3247 – Efeito estufa – O capitalismo é negativo para a sustentabilidade?


Sim. Generalizando, a idéia do capitalismo irrestrito é uma das responsáveis por este caos que estamos vivendo. Achar que isso pode ser uma saída é um pensamento extremamente otimista.
Qual é a saída então?
O crescimento é essencial para o desenvolvimento das economias. A idéia de que podemos tirar 2 bilhões de pessoas no planeta da mais absoluta pobreza sem crescimento é claramente problemática. Isso significa que cada país pode continuar crescendo sem limites? Não acredito nisso. No momento, o crescimento é estruturalmente importante. Mas isso acontece porque uma economia em crescimento é estável, enquanto uma economia que pára de crescer corre o risco de entrar em colapso. É realmente importante construir novas macroeconomias, que encontrem uma forma de estabilidade que não esteja baseada no crescimento ilimitado.
Os avanços tecnológicos e de produtividade, em particular, são absolutamente vitais. Não podemos pensar em sustentabilidade sem eles. Mas eles são limitados em termos da eficiência que podem atingir. A má notícia é que, apesar dessas melhorias, não estamos diminuindo nossas emissões ou o consumo de recursos que impactam o ambiente. Seria necessário concentrar mais esforços numa política de investimentos para aumentar essa eficiência, a fim de substituir produtos e processos mais poluentes por outros menos poluentes.
Quanto deveria ser o crescimento mundial por ano para um ambiente sustentável?
Muito difícil responder. O crescimento é claramente necessário por várias décadas ainda na maioria dos países em desenvolvimento, mas o ambiente de negócios atual, que acredita que o crescimento econômico deve ser 10 vezes maior até 2100, não tem credibilidade em termos ecológicos. Atualmente, já estamos acima do limite de emissões, já que, de acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), deveríamos reduzir as emissões de carbono em 80% em relação à quantidade do ano de 1990 para prevenirmos a interferência no clima mundial.

Fazendo a sua parte:
Compre com moderação
Pense duas vezes antes de comprar um produto. Você realmente precisa dele? Consumir menos é a atitude individual mais importante que você pode tomar para diminuir as emissões de gases causadores do efeito estufa.
Dedique-se a ações comunitárias
Não se deixe influenciar pelos anúncios publicitários. Para tirar da cabeça a idéia de fazer compras, você pode, por exemplo, passar mais tempo com a família e dedicar-se a atividades comunitárias.
Escolha bem os produtos
Já que vai comprar, dê preferência a produtos sustentáveis, como os eletrodomésticos que consomem menos energia. Evite o uso de sacolas plásticas e colabore para aumentar a reciclagem de embalagens.
Selecione o fabricante
Consuma produtos éticos, fabricados por empresas reconhecidas por adotar boas práticas no seu relacionamento com os parceiros de negócios, aí incluídos os clientes, os funcionários e os fornecedores.
Use o transporte coletivo e caminhe
Evite o transporte individual e utilize mais o transporte público. Se tiver de usar o carro para locomover-se no dia-a-dia, procure compartilhar a viagem com outras pessoas que fazem o mesmo roteiro. Caminhe mais.

3246 – Por que os meteorologistas erram tanto?


A lógica da previsão do tempo ainda é a mesma de quando ela surgiu, no século 19: coletar o maior número de dados sobre o clima, no maior número de lugares e horários possível, e extrair deles o melhor prognóstico. A diferença está nas novas formas de coletar dados (aviões, radares etc.) e compartilhá-los (internet). Além disso, surgiram as previsões numéricas, modelos matemáticos complicadíssimos que simulam o clima. “Foi uma revolução. Com essas equações, pode-se obter projeções seguras para o futuro. A meteorologia não é uma ciência exata. Tanto que o último passo do processo é justamente um chute – baseado em cálculos complexos e análise exaustiva de milhares de informações, mas um chute, fruto do feeling do meteorologista. Devido à natureza literalmente caótica do clima, o máximo que o computador oferece são probabilidades.
Balão
Normalmente, faz medições entre a superfície da Terra e a estratosfera, a uns 21 km de altura. Fica à deriva por vários dias.
Estação meteorológica
São instalações repletas com os mais modernos aparelhos de medição das variáveis climáticas. Podem ser automáticas ou convencionais, gerenciadas por uma equipe de técnicos.
Satélites
Tiradas de 850 km de altura, suas fotos são um retrato fiel da atmosfera. Os satélites NOAA-12 e NOAA-14 atravessam o Brasil de norte a sul – o primeiro foi lançado pelos EUA em 1959.
Bóias
Fundamentais para entender as correntes marítimas, ficam no meio do oceano e transmitem seus dados via satélite. Há 700 dispersas pelos mares do mundo.
Radar
Usado principalmente para observar as chuvas, em até 400 km à sua volta. Ele consegue detectar tornados e furacões. Geralmente, fica em locais de grande altitude.

3245 – Medicina – A Hipertensão


Todos os dias, trafegam pelas artérias cerca de cinco litros de sangue. Dentro de vasos saudáveis, o passeio é confortável. Mas não para os hipertensos, aqueles que sofrem de pressão alta. Seu sangue viaja apertado, como automóveis num túnel congestionado. A circunferência interna das artérias, chamada luz, diminui e deixa menos espaço para os passageiros que, então, começam a pressionar as paredes. Muitas vezes a pessoa nem sabe que tem o problema e os sintomas, como dor de cabeça, falta de ar e distúrbios na visão, só surgem quando o estado já é grave.
Calcula-se que, no Brasil, há aproximadamente 12 milhões de pacientes hipertensos. Desses, só 2 milhões estão em tratamento. Nos Estados Unidos, existem cerca de 50 milhões de pessoas com pressão alta. A Medicina quer saber o que os vasos dos hipertensos têm de diferente em relação aos de quem é saudável, com pressão ao redor de 12 por 8. Uma descoberta recente é que a hipertensão pode ser comparada a um envelhecimento precoce. As lesões que ela causa nos vasos são muito parecidas com as que ocorrem na velhice. Tanto em hipertensos de qualquer idade quanto nos idosos, é grande a incidência da arterosclerose — um terrível endurecimento das artérias. Isso mostra que a hipertensão pode ser uma doença com raízes mais profundas, que têm a ver com o próprio desenvolvimento do organismo.
Ninguém morre de hipertensão, mas de problemas decorrentes dela. Os que não tomam precauções correm um risco seis vezes maior de derrame ou edema cerebral, tem quatro vezes mais probabilidade de sofrer de insuficiência cardíaca e o triplo de chance de um infarto.
O jeito é ficar de olho nas artérias e examiná-las continuamente para saber se o tratamento, por meio de drogas, está conseguindo interromper o estrago que a doença causa. Um avanço foi verificar que o ultra-som pode ser usado para avaliar a condição dos vasos. “A técnica é antiga, mas só agora está sendo usada com essa finalidade”, conta o radiologista Sérgio Ajzen, da Escola Paulista de Medicina. Ele mesmo fez o teste. Ficou feliz: suas artérias estão normais.
Antes, só havia duas maneiras de observar as seqüelas deixadas pela pressão alta. Uma delas é a autópsia, mas esta só serve para conhecer melhor a doença, pois é realizada com a pessoa morta. Outra é a biópsia, quando se retira uma amostra de qualquer parte do corpo, imaginando que a situação dos vasos é parecida em todo o organismo. Esse exame é usado para avaliar artérias de pequeno calibre.
A valorização desses exames começou a partir da década de 50 (apesar de a hipertensão já ser citada em um tratado de Medicina chinês, escrito por volta de 2400 antes de Cristo). Explica-se: nos anos 50, as companias de seguro dos Estados Unidos descobriram que os hipertensos tem uma propensão maior para problemas cardio-vasculares. O estresse e o nervosismo também podem fazer o corpo liberar hormônios — substâncias que regulam o funcionamento do organismo — que contraem os vasos. Mas, passado o momento crítico, essas substâncias vão embora e tudo volta ao normal.

