2721-Drogas – A viagem pelo corpo humano


Enquanto fazem escala pelos órgãos, elas ameaçam acusar confusão. A bagunça para valer, porém, começa quando chegam ao cérebro. Ali elas tem o poder de atrapalhar o trânsito das informações alterando o comportamento de seus usuários. No início despertam sensações agradáveis, mas a dependência em seguida faz o corpo implorar pela droga e a falta dela vira um tormento. Uma vez acomodadas no sangue, iniciam sua viagem. A circulação pressionada pela turbina do coração é um transporte a jato, percorrendo 100 km de vasos, com conexões por toda a parte. A eventual escala no fígado pode barrar parte dos viajantes. Essa víscera tem função de policial de fronteira e as drogas não tem visto de entrada por ser substância tóxica e causar destruição e embora algumas sejam detidas, a maioria escapa e vão para o cérebro. Os neurotransmissores saltam de um neurônio para outro, passando o impulso elétrico para frente, mas as moléculas clandestinas das drogas alteram o nível dos neurotransmissores. São divididas em 3 grandes grupos: estimulantes, depressoras e alucinógenas. Seu campo de atuação no cérebro ainda não é completamente conhecido pelos cientistas. De acordo com experiência realizada com cobaias nos EUA, os usuários de drogas tendem a diminuir os intervalos entre as aplicações. É o fenômeno da tolerância : São necessárias quantidades cada vez maiores da substância para que ela produza o mesmo efeito no organismo. A teoria é de que atuem nos centros de prazer e saciedade do sistema nervoso. A passagem dela por aí é traiçoeira porque no início despertam alguma sensação agