3967 – Música – Glória Gaynor nos tempos da Discoteca


Capa do LP de 1975

Gloria Fowles (Newark, 7 de setembro de 1949), mais conhecida pelo seu nome artístico, Gloria Gaynor, é uma cantora americana, mais conhecida por seus grandes sucessos da Era Disco, que a tornaram a rainha do gênero: “Never can Say Goodbye” de 1974, “Let Me Know (I Have A Right)” de 1978, “I Am What I Am” de 1984 e, principalmente, “I Will Survive” de 1978.
Gloria Gaynor começou a cantar em um grupo chamado The Soul Satifiers na década de 1960. O grupo se apresentava em boates e assim Gloria foi descoberta e, logo foi levada para gravar seu primeiro single, “She’ll Be Sorry/Let Me Go Baby”, mas não obteve sucesso com sua primeira gravação, só mais tarde quando gravou “Honeybee” que Gloria Gaynor entrou nas paradas de sucesso e, com “Never Can Say Goodbye”, ela ficou famosa no mundo inteiro.
“Never Can Say Goodbye” também passou a ser considerada a primeira gravação em Disco Music. Gloria Gaynor também foi a primeira artista a gravar versões “extended mix” das músicas e também a primeira a gravar o disco sem pausa, e isso foi o que a levou em 1975 a ser coroada oficialmente a Rainha da Disco Music. Gloria Gaynor continuou a gravar até que em 1978 eis que surge aquele que até hoje é seu maior sucesso, “I Will Survive” e nada tinha a ver com a conotação gay que hoje é dada ao single.
A música visa o ponto de vista de uma mulher recém abandonada, dizendo ao ex companheiro que não precisa mais dele e já pode se virar sozinha. A música fez muito sucesso e em 1980 ganhou o primeiro e único Grammy de Melhor Gravação para Disco Music. “I will Survive” já foi regravada diversas vezes por diversos artistas. Uma de suas regravações mais populares é a feita pelo grupo Cake, nos anos 90.
Gloria Gaynor, continua gravando e em 2002, lançou o álbum I Wish You Love que foi muito bem sucedido, rendendo ainda mais prêmios para Gloria. Mais recentemente, Gloria Gaynor lançou os singles “Supernatural Love”, “Last Night”, “I Never Knew” e “Hacer por Hacer”, que ela gravou com o cantor Miguel Bosé.

Aqui trazemos Never Cant say Goodbye, seu 1° grande sucesso, que lhe deu o título de rainha da Disco, título compartilhado com Donna Summer

