterna, tendo como condição a fé”, observa o sociólogo Pedro Demo, professor da Universidade de Brasília e autor de três volumes “A Dialética da Felicidade” (Ed. Vozes, 2001).
O próprio Freud teria dito que a psicanálise até pode resolver os problemas da miséria neurótica, mas ela nada pode fazer contra as misérias da vida como ela é.
Ainda, segundo Freud (1974), não sendo a psicanálise uma Weltanschauung, isto é, não sendo uma “cosmovisão”, uma construção intelectual que visa solucionar todos os problemas de nossa conturbada existência, com base em uma hipótese filosófica ou supostamente científica universal, é praticamente impossível conceber um ser humano plenamente feliz.
Herdeira do estilo socrático porque ousa buscar mas nada conclui, a psicanálise sustenta o compromisso de, por um lado, não deixar nenhuma pergunta sem resposta e, por outro, é avessa as Weltanschauungs de todo o tipo, que acreditam terem encontrado a chave para explicar e resolver todos os males da humanidade, por meio do indivíduo, do grupo ou da coletividade.
Para entender a relação psicanálise e felicidade, precisamos resgatar alguns de seus conceitos e categorias. O primeiro deles é o desejo. O desejo é humano, demasiadamente humano. O desejo (D.: Wunsch), tal como é entendido pela psicanálise, não é a mesma coisa que a necessidade. Enquanto a necessidade é um conceito biológico, natural, implica uma tensão interna que impele o organismo numa determinada direção no sentido de busca de redução dessa tensão ou satisfação, logo, a autoconservação (ex.; necessidade de fome, então buscamos comida), o desejo, sendo de ordem puramente psíquica, é desnaturado e como tal pertence à ordem simbólica. Enquanto a necessidade é biológica, instintiva e busca objetos específicos (comida, água, etc) para reduzir a tensão interna do organismo, o desejo não implica uma relação com esses objetos concretos, mas sim, com o fantasma ou fantasia. Ou seja, “o fantasma é, ao mesmo tempo, efeito do desejo arcaico inconsciente e matriz dos desejos atuais, conscientes e inconscientes”
Por muito tempo, a felicidade foi tratada como uma sensação intangível, tema da filosofia e da arte – e não da ciência . Acontece que , nos últimos anos, a união entre psicólogos, economistas e neurologistas turbinaram a chamada “ciência da felicidade”, um novo campo que promete revolucionar a ciência nas próximas décadas.
Mas, se a riqueza não traz felicidade, o que traz? Se você pensou em saúde, juventude, um QI alto, um bom casamento, dias ensolarados ou ter uma crença religiosa, saiba que tudo isso ajuda. Mas, de acordo com pesquisa realizada em 2002 pela Universidade de Illinois, também nos EUA, as pessoas com alto nível de felicidade são aquelas que têm mais capacidade de fazer amigos e manter fortes laços afetivos com eles. Um hábito simples e gratuito.

