4106 – Energia Solar na cerâmica


Pesquisadores da Universidade de Sydney, na Austrália, desenvolveram um receptor de energia solar térmica que converte em calor até 98% da luz do sol que incide sobre ele. Trata-se de um tubo de vidro em que se depositam camadas microscopias de metal, ligas de metal e cerâmica e materiais isolantes, criando assim uma superfície capaz de absorver a radiação. Por Cima disso vai outro tudo de vidro, coberto com material transparente. Dentro dos tubos passa um cano de aço inoxidável, por onde corre a água que entra fria e sai quente, em forma de vapor.
O vapor pode ser usado para movimentar um gerador, produzindo eletricidade. Ainda que dessa forma o aproveitamento da luz seja reduzido, esse dispositivo transforma 20% da energia solar em elétrica, mais do que as células fotovoltaicas, em uso comercial – pastilhas de silício que transforma luz do sol diretamente em eletricidade – que têm eficiência de 15%. O custo também é animador: 4 centavos de dólar por kilowatt/hora, isto é, até 2 dólares mais barato que a energia de usinas nucleares ou a carvão.