3966 – Cro (Tec) nologia – 2ª Parte


Titio Darwin

1859 – Evolução das espécies
Os ingleses Charles Darwin (1809-1882) e Alfred Wallace (1823-1905) concluem que as espécies evoluem não pela herança de caracteres de seus antecedentes, mas pela seleção natural e pelas mutações ao acaso. Nesse ano, Darwin publica sua obra destaque Sobre a Origem das Espécies.
1865 – Genética
O monge austríaco Gregor Johann Mendel (1822-1884) cria a idéia de gene, ao estudar os diferentes tipos de ervilhas que nasciam de sucessivos cruzamentos.
1865 – Forças da natureza
Até o escocês James Maxwell (1831-1879), o Universo exibia três forças: gravidade, magnetismo e eletricidade. O físico inglês demonstra que as duas últimas constituem uma única força.
1867 – Luta de classes
O filósofo alemão Karl Marx (1818-1883) publica O Capital, afirmando que o que move as sociedades é a luta de classes. A teoria fundamentou os governos comunistas do século XX e até hoje é usada para explicar a história da humanidade.
No final do século XIX, a ciência quebra tabus na física e o homem mergulha em si mesmo, atrás de autoconhecimento.
1869- Elementos químicos
O russo Dmitri Mendeleyev (1834-1907) monta a tabela periódica, organizando os elementos químicos de acordo com suas propriedades, peso, densidade e capacidade de se interligar.
1876 – Telefone
Usando a tecnologia do telégrafo, o escocês Alexander Graham Bell (1847-1922) inventa um jeito de transmitir a voz a distância, transformando-a em sinais elétricos.
1879 – Lógica de teoremas matemáticos
Nesse ano, o matemático Friedrich Frege (1848-1925) publica Conceitografia, em que estabelece as regras pelas quais se pode fazer demonstrações matemáticas do tipo “se a = b e b = c, então a = c”.
1879 – Lâmpada elétrica
O americano Thomas Alva Edison (1847-1931) inventa a lâmpada com filamento de carbono incandescente.
1881 – Micróbios causadores de doenças
O químico e microbiologista francês Louis Pasteur (1822-1895) produz uma vacina contra o antraz. Quatro anos depois, ele desenvolveria a vacina contra a raiva e, em 1863, inventaria o método de esterilizar alimentos conhecido hoje como pasteurização.
1888 – Plástico
O químico alemão George Kahlbaum (1853-1905) começa a fabricar garrafas de metacrilato, na primeira utilização do plástico. Mas o material sintético só iria se tornar popular com a invenção da baquelita, no século XX.
1888 – Ondas de rádio
O alemão Heinrich Hertz (1857-1894) usa descargas elétricas para produzir as primeiras ondas de rádio, tornando possível a invenção de novos meios de comunicação, como o telégrafo sem fio, o rádio e a televisão.
1895 – Inconsciente
O neurologista austríaco Sigmund Freud (1856-1939) publica nesse ano seu Estudo sobre a Histeria, demonstrando que o homem não domina completamente a mente e propondo a idéia de que o inconsciente é o responsável pelos desejos e sonhos.
1895 – Números além do infinito
Quantos elementos tem um conjunto infinito? Infinitos, ora. Mas, pasme, nem todos os infinitos são iguais. O matemático alemão Georg Cantor (1845-1918) demonstrou que eles variam de tamanho e estabeleceu quanto um pode ser maior ou menor que outro.
1895 – Cinema
É exibido, em Paris, o filme A saída dos trabalhadores da fábrica Lumière. A projeção de imagens em movimento foi idéia dos franceses Auguste e Louis Lumière (1862-1954 e 1864-1948).
1895 – Raios X
Quando descobriu os raios que atravessavam objetos e deixavam impressões em chapas fotográficas, o alemão Wilhelm Conrad Roentgen (1845-1923), pensou erradamente que eles não tinham nada a ver com a luz. Por isso foram chamados de um tipo “x” de raios.
1897 – Sociologia científica
O francês Emile Durkheim (1858-1917) mostra em seu livro O Suicídio que mesmo decisões muito pessoais são determinadas por fatores sociais e, mais, que podem ser quantitativamente relacionadas com esses fatores. As pesquisas eleitorais e testes sobre preferências usam, ainda hoje, os conceitos de Durkheim.
1900 – Dirigível
O conde alemão Ferdinand von Zeppelin (1838-1917) lança o primeiro dirigível de estrutura de metal e cheio de hidrogênio. Os zepelins, muito populares até fins da década de 30, inauguram a era dos transportes aéreos.
1900 – Mecânica quântica
O físico alemão Max Planck (1858-1947) observa que a radiação emitida por um corpo não sai de forma contínua, mas em pacotes, que ele chamou de quanta. Está fundada a teoria quântica, que tenta explicar toda integração entre energia e massa na natureza.
1903 – Avião
No dia 17 de dezembro, os irmãos americanos Orville e Wilbur Wright (1871-1948 e 1867-1912) lançam seu avião primitivo de uma rampa e conseguem mantê-lo no ar por 59 segundos. Em outubro de 1906, o brasileiro Santos-Dumont (1873-1932) faz o primeiro vôo num artefato motorizado sem a ajuda de rampas. Três anos depois, o brasileiro construiria o Demoiselle, protótipo dos aviões modernos.
1905 – Teoria da relatividade
As leis da física estabelecidas por Isaac Newton sofrem um sério golpe na virada do século, quando o alemão Albert Einstein (1879-1955) publica sua teoria da relatividade, afirmando que o tempo não é uma grandeza absoluta. Ela é relativa, ou seja, varia conforme o ponto de vista do observador.
1907 – Cromossomos
Ao estudar como as características das moscas-das-frutas (drosófilas) são passadas a seus descendentes, o geneticista americano Thomas Hunt Morgan (1866-1945) percebe que os caracteres são gravados em pedaços de cromossomos. Alguns anos depois, esses pedaços seriam batizados de genes.
1908 – Automóvel
O industrial americano Henry Ford (1863-1947) inicia a construção do Modelo T, movido por um motor de quatro cilindros, pondo em prática as técnicas de produção em grandes linhas de montagem. Além de tornar o carro um bem acessível à classe média, Ford molda todo o processo industrial no século XX.
1909 – Doença de Chagas
Em um dos trabalhos mais completos da história da medicina, o brasileiro Carlos Chagas (1879-1934) descreve a doença trazida pelo inseto chamado barbeiro, seu agente causador e como ele invade o organismo da vítima.
1911 – Núcleo atômico
O físico neozelandês Ernest Rutherford (1871-1937) provoca uma reviravolta na física atômica ao mostrar que os átomos podem ser quebrados em partes menores e que a maior parte de seu peso está no núcleo.
1913 – Estrutura do átomo