3244- Cinema – O Amor é Contagioso


Título original: (Patch Adams)
Lançamento: 1998 (EUA)
Direção: Tom Shadyac
Atores: Robin Williams, Daniel London, Monica Potter, Philip Seymour Hoffman.
Duração: 114 min
Gênero: Drama
De 1998, do gênero comédia dramática, dirigido por Tom Shadyac e baseado em livros de Patch Adams e Maureen Mylander.
Em 1969, após tentar se suicidar, Hunter Adams (Robin Williams) voluntariamente se interna em um sanatório. Ao ajudar outros internos, descobre que deseja ser médico, para poder ajudar as pessoas. Deste modo, sai da instituição e entra na faculdade de medicina. Seus métodos poucos convencionais causam inicialmente espanto, mas aos poucos vai conquistando todos, com exceção do reitor, que quer arrumar um motivo para expulsá-lo, apesar dele ser o primeiro da turma. Após uma tentativa de suicídio e voluntariamente ser internado em um hospital psiquiátrico, Hunter “Patch” Adams descobre um belo dom de poder ajudar as pessoas usando o bom humor. Dois anos depois, Patch entra em uma universidade de medicina para se formar como um respeitável médico e ajudar o mundo colocando alegria no coração de seus pacientes. Em uma classe cheia, com pessoas desconfiando de suas notas e julgando mal seu modo de alegrar os doentes, Patch vai lutar contra um desafio, mas com isso vai por uma mensagem dentro da universidade que não só contagiará de alegria seus amigos, mas sim um mundo todo, pois ele provará que o Amor é contagioso.
Oscar 1999 (EUA)
Recebeu uma indicação na categoria de Melhor Trilha Sonora.
A Wikipédia possui o:
Portal Cinema

Globo de Ouro 1999 (EUA)
Recebeu duas indicações nas categorias de Melhor Filme em Comédia / Musical e Melhor Ator em Comédia / Musical (Robin Williams).

American Comedy Awards 1999 (EUA)
Robbinn Williams foi indicado na categoria de Ator Mais Engraçado em Cinema.
Durante as filmagens, Robin Williams e todo o elenco buscaram ajudar na medida do possível as crianças da Make a Wish Foundation (Fundação Faça um Pedido), que trata de crianças que estão sob tratamento contra câncer, sendo que elas inclusive aparecem no filme, na cena em que o personagem de Williams visita as crianças no setor pediátrico.
Em um programa de entrevistas na televisão brasileira (Roda Viva) em 2007, Patch Adams afirmou que não concorda e nunca disse que “rir é o melhor remédio”, e sim que “a amizade claramente é o melhor remédio”. Disse que o filme Patch Adams de Tom Shadyac não condiz com a verdade ele disse que “o filme é bom e bonitinho, mas não faz o Brasil querer alimentar todos os cidadãos famintos e parar de matar o rio Amazonas. E eu quero proteger o Amazonas…” , criticou o governo, a que chamou de “fascista”, assim como as indústrias de medicamentos, que só visam os lucros bilionários. Sua filosofia de vida é o amor, não apenas no âmbito hospitalar, mas nas relações sociais como um todo, independente de lugar. Tem por opinião que o objetivo do médico não é curar e sim cuidar.
No filme ele inicia a faculdade de Medicina com 40 anos, em 1969, sendo que na verdade ele tinha 24 anos neste ano.
Nos anos 60, foi um de seus melhores amigos e não sua namorada, como visto no filme, que foi assassinado.

