3371 – Super- Ácido UFMG faz composto capaz de dissolver quase qualquer coisa


Super solvente

Não importa se é pedra, cabelo, madeira ou carne. Pesquisadores da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) criaram um composto capaz de dissolver praticamente qualquer material orgânico ou inorgânico em até 30 minutos.
“Outros agentes conhecidos e comuns de solubilização demoram cerca de 12 horas para dissolver, por exemplo, amostras de unhas ou de fios de cabelo, enquanto o nosso realiza essa solubilização em cerca de meia hora”, diz um dos autores da descoberta, Claudio Donnici, do Departamento de Química.
Batizado de Universol, o novo produto resolve um antigo problema que envolve muitos solventes: ele é capaz de dissolver sem alterar a composição química das amostras analisadas.
Ou seja, poderia ser usado para testes de controle de qualidade ou mesmo para verificação da presença de substâncias ou elementos tóxicos, como metais pesados.
Além disso, diferentemente do que ocorre em muitas outras técnicas, funciona em temperatura ambiente e não precisa de métodos adicionais, como micro-ondas e ultrassom. Isso economiza tempo e energia no processo.
“Com certeza nossa metodologia torna os métodos analíticos mais baratos e mais eficientes, pois encurta o tempo global de análise e possibilita maior número de análises com menos custos de outros métodos adicionais e de outros agentes que, em geral, também são corrosivos e perigosos” diz Donnici.
A patente do Universol já foi requerida e, por conta disso, os pesquisadores não podem revelar detalhes de sua composição ou de seu processo de fabricação.
Os cientistas, que incluem ainda o professor da UFMG José Bento Borba da Silva, afirmam que podem transferir rapidamente a tecnologia de produção para as indústrias interessadas.
“Nossos laboratórios estão abertos às demandas de instituições de pesquisa e empresas”, completa Donnici.
Os técnicos de laboratório não precisam ter medo de manusear o Universol: ele não dissolve vidro e plástico.

3370 – Cientistas descobrem genes relacionados a enxaquecas


Cientistas descobriram um trio de genes vinculado a enxaquecas, incluindo um relacionado exclusivamente a mulheres, segundo estudo publicado na revista britânica “Nature Genetics”.
As enxaquecas são dores de cabeça intensas –às vezes com uma “aura” na qual os pacientes têm a impressão de olhar através de um vidro embaçado– e que afetam cerca de 20% da população.
Os cientistas descrevem a condição, que é três a quatro vezes mais comum entre as mulheres, como uma desordem cerebral em que os neurônios ou células cerebrais respondem de forma anormal a estímulos.
A causa exata é desconhecida, mas se acredita que fatores hereditários tenham um papel significativo.
Para ter acesso ao componente genético, Markus Schuerks, do Hospital Brigham para Mulheres, em Boston (EAU), coordenou uma varredura internacional de genomas com 23.230 mulheres, das quais 5.122 sofriam de enxaqueca.
Os chamados estudos de associação genômica comparam diferenças entre indivíduos nos cerca de 3 bilhões de pares dos blocos de construção molecular encontrados no código genético humano.
O estudo é o maior do tipo feito até agora. Ele descobriu variações em três genes que apareceram mais frequentemente em pacientes com enxaqueca.
Dois deles, conhecidos como PRDM16 e TRPM8, eram específicos de enxaquecas, e contrários a outros tipos de dores de cabeça.
Além disso, o TRPM8 se vinculava a enxaquecas unicamente em mulheres. Estudos anteriores demonstraram que o mesmo tipo de gene contém o “marcador” genético de um sensor de dor, tanto em homens quanto em mulheres.
O terceiro gene suspeito, o LRP1, está vinculado com a percepção do mundo exterior e em trajetos químicos dentro do cérebro.
“O cérebro de uma pessoa com enxaqueca responde de forma diferente a alguns estímulos, suas células nervosas ‘conversam’ de forma diferente do que os demais”, explicou Shuerks por e-mail.
“Muitos neurotransmissores participam desta conversa cruzada e alguns parecem ter um papel especial nas enxaquecas. O LRP1 interage com alguns destes caminhos de neurotransmissores e, portanto, podem modular as respostas nervosas que promovem ou suprimem as crises de enxaqueca”, acrescentou.
Nenhuma das variedades genéticas apareceu vinculada especificamente a enxaquecas com ou sem auras.
As descobertas, publicadas na revista “Nature Genetics”, foram replicadas em dois estudos com populações menores –um na Holanda e outro na Alemanha– e em um grupo clínico acompanhado pelo International Headache Genetics Consortium.
“A herança de qualquer uma das variedades genéticas altera os riscos de enxaqueca em 10% a 15%”, disse Schuerks.
A influência destes genes provavelmente não é grande o suficiente para ser imediatamente usado como uma ferramenta de diagnóstico. Mas o resultado “é um avanço na compreensão da biologia da enxaqueca”.