O dinamarquês Niels Bohr (1885-1962) reúne os conhecimentos herdados de Rutherford e de Planck e cria um modelo que explica o comportamento dos átomos por meio da mecânica quântica. As idéias de Bohr não são mais aceitas, mas, na época, deram um grande impulso à física.
1916 – Lingüística
É publicado, três anos depois da morte de seu autor, o livro Curso de Lingüística Geral, do suíço Ferdinand de Saussure (1857-1913). Ali, o lingüista define a linguagem como um fenômeno social e, portanto, mutante. Assim, é possível estudar sua evolução.
1923 – Inteligência da criança
A criança atravessa vários estágios de aprendizagem, criando estruturas cada vez mais complexas, até compreender seu mundo e atuar nele. Essa idéia faz do psicólogo suíço Jean Piaget (1896-1980) referência obrigatória em psicologia e pedagogia até hoje.
1926 – Ondas de matéria
O físico austríaco Erwin Schröedinger (1887-1961) cria uma equação mostrando que as partículas atômicas não se comportam apenas como matéria, mas também como ondas.
1927 – Princípio da incerteza
É impossível medir, ao mesmo tempo, a posição e a velocidade exatas de uma partícula atômica. É que quem vai fazer essas medições acaba perturbando a partícula. A idéia de que o observador interfere com o objeto observado é de autoria do alemão Werner Karl Heisenberg (1901-1976).
1928 – Antibióticos
Até que o bacteriologista escocês Alexander Fleming (1881-1955) descobrisse a penicilina, a humanidade era vítima fácil dos micróbios. Hoje, conhecemos um monte de antibióticos e outro tanto de bactérias resistentes a eles.
1929 – Teoria do Big Bang
O americano Edwin Hubble (1889-1953) descobre que as galáxias se afastam umas das outras. Isso sugere que, um dia, elas estiveram todas agrupadas. É a chave para a chamada teoria do Big Bang, segundo a qual o Universo teve origem na explosão de um ponto ínfimo, que condensava toda a matéria existente.
1931-Limites da matemática
O matemático austro-húngaro Kurt Gödel (1906-1978) demonstra que algumas verdades matemáticas não podem ser comprovadas por meio de axiomas nem de regras estritas de demonstração.
1935 – Radar
A equipe de pesquisadores liderada pelo físico escocês Robert Watson-Watt (1892-1973) cria o primeiro radar. Embora seja um instrumento de guerra, o radar é fundamental para a navegação, seja por terra, por mar ou por ar.
No fim do milênio, a humanidade assiste a uma disparada na área da eletrônica, da computação e da genética. A realidade pode ser virtual.
1942 – Energia nuclear
O físico italiano Enrico Fermi (1901-1958) comanda a primeira reação nuclear controlada, nos Estados Unidos.
1943 – Estatística
O inglês Ronald Aylmer Fisher (1890-1962) cria a chamada análise multivariada, em que muitas condições variáveis de um experimento podem ser alteradas, sem que se perca o controle sobre os resultados.
1946 – Computador
É construído o Eniac, o primeiro computador (sigla em inglês para integrador e computador numérico eletrônico), com 18 000 válvulas, 1,5 metro de altura e 24 metros de comprimento. Seus criadores são John Mauchly (1907-1980) e John Eckart Jr. (1919-).
1947- Televisão
Inventada vinte anos antes, por Philo Taylor Farnsworth (1906-1971), a televisão deixa finalmente os laboratórios e invade os lares americanos, pela rede RCA.
1947 – Transistor
Os americanos John Bardeen (1908-1991) e Walter Houser Brattain (1902-1987) criam o transistor. Imagine o mundo sem transistores: não haveria computadores pessoais, telefones celulares, ignição eletrônica nos carros nem relógios de pulso elétricos.
1953 – Estrutura do DNA
O americano James Watson (1928-) e o inglês Francis Crick (1916-) descobrem a estrutura do DNA — a molécula que reúne os códigos genéticos dos seres vivos.
1957 – Satélite artificial
A extinta União Soviética lança o Sputnik 1 — uma esfera de 58 centímetros de diâmetro e 84 quilos de peso. Um mês depois, o Sputnik 2 leva ao espaço a cadela Laika. Os dois eventos disparam a corrida espacial com os Estados Unidos.
1957 – Estrutura básica da linguagem
O americano Noham Chomsky (1928-) suspeita que o cérebro humano é dotado de um “órgão da linguagem” e começa a estudar seu funcionamento. Nesse ano, publica Estruturas Sintáticas.
1960 – Laser
Einstein já desconfiava de que a luz poderia ser concentrada num único raio. Mas só nesse ano o americano Theodore Maiman (1927-) constrói o primeiro laser. Entre outros usos, esses raios servem hoje como bisturis na medicina, réguas na ciência e arma militar.
1961 – Quark
O físico americano Murray Gell-Mann (1929-) propõe que as partículas nucleares são compostas de unidades ainda menores, a que chamou quarks.
1967 – Transplante do coração
O cirurgião sul-africano Christiaan Barnard (1922-) realiza o primeiro transplante de coração com sucesso. Ele impede que o organismo do paciente rejeite o novo órgão driblando o sistema imunológico por meio de drogas que reprimem a defesa do corpo contra invasores.
1969 – Viagem à Lua
Em 20 de julho, o astronauta americano Neil Armstrong (1930-) deixava uma pegada humana no satélite da Terra.
1969 – Internet
Militares americanos criam um sistema de comunicação por computador com o objetivo de descentralizar a rede de defesa dos Estados Unidos, o Arpanet. Hoje, a Internet pluga milhões de cidadãos do mundo inteiro.
1972 – Realidade virtual
Chega ao mercado o primeiro videogame, o Odissey, desenvolvido pela empresa Magnavox. A disseminação da multimídia para computadores domésticos vai tornando os ambientes virtuais cada vez mais sofisticados. Hoje, a realidade virtual é usada nas indústrias e na robótica.
1977 – Microcomputador
Steven Jobs e Stephen Wozniak apresentam o primeiro computador pessoal, chamado Apple II. Ele já vem todo montado. O fato inaugura a era dos computadores domésticos, que dispensam habilidades técnicas especiais por parte do usuário.
1981 – Ônibus espacial
Os americanos lançam a primeira nave especial parcialmente reutilizável. No dia 12 de abril, o ônibus espacial Columbia sobe para uma missão de 2 dias e 8 horas. Hoje, os astronautas dos ônibus espaciais passam mais de quinze dias no espaço, consertando aparelhos como o telescópio espacial Hubble, realizando experiências científicas e observando a Terra.
1997 – Clonagem
O embriologista escocês Ian Wilmut pega uma célula de ovelha e, a partir dela, constrói um animal idêntico ao original. É a primeira vez que se faz a clonagem de um mamífero adulto. O feito suscitou grande debate ético, mas, também, grande esperança na produção de novos medicamentos.

Bomba Atômica

3965 – Livro – Da Teoria da Relatividade a Cameron Dias


Uma pulga devora a orelha do filósofo e historiador da ciência Robert P. Crease: por que raios um cidadão culto sente-se obrigado a conhecer a obra de Shakespeare mas não a segunda lei da termodinâmica?
Em “As Grandes Equações” (Zahar), Crease desvenda a humana ciência de como se desenvolveram as ciências derivadas da matemática. Ao fazê-lo, explica conceitos sofisticados de maneira tão didática que, segundo o autor, até a atriz Cameron Diaz poderia entender.
Crease busca exemplos da cultura pop para aproximar os conceitos do leitor. Ele classifica a equação mais famosa de Einstein como “a equação celebridade” –todos sabem que existe, mas poucos de fato a conhecem.
Demonstra isso com o “causo” de uma entrevista em que a atriz teria dito querer saber o que significa E=mc2.
As equações foram escolhidas após uma enquete feita em 2004 com os leitores da coluna de Crease na revista “Physics World”.
Cerca de 50 equações foram propostas pelos leitores. Dez entraram –o que garantiu espaço, ainda que no prefácio, para o 1+1=2, indicado por alguns como um momento de epifania matemática.
O fascínio dessas equações tem origem na aventura da descoberta, já que elas surgem para responder a inquietações mentais, diz o autor.
“Depois que alguém inventa uma equação sobre algo fundamental (…), nós e o mundo mudamos”, afirma.
PITÁGORAS E EINSTEIN

A estrela do primeiro capítulo, o teorema de Pitágoras, foi uma das ferramentas de Albert Einstein para notar uma das consequências da teoria da relatividade: a equivalência entre massa e energia, que sugeriu a possibilidade (explosiva, como se viu) de converter uma na outra.