4086 – Mega Memória Teledramaturgia – Pecado Capital


Um clássico da teledramaturgia e que já teve um remake em 1998. Telenovela brasileira produzida e exibida pela Rede Globo pela primeira vez entre 24 de novembro de 1975 e 5 de junho de 1976. Foi escrita por Janete Clair e dirigida por Daniel Filho e Jardel Mello, tendo contado com 167 capítulos. Também foi a primeira novela em cores para o horário das oito da noite.
A telenovela traz José Carlos Moreno, chamado Carlão, um taxista morador do subúrbio carioca do Méier. Logo no primeiro capítulo, acontece um grande e audacioso assalto a banco e os ladrões, em fuga, embarcam no carro de Carlão. Só que a mala cheia de dinheiro é esquecida no veículo. O taxista, então, vê ali a chance de ascender socialmente, podendo enfim casar-se com a noiva, Lucinha, operária numa fábrica de roupas. Graças à beleza da moça, as brigas entre os dois por causa de ciúme do taxista são frequentes. Lucinha conhece, então, na fábrica, o publicitário Nélio Porto Rico, que a convida a ser modelo. Pensando na possibilidade de crescer na vida, ela aceita. Enquanto isso, Carlão faz segredo quanto a estar com o fruto do assalto ao banco. A opção de Lucinha pela carreira de modelo leva-a a romper com Carlão e com o pai, Orestes, pela intolerância.
Enquanto isso, Eunice, uma dona-de-casa de classe média, infeliz no casamento, sofre com o repúdio do marido, Ricardo, e com a consciência pesada. Ela esteve no assalto, do qual participou convencida pelo amante, Miguel, e foi quem esqueceu o dinheiro com Carlão. Numa discussão com Miguel, que acreditava que ela quisesse enganá-lo, terminou matando-o. Foi, então, pedir ajuda ao marido para sair da enrascada, e ele a obrigou a ir passar uns tempos nos Estados Unidos, longe do filho, Paulo Roberto. E a suburbana Lucinha é escolhida como principal modelo das Confecções Centauro, onde antes trabalhava. Desperta o interesse do adormecido coração de Salviano Lisboa, um milionário viúvo que, apesar de ter seis filhos – Vitória, Vilma, Vicente, Virgílio, Vinícius e Valter – e viver cercado por muitos bajuladores, sente muita solidão. O início do romance entre Salviano e Lucinha desperta em Carlão um grande ódio, e ele lança mão do dinheiro, que planejava devolver, para ascender socialmente – para ele, Lucinha deseja isto:fortuna e posição.
Eunice volta ao Brasil e, cumprindo suas ameaças cheias de rancor, Ricardo a denuncia e ela é presa. Ao ficar sabendo da situação da mulher, Carlão sente a consciência pesar e começa a ajudá-la. Penalizado, sabendo que se tivesse entregue o dinheiro a situação de Eunice seria outra, morrendo de pena, Carlão se casa com ela, mesmo apaixonado por Lucinha, que passa a enfrentar, a cada dia que passa, maior oposição dos filhos de Salviano. Carlão e Eunice vivem um casamento infeliz. Ela, verdadeiramente apaixonada, sofre com o amor do marido por outra que não o quer;ele, por estar casado por piedade e medo de que ela, já o tendo reconhecido como o taxista do caso, o denuncie.
Ao longo da trama, Carlão vai se afundando mais e mais graças à ambição e ao desejo de reconquistar Lucinha. No final, quando resolve deixar o dinheiro (800 mil cruzeiros) numa obra do metrô e fazer uma denúncia anônima às autoridades, Carlão termina assassinado no local por um capanga de Sandoval, um mau-caráter com quem se havia envolvido em negócios escusos. Salviano e Lucinha se casam. Um empregado chega perto do patrão com um jornal que noticia a morte do taxista, tido na reportagem como membro da quadrilha que assaltou o banco, ou coisa do gênero. Lucinha pergunta o que é, e Salviano: “Nada, nada, uma nota sobre o nosso casamento”. Amassando o jornal, sai com a esposa. O envolvimento de Carlão com gente “barra-pesada”, a ambição, a infelicidade no amor, mesmo com fortuna, provam ao público que, como diz a letra do tema de abertura, “dinheiro na mão é vendaval”; a trama sintetizada nos versos de Paulinho da Viola, para ela especialmente compostos.
Elenco

Francisco Cuoco – Carlão (José Carlos Moreno)
Betty Faria – Lucinha (Maria Lúcia Batista / Lucy Jordan)
Lima Duarte – Salviano Lisboa
Rosamaria Murtinho – Eunice
Débora Duarte – Vilminha (Vilma Lisboa)
Dênis Carvalho – Nélio Porto Rico
Theresa Amayo – Vitória Lisboa
Luiz Armando Queiroz – Vicente Lisboa
Emiliano Queiroz – Valdir
Gilberto Martinho – Raimundo
Sandra Barsotti – Gigi
Elizângela – Emilene Batista
Germano Filho – Orestes Batista
Ilva Niño – Alzira Batista
Lutero Luiz – Marciano
Milton Gonçalves – Dr. Percival
Mário Lago – Dr. Peres(advogado de Eunice)
Marco Nanini – Vinícius Lisboa
João Carlos Barroso – Valter Lisboa
Malu Rocha – Cibele Lisboa
Lauro Góes – Virgílio Lisboa

4085 – Derretendo o Tumor de Próstata


Trata-se do 2° tumor maligno mais comum no Brasil,perdendo apenas para o de pele. É a doença mais temida pelo sexo masculino. O tratamento pode deixar sequelas. Como a cirurgia e a radioterapia tem área de atuação ampla demais, podem comprometer também os tecidos próximos. Mas uma nova tecnologia promete matar o câncer com a precisão de um míssil teleguiado. É um aparelho de ultra-somde alta intensidade, robótico e desenvolvido para atacar alvos diminutos, que são destruídos sob uma temperatura de 90°C. Tal aparelho é fruto de uma década de pesquisas. Nos primeiros aparelhos, que eram manuais, pequenas movimentações do paciente durante o procedimento, como tosse ou espirro, fazia o médico perder o alvo. Mas, com a nova tecnologia, é tudo automatizado. O urologista programa a máquina e uma sonda automática se encarrega de controlar a emissão de ultra-som. Em 6 meses, o tecido tumoral necrosado é absorvido pelo organismo. O tratamento é indicado quando a doença está em estágio inicial. Diagnosticado nesta fase, o câncer é debelado em 95% dos casos.
Com o tamanho de uma noz, a apenas 20 mm de distância do osso da bacia, a glândula prostática está encostada no reto.

4084 – Tropa de Elite 2 – Veja Como Funciona as Milícias


Toda milícia funciona a partir de um grupo de policiais que decide matar bandidos a pretexto de “proteger a sociedade”. Formado o grupo de extermínio, o passo seguinte é estender o “serviço” a traficantes interessados em eliminar rivais.
Mais estruturada, a milícia toma o lugar dos traficantes locais, e a exemplo deles, passa a cobrar dos moradores taxas de segurança para manter a região livre dos bandidos anteriores.
Os milicianos monopolizam comércio e serviços da região. Da venda de bujões de gás à instalação de Internet.Tudo passa pela cobrança de pedágio.
Para consolidar seu poder, chefes de milícias poderosas filiam-se a partidos e saem candidatos a vereador ou deputado, com o apoio de líderes locais.

4083 – Drogas – Um Ministro na Cracolândia


O Ministro da Saúde passou recentemente uma madrugada na Cracolândia, no centro de SP. Anônimo, sem seguranças e acompanhado apenas por 2 assessores, coversou com usuários e traficantes, percorreu as ruas e viu cenas de degradação urbana e física. Saiu de lá ainda mais convencido de que a internação conpulsória é necessária em casos extremos. Quando o viciado não tem mais discernimento e corre risco de vida. O Ministério da Justiça é contra a medida. Uma reportagem flagrou na semana passada venda de crack em um novo local, batizado de Nova Cracolândia. Fica na rua dos Gusmões, esquina com a avenida Barão de Limeira. É verdade que a mídia tende a apimentar as notícias, mas os acontecimentos estão ali para todo mundo ver com os próprios olhos. Outras reportagens e observações de moradores dos bairros identificaram situações similares na Vila Buarque e na Avenida São João, entre outros.
Praticamente todo o centro de São Paulo está degradado, tomado por mendigos e viciados em crack.
A venda e uso das drogas continua nas regiões vizinhas, como República, Santa Cecília e Vila Buarque. Este efeito colateral da operação urbana já havia sido previsto por vários profissionais e organizações no centro da cidade. Mesmo assim, o projeto da prefeitura não incluiu estratégias para resolver esta questão.

São mendigos porque fumam crack, ou fumam crack porque são mendigos?

4082 – Automóvel, máquina mortífera 2


Nada a ver com o filme de Mel Gibson, aqui trataremos de fatos reais…

Um acidente rodoviário ou de trânsito pode ser uma colisão entre veículos ou entre um veículo e um objeto (poste, construção, árvore, etc.) ou um atropelamento de pedestres (ou de pessoas trafegando em animais de carga ou em veículos menores, tais como bicicletas, motocicletas etc.) ou atropelamento de animais. Também pode não haver qualquer interação do automóvel com outro objeto, no caso de capotamento, quando o condutor simplesmente perde o controlo da viatura. Segundo estudos estatísticos, os acidentes de trânsito matam, por ano, 1,2 milhões e ferem cerca de 50 milhões de pessoas, em todo o mundo, números superiores aos das populações do Chipre e da África do Sul respectivamente.