3243 – Poluição – Americanos, os sujões


A comunidade científica internacional adverte que mudanças climáticas provocarão secas, inundações e outros desastres naturais. Os combustíveis fósseis são as principais fontes de energia da economia americana e não pretendem reduzir o consumo. O resto do mundo então que se cuide. Acontece que a indústria petrolífera texana foi uma das principais financiadoras da campanha eleitoral do então presidente Bush e o próprio fora empresário do petróleo no Texas, estado que também governou. O petróleo e sua exploração ameaça a vida selvagem do Ártico, no Alasca. A Europa tem reduzido as emissões de CO² e mantido o crescimento econômico, substituindo as fontes de energia. Já os EUA, são muito dependentes do petróleo e limitando o seu uso, implicaria em limitar a atividade econômica. Mas, sem controle, a temperatura média do planeta poderá, subir 6°C até 2100. As consequências seria graves, com a elevação do nível dos mares, fazendo desaparecer as cidades costeiras.

3242 – Mega Notícias – Xô Mosquito da Dengue


O Aedes Aegypti, causador da dengue tem se espalhado e criado problemas por vários estados do Brasil. E não escolhe classe social, estando presente em favelas ou condomínios de luxo. No RJ, o bairro com mais registros foi a Tijuca, reduto da classe média da zona norte. Pelo menos em matéria de doença, não há desigualdade social. O mosquito também se reproduz em piscinas e vasos decorativos. Dor de cabeça e no corpo são alguns dos sintomas.
Idosos japoneses caem no crime
A criminalidade no Japão está diminuindo, mas não entre os idosos: o número de bandidos acima de 65 anos dobrou nos últimos 6 anos – só em 2007, 48 mil velhinhos foram em cana. Por isso, as cadeias do país estão sendo adaptadas: têm menos trabalhos forçados e mais enfermeiras.
Ficar sem comer traz felicidade
Quando o corpo precisa de mais calorias, aumenta a produção de um hormônio chamado grelina – que provoca fome e induz a pessoa a comer. Mas cientistas americanos acabam de descobrir outros efeitos: essa substância também alivia o estresse, aumenta a disposição e a sensação de bem-estar.
Bicho também é gente
Estado: Califórnia
Porcos, galinhas e carneiros agradecem: agora os fazendeiros são obrigados a deixar esses animais soltos em suas propriedades para que eles possam esticar as asas, ou patinhas, sempre que quiserem. Quem desrespeitar a regra, aprovada por 63% dos eleitores, será multado e poderá passar 180 dias na cadeia (só para provar do próprio veneno).

3241 – Projeções – A Cidade do Futuro


1. Áreas públicas
Lagos artificiais e parques têm objetivos estéticos e funcionais na cidade do futuro. As grandes áreas verdes entre prédios são utilizadas também para plantio. Lagos são criados para resfriamento da cidade, tratamento de água e de dejetos. O maquinário é movido por turbinas, como uma hidrelétrica, ou por energia eólica.
2. Malhação social
A energia química gasta por uma pessoa para ficar em forma hoje é desperdiçada. No futuro, o movimento dos exercícios carregará baterias de toda a academia, que tem também função social: é uma balsa para travessia de rios e lagos e auxilia na despoluição das águas por meio de dispositivos de tratamento. E tudo apenas suando a camisa.
3. Balão-bumba
Para evitar o trânsito e ainda proporcionar uma experiência turística agradável, o ideal é se locomover pelo topo dos edifícios. Misto de balão e teleférico, ônibus-dirigíveis interligam os pontos altos da cidade. Seus motores são alimentados por energia solar, já que toda a área superior dos balões é coberta por células de captação.
4. Casa de Tarzan
Derrubar e industrializar árvores para construir casas de madeira produz muito carbono. É mais fácil e ecológico plantar uma árvore e morar nela. A técnica milenar de direcionar o tronco da planta durante seu crescimento permite, com nova tecnologia, criar a estrutura. Materiais reciclados e argila compõem o resto da casa.
5. Arranha-sóis
Viver a um elevador de distância do trabalho polui menos. A solução é construir edifícios mistos: comerciais, residenciais e de escritórios. Os prédios são auto-suficientes, com energia solar (placas de absorção nas janelas) e eólica (hélices entre as torres). Os edifícios são interligados para facilitar a circulação de pessoas.
6. Carrinho de supermercado
Os carros são compartilhados e movidos a combustíveis não poluentes. Feitos de materiais macios, são menos perigosos em caso de acidente. Inteligentes, eles interagem com outros veículos e com a cidade – evitando tráfego e encontrando vaga para parar. Compactos, poderão ser estacionados como carrinhos de supermercado.

3240 – Guinness – O mundo bizarro do livro dos bêbados


Servir de combustível para conversas de bar. Foi para isso que um diretor da cervejaria irlandesa Guinness criou o livro dos recordes em 1954. E agora o livro chega à 55ª edição como o título mais vendido depois da Bíblia e do Alcorão. Para continuar relevante depois de tanto tempo, ele está cheio de pirotecnias. Algumas bacanas, como a página quádrupla com o menor homem do mundo em tamanho natural. Outras discutíveis, como 20 imagens 3D toscas. Mas ele continua sendo o melhor livro para alimentar conversas de bar.
Castelo de cartas mais alto
Foi um de 7,06 m, feito em 2007 no Texas.
Altos e baixos
O adulto mais baixo do mundo tem 74,6 cm – menos que as pernas da mulher mais pernuda: 1,32 m para um corpo de 1,96 m.
Hambúrguer mais caro
Com costelas desossadas, trufas, foie gras e tudo o mais, custa US$ 120. No Bistro Moderne, em Nova York.
Maior tartaruga
É um espécime da tartaruga-de-couro, européia, com 2,91 m de comprimento e 961 kg.
Maior anãozão de jardim
Tem 4,11 m e mora numa fazenda no estado de Nova York.
Cintura mais fina
É a da inglesa Ethel Granger, hoje com 60 anos. São 33 cm de circunferência, para 101 cm de quadril.

3239 – Pesquisa nacional estuda aproveitamento de bagaço de uva


A CTAA (Embrapa Agroindústria de Alimentos), unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, está iniciando uma pesquisa sobre o aproveitamento econômico dos resíduos da indústria vinícola e de sucos. A coordenadora do projeto explicou à Agência Brasil que um dos fatores que justificam os benefícios trazidos à saúde pelo vinho é a presença de substâncias antioxidantes, que retardam o envelhecimento. Entre elas, estão os compostos fenólicos, com destaque para as antocianinas, que dão a frutas e legumes a coloração vermelha, como ocorre no caso da uva. Esses compostos funcionais têm interesse comercial e industrial. Os processos de fabricação de suco de uva e de vinho branco e tinto geram resíduos, que são o bagaço e a semente. “E esses resíduos contêm os compostos fenólicos, além de fibras.No caso da uva, a pesquisadora lembrou que será aproveitado o óleo da semente, de interesse da indústria de cosméticos. Os resíduos da indústria vinícola e de sucos ganharão, com a pesquisa, aproveitamento econômico e os produtores terão mais opções de renda.
DE OLHO EM DERIVADOS
O projeto integra um plano maior da CTAA, que é trabalhar na obtenção de derivados do produto principal, recuperando-os a partir de resíduos da agroindústria em geral.
A concentração do bagaço da uva permitirá aos pesquisadores obter um extrato rico em compostos fenólicos, que será aplicado depois na produção de bebidas probióticas, isto é, enriquecidas.
Do mesmo modo, o projeto prevê a extração do óleo da semente de uva, com o mesmo foco da atividade antioxidante. As pesquisas serão desenvolvidas paralelamente.
Para os produtores nacionais de uva, o estudo representa a possibilidade de mais uma fonte de renda. “Hoje, uma parte do resíduo das indústrias é devolvido para o campo, mas é muito pouco ainda o que se pode aproveitar.”