A relatividade, por sua vez, veio cutucar contradições entre as leis do movimento de Isaac Newton e as equações em que James Clerk Maxwell postulou a existência de campos elétricos –agradeça a ele se estiver lendo agora num tablet, com internet sem fio.
Os personagens da história das equações não são menos fascinantes do que a própria aventura da descoberta.
Pitágoras sistematizou seu teorema praticamente isolado (ainda que sábios de outras latitudes chegassem a soluções semelhantes) e Newton propôs a gravitação universal subvertendo ideias de um rival sobre a atração de corpos muito menores.
Para contar a descoberta da segunda lei da termodinâmica –crucial para a Revolução Industrial–, Crease faz breves perfis ilustrados dos protagonistas da trama.
Entre os capítulos, o autor faz interlúdios para coçar sua pulga de estimação: a divisão das ciências –que crê arbitrária e, sugere, preguiçosa– entre “humanas” e “exatas”.
Crease, que leciona história e filosofia na universidade Stony Brook, em Nova York, critica a resistência dos humanistas em dar aos impactos da ciência e da tecnologia importância semelhante à das guerras. Compara essa miopia à situação do enfermo que ignora a doença.

3964 – Camada de gelo no Ártico atinge recorde de nível mais baixo


Folha Ciência

A superfície de gelo ártico está em seu nível mais baixo, informou o NSIDC (Centro Nacional de Dados da Neve e Gelo) com base no estudo preliminar de imagens tiradas por satélites.
A última medição, no dia 9, mostra que o gelo cobria 4,33 milhões de quilômetros quadrados.
Volume de gelo no Ártico nunca foi tão baixo
Pela 1ª vez, estudo acha plástico em mar do polo Norte
É a segunda maior redução de gelo detectada pelo satélite –a primeira data de 2007– desde que começou a operar em 1979.
Nos últimos 30 anos, a extensão do gelo no oceano Ártico tem declinado em praticamente todos os meses, com uma queda maior durante o verão, cuja origem é creditada pelos cientistas à redução ao aquecimento global.
Em outubro, o NSIDC divulgará um relatório completo sobre as possíveis causas do degelo.
No passadiço do navio Arctic Sunrise, o imediato canadense Paul Ruzicky olha desanimado para as placas de gelo em volta. “Isso tudo é gelo de primeiro ano. Pensamos que iríamos achá-la ontem, mas não achamos nada.”

O que o imediato buscava era uma placa de gelo marinho grande e estável, onde o Arctic pudesse atracar para que o artista plástico americano John Quigley fizesse uma escultura, em protesto contra a mudança climática.
Mas a própria mudança climática frustrou o protesto: no segundo dia de navegação pelo oceano Ártico, o pequeno quebra-gelo (de 64 m) da ONG Greenpeace só havia encontrado placas pequenas de gelo fino, formado no último inverno.
A maioria delas deve derreter nas próximas duas ou três semanas, quando o verão começa a ir embora.
A banquisa do Ártico, a capa de oceano permanentemente congelado que recobre o polo Norte, está cada vez mais difícil de encontrar durante o verão boreal, mesmo para quem navega a menos de nove graus de latitude do polo (que está a 90º Norte).
O gelo marinho, neste momento, está em sua segunda menor extensão já registrada: 5,56 milhões de km2, medidos com o auxílio de satélites no dia 14 de agosto, apenas 220 mil km2 acima da baixa recorde de 2007.
A lendária passagem Noroeste, que liga a Europa à Ásia através das ilhas do Ártico canadense –e que em 2007 ficou livre de gelo pela primeira vez–, abriu completamente seu braço norte (mais profundo e, portanto, mais seguro para a navegação) na semana passada.
O IPCC estimou, em 2007, que, se o ritmo de degelo continuar, o polo Norte ficará totalmente descongelado no verão no fim do século.
Porém, desde então, o derretimento do gelo tem sido muito mais radical do que as previsões dos cientistas, o que levou alguns a estimarem que o polo poderia derreter inteiro no verão já por volta de 2050.

Gelo quebradiço