4081 – Einstein estava certo – Estudo confirma validade da teoria da relatividade no espaço


Uma equipe de astrofísicos confirmou que a teoria da relatividade de Albert Einstein é válida em escala cósmica, e não só no Sistema Solar, ao comprovar que a gravidade influi na luz procedente de longínquos conglomerados galácticos, segundo estudo publicado na edição desta quarta-feira da revista “Nature”.
Por puro acaso, esta pesquisa, que ainda precisa de confirmação, foi publicada alguns dias depois de uma descoberta que lançou dúvidas sobre a teoria de Einstein.
Partículas mais rápidas que a luz podem ser revolução na Física
Cientistas anunciam partícula que se move mais rápido que a luz
Uma equipe de físicos detectou neutrinos, partículas elementares da matéria, deslocando-se a uma velocidade sutilmente superior à da luz, um “limite insuperável” segundo a teoria da relatividade.
Muito antes deles, Radek Wojtak (Dark Cosmology Centre, da Universidade de Copenhague) e seus colegas tentavam confirmar a teoria de Einstein, analisando a luz que chega à Terra de galáxias situadas nos 8.000 conglomerados, cada um dos quais é formado por milhares de galáxias.
Segundo esta pesquisa, a gravidade garante a coesão dos agrupamentos, mas também influi na luz que cada uma das galáxias emite no espaço.
De acordo com a teoria de Einstein, a frequência da luz diminui e seu comprimento de onda se amplia por efeito da gravidade.
Como consequência disso, ocorre um desvio do espectro luminoso para o vermelho (“redshift”) gravitacional, diferente do que provoca o distanciamento das galáxias.
Comparando o comprimento de onda da luz procedente das galáxias situadas no coração dos conglomerados, onde a gravidade (atração universal) é mais forte, ao das galáxias situadas na periferia, a equipe de astrofísicos conseguiu medir “pequenas diferenças em seu ‘redshift'”, explicou Radek Wojtak.
“Vimos que a luz das galáxias situadas no meio de um conglomerado demora para sair do campo gravitacional, enquanto que a luz das galáxias periféricas emerge mais facilmente”, acrescentou o cientista em um comunicado.
Uma vez calculada a massa de cada conglomerado galáctico, os astrofísicos usaram a teoria da relatividade geral para avaliar o “redshift gravitacional” das galáxias segundo sua posição no conjunto.
Estes “cálculos teóricos” do ‘redshift’ gravitacional se mostraram “completamente em consonância com as observações”, reforçou Wojtak. O desvio para o vermelho varia “proporcionalmente em função da influência gravitacional dos conglomerados galácticos”, acrescentou.
“Nossas observações confirmam, assim, a teoria da relatividade”, destacou.
Foram feitos testes na escala do Sistema Solar ou de algumas estrelas. Por enquanto, foi “comprovada a escala cósmica e isto confirma que a teoria da relatividade geral funciona”, concluiu o cientista.
A equipe de astrofísicos comparou os resultados obtidos com as previsões de vários modelos cosmológicos.
Segundo Wojtak, há “fortes indícios da presença de uma energia escura” responsável pela aceleração da expansão do Universo, mas ele não descarta que possa haver outros motivos.
Segundo cálculos baseados na teoria da relatividade geral, uma energia escura de natureza desconhecida representa 72% do universo. Uma matéria escura misteriosa, invisível, constituiria 23% e teria 5% de matéria visível, formada, por exemplo, de estrelas e planetas.

4080 + Cinema – O Inferno Vermelho


Quem assistiu estava procurando por ação e pancadaria, mas acabou dando umas boas risadas…
Isso porque, James Belushi acaba fazendo uma dupla muito engraçada com Arnold Swazenneger.
Nota: O dublê de Swazenneger acaba morrendo na gravação da cena em que cai na neve, no início do filme.
• Direção: Walter Hill
• Roteiro: Walter Hill (história e roteiro), Harry Kleiner (roteiro), Troy Kennedy-Martin (roteiro)
• Gênero: Ação/Comédia/Policial/Suspense
• Origem: Estados Unidos
• Duração: 104 minutos
• Tipo: Longa-metragem
O capitão moscovita é enviado aos EUA para escoltar de volta à URSS perigoso traficante de drogas. Mas cai numa armadilha e um policial americano é morto. Começa então uma caçada aos bandidos, na qual o capitão é ajudado pelo ex-parceiro do policial assassinado.Elenco
• Arnold Schwarzenegger Capitão Ivan Danko

• James Belushi Sargento Detetive Art Ridzik

• Peter Boyle Comandante Lou Donnelly

• Ed O’Ross Viktor ‘Rosta’ Rostavili

• Laurence Fishburne Tenente Charlie Stobbs

• Gina Gershon Catherine ‘Cat’ Manzetti

• Richard Bright Sargento Detetive Gallagher

• J.W. Smith Salim

• Brent Jennings Abdul Elijah

• Jenifer Lewis Juíza Jenifer Lewis

4079 – Guerra – A FEB


A cobra fumou

Conhecida pela sigla FEB, foi a força militar brasileira de 25.334 homens que lutou ao lado dos Aliados na Itália, durante a Segunda Guerra Mundial. Constituída inicialmente por uma divisão de infantaria, acabou por abranger todas as forças militares brasileiras que participaram do conflito. Adotou como lema “A cobra está fumando”, em alusão ao que se dizia à época que era “mais fácil uma cobra fumar do que o Brasil entrar na guerra”.
Em 1939, com o início da Segunda Guerra Mundial, o Brasil manteve-se neutro, numa continuação da política do presidente Getúlio Vargas de não se definir por nenhuma das grandes potências, somente tentando se aproveitar das vantagens oferecidas por elas. Tal “pragmatismo” foi interrompido no início de 1942, quando os Estados Unidos convenceram o governo brasileiro a ceder a ilha de Fernando de Noronha e a costa nordestina brasileira para o recebimento de suas bases militares. Os EUA tinham planos para invadir o nordeste, caso o governo Vargas insistisse em manter o Brasil neutro.
A partir de janeiro do mesmo ano começa uma série de torpedeamentos de navios mercantes brasileiros por submarinos ítalo-alemães na costa litorânea brasileira, numa ofensiva idealizada pelo próprio Adolf Hitler, que visava isolar o Reino Unido, impedindo-o de receber os suprimentos (equipamentos, armas e matéria-prima) exportados do continente americano, como consta nos diários de Joseph Goebbels. Estes suprimentos eram vitais para o esforço de guerra aliado. Os alemães iriam abastecer a partir de 1942, pelo Atlântico norte, principalmente a então União Soviética.
Tinha também por objetivo a ofensiva submarina do eixo em águas brasileiras intimidar o governo brasileiro a se manter na neutralidade, ao mesmo tempo que seus agentes no país e simpatizantes fascistas brasileiros, pejorativamente denominados pela população pela alcunha de Quinta coluna, espalhavam boatos que os afundamentos de navios mercantes seriam obra dos anglo-americanos interessados em que o país entrasse no conflito do lado aliado.
Porém só quase dois anos depois, em 2 de julho de 1944, teve início o transporte do primeiro escalão da Força Expedicionária Brasileira, sob o comando do general João Batista Mascarenhas de Morais, com destino a Nápoles. As primeiras semanas foram ocupadas se aclimatando ao local, assim como recebendo o mínimo equipamento e treinamento necessário, sob a supervisão do comando americano, ao qual a FEB estava subordinada, já que a preparação no Brasil demonstrou ser deficiente.
Durante o rigoroso inverno entre 1944 e 1945, nos Apeninos a FEB enfrentou temperaturas de até vinte graus negativos, não contando a sensação térmica. Muita neve, umidade e contínuos ataques de caráter exploratório por parte do inimigo, que através de pequenas escaramuças procurava tanto minar a resistência física, quanto a psicológica das tropas brasileiras, não acostumadas às baixas temperaturas. Condições climáticas e reações físicas se somavam aos mais de três meses de campanha ininterrupta, sem pausa para recuperação.
O Brasil perdeu nesta campanha mortos diretamente em combate, cerca de quatrocentos e cinquenta praças e treze oficiais, além de oito oficiais-pilotos da Força Aérea Brasileira. A divisão brasileira ainda teve cerca de duas mil mortes devido a ferimentos de combate e mais de doze mil baixas em campanha por mutilação ou outras diversas causas que os incapacitaram para a continuidade no combate. Tendo assim, somadas as substituições, turnos e rodízios, dos cerca de vinte e cinco mil homens enviados, mais de vinte e dois mil participado das ações. O que, incluso mortos e incapacitados, deu uma média de 1,7 homens usados para cada posto de combate, um grau de aproveitamento apreciável se comparado à outras divisões que estiveram o mesmo tempo em campanha em condições semelhantes.
Ao final da campanha, a FEB havia aprisionado mais de vinte mil soldados inimigos, quatorze mil, setecentos e setenta e nove só em Fornovo di Taro, oitenta canhões, mil e quinhentas viaturas e quatro mil cavalos. Segundo o historiador norte-americano Frank McCann, o Brasil foi convidado a integrar a força de ocupação da Áustria.
Em 6 de junho de 1945, o Ministério da Guerra do Brasil ordenou que as unidades da FEB ainda na Itália se subordinassem ao comandante da primeira região militar (1ª RM), sediada na cidade do Rio de Janeiro, o que, em última análise, significava a dissolução do contingente. Mesmo com sua desmobilização relâmpago, o regresso da FEB após o final da guerra contra o fascismo precipitou a queda de Getúlio Vargas e o fim do Estado Novo no Brasil.
Em 1960, as cinzas dos brasileiros mortos na campanha da Itália foram transladadas de Pistoia para o Brasil, e hoje jazem no monumento aos mortos que foi erguido no Aterro do Flamengo, zona sul da cidade do Rio de Janeiro, em homenagem e lembrança aos sacrifícios dos mesmos.

