3171 – Hormônios – A Testosterona


O tratamento embora ajude no desempenho sexual pode ser um tiro pela culatra, causando o câncer de próstata

Utilizada para se ter melhor desempenho em competições, a testosterona é o principal hormônio masculino. Até hoje ninguém sabe ao certo a forma como ela age no organismo, nem todos os seus efeitos. A concentração deste hormônio no sangue dos homens é até 10 vezes maior que nas mulheres. Por volta da 6ª semana de gestação, o feto masculino produz uma grande quantidade de testosterona, gerando o desenvolvimento do pênis e dos testículos. Segundo um especialista da USP, aumentar a testosterona de pessoas saudáveis é uma aberração. Pílulas e injeções causam danos ao fígado. Os efeitos são explosões de agressividade seguidas de depressão. O aumento de incidência de câncer de próstata também é considerável. Há evidências que sugerem a influência do hormônio no comportamento das pessoas. As que tem alto grau de testosterona são frequentemente mais agressivas e aceitam correr mais riscos. Estudos com soldados veteranos do Vietnã comprovaram a tese. Foram analisados também 700 presos e constatado os que cometeram crimes violentos e violaram frequentemente as regras da prisão, tinham mais testosterona. No presídio feminino, os resultados foram os mesmos. Além da agressividade, estimula também a libido. Um indivíduo castrado teria sua expectativa de vida aumentada em 13,6 anos, segundo um outro estudo, porém, o que fazer com esse tempo extra?
Altas taxas de testosterona tendem a aumentar o seu no comportamento agressivo. Além disso, estudos feitos por Richard Udry com adolescentes mostraram que um alto nível do hormônio aumenta a predisposição a ter relações sexuais. O mesmo acontece com adultos. Só que entre esses, o maior nível de testosterona costuma acarretar problemas no casamento. James Dabbs e Alan Booth analisaram as relações amorosas de 4.462 militares entre 30 e 40 anos e perceberam que os homens com testosterona alta eram menos propensos a se casar e se divorciavam mais facilmente. Além disso, os homens com níveis mais elevados de testosterona tinham o dobro de chances de ter relações extraconjugais do que os que apresentavam níveis mais baixos.
Já num estudo da Faculdade de Medicina de Yale, cientistas observaram que altos níveis testosterona, ainda que por períodos curtos de seis a doze horas, causaram morte em culturas de neurônios.
Em homens o comportamento sexual é muito dependente da testosterona. Estudos indicam que ela é a responsável pelo aumento ou queda no desejo sexual.