4078 – Como é feita a cerveja sem álcool?


De uma forma bastante simples. De acordo com um químico da Universidade de São Paulo, o processo de fermentação utiliza leveduras de tipos especiais que produzem pouco álcool – transformadas por meio da biotecnologia e consideradas verdadeiros segredos industriais. Uma vez terminada a fermentação, o liquido passa por um processo de destilação a vácuo, de onde se retira quase todo o álcool ali contido. Mesmo assim a cerveja ainda mantém de 0,5 a 0,8% de seu teor alcoólico, dependendo da marca. Recente no Brasil, esta tecnologia é dominada pelos europeus há quase trinta anos.

4077 – Por que os aviões a jato deixam marcas no céu?


Devido ao rápido resfriamento dos gases provenientes da combustão de seus motores. O vapor de água presente nesses gases se transforma rapidamente em cristais de gelo, deixando as chamadas trilhas de condensação. Para que esse fenômeno aconteça, algumas condições são necessárias: altitude de pelo menos 10 000 metros nas regiões equatorial e temperada ou 5 000 metros em regiões de clima frio ou temperatura do ar inferior a -35 graus Celsius e umidade relativa do ar ao redor de 65%. Além disso, o céu tem que estar limpo, sem nuvens, para que a trilha seja visível, explica um engenheiro da Escola de Engenharia de São Paulo. Se, além dessas condições, houver a presença de cristais de gelo em suspensão na atmosfera, eles se agregam à trilha fazendo com que ela cresça e garantindo sua duração por várias horas.

4076 – Leis do Cosmo


Desde que a moderna ficção científica ganhou impulso e se popularizou, nos meados da década de 50, todos os seus autores tiveram que encontrar algum meio de superar a velocidade da luz e tornar a duração das viagens interestelares compatível com o curto período de vida dos seus heróis. Desde então, uma das mais usadas invenções literárias é a do hiperespaço, espécie de dimensão extra na qual as distâncias seriam, por natureza, muito mais curtas do que os trajetos ordinários. Não menos célebre, a nave Enterprise, do seriado Jornada nas Estrelas, emprega motores graduados em imaginárias “dobras” de superpotência para burlar, com maior ou menor rapidez, o limite imposto pelas leis da Física.
É uma pena que as coisas não sejam tão simples na vida real. A bordo de uma nave como a Enterprise, talvez fosse mais fácil elucidar inúmeros pontos obscuros que ainda persistem a respeito da origem e da evolução do Universo. Também aqui estão em jogo criações engenhosas do espírito, como a própria teoria do Big Bang (ou grande explosão), segundo a qual o mundo tomou forma há cerca de 15 bilhões de anos, na mais formidável explosão de que se tem notícia. Mas a ciência, ao contrário da ficção, não pode se contentar com as aparências: tem de encontrar fatos que sustentem suas teorias. E sempre que técnicas e instrumentos evoluem, expandindo a esfera do conhecimento, é preciso mostrar que as teorias continuam a espelhar a realidade.
Esse é o desafio com que se defronta agora a teoria do Big Bang. Embora tenha se consolidado desde a década de 30 como o melhor modelo do Cosmo, apoiado por ampla maioria, ela não governa sem oposição. E as críticas são tantas, atualmente, que quase se transformam numa revolta contra o saber vigente. A fonte que as alimenta, sem dúvida, é a imensa riqueza de informações coletadas no céu. Basta ver que os alemães Josef Hoell e Wolfgang Priester, da Universidade de Bonn acreditam ter reunido dados para nada menos que duplicar a idade estimada do Universo. Também não faltam novas idéias — ao contrário, há quem reclame que elas são excessivas, como o astrônomo americano Marc Davis, da Universidade da Califórnia.
Ao estudar galáxias mais ou menos próximas, Hubble percebeu, surpreso, que essas grandes ilhas de estrelas não estavam simplesmente flutuando no vazio. Estavam se afastando a grande velocidade em todas as direções. Concluiu então, em vista disso, que o Universo inteiro estava se expandindo — ou seja, as galáxias fugiam umas das outras da mesma maneira que os fragmentos de uma granada ao explodir. O choque provocado por esse golpe de gênio transparece num depoimento recente de um brilhante teórico, o inglês Stephen Hawking. Precoce, ele conta que era estudante secundarista quando começou a refletir sobre o afastamento das galáxias. “Mas não acreditei naquela conclusão. Parecia muito mais natural que o Universo fosse estático — caso contrário, o que teria dado início à expansão?”
Apesar de não dar solução a esse tipo de enigma, a teoria do Big Bang responde a indagações de importância fundamental. Ela explica, por exemplo, como nasceram os átomos mais simples, dos quais foram feitos todos os outros. É até difícil acreditar que uma teoria tão abstrata, construída com base em tão esparsos fatos concretos, possa levar a uma conclusão de impacto direto sobre a existência da vida e de toda a humanidade. Mas já não há dúvida de que os átomos começaram a ser moldados cerca de 1 segundo após a explosão primordial. Mais do que isso, sabe-se precisamente quais foram os elementos produzidos e a exata proporção que cada um deles representa da matéria-prima original.
O organismo gasta calorias no ato de pensar? Sim. Pára realizar atividades celebrais do pensamento, os neurônios, células do sistema nervoso central, tiram energia do oxigênio principalmente da glicose. Essa ultima por sua vez, é o resultado de hidratos de carbono presentes nos alimentos, e metabolizados pelo organismo. Os neurônios gastam de 7 a 10 miligramas de glicose por minuto para cada 100 gramas de peso do cérebro, é o que afirma um neurologista da Universidade de São Paulo. Isso corresponde de 0,028 a 0,040 calorias por minuto, ou uma média de dezesseis calorias a cada oito horas – quantidade presente numa bala.

4075 – Por que o sal ajuda a subir a pressão?


A pressão arterial é determinada pelo volume do sangue e pela resistência que as pequenas ramificações das artérias, chamadas arteríolas oferecem a esse fluxo. Quando alguém ingere sal, ele logo vai para o sangue. Parte acaba sendo eliminada pelos rins; outra parte fica circulando pelo organismo. Este, por sua vez, precisa sempre manter certa proporção entre a água e o sal em suas células, o que os cientistas conhecem por equilíbrio osmótico. Quando existe sal na circulação, o organismo começa a reter água, aumentando o volume de sangue. Além disso, quando aumenta a concentração de sódio (componente do sal de cozinha) nas paredes das arteríolas, sua pequenina musculatura circular contrai. Portanto, seu calibre fica menor, multiplicando a resistência à passagem do fluxo sangüíneo.

4074 – Por que certas pessoas espirram ao olhar para o céu?


Qualquer tipo de luz forte causa essa reação. Dentro do cérebro existem doze partes de nervos que levam mensagens motores e sensoriais para o sistema nervoso. As mensagens do nervos responsável pela visão passam por vias muitos próximas as enviadas pelo nervo olfatório e pelo trigêmeo, este responsável, entre outras coisas, pela contração dos nervos da mucosa nasal. Essas vias muitas vezes possuem conexões e o sinal que deveria ter como resposta um reflexo de nariz, ou seja, o espirro. Essa reação chama-se reflexo cruzado.

4073 – Como surgem os bichos das frutas?


Os bichos da goiaba, pêssego, manga, laranja e outras nascem dentro das frutas. As fêmeas adultas de um tipo de mosca a mosca-das-frutas perfuram as cascas de frutas maduras e depositam os ovos que se transformam em larvas. Estas se alimentam ali dentro até deixarem o interior das frutas para cair no chão. Se ingeridas, as larvas não produzem nenhum efeito patológico para o ser humano. Afirma o médico veterinário e entomologista José Henrique Guimarães, da Universidade de São Paulo. No entanto, elas são as responsáveis pela má qualidade das frutas, que ficam impróprias para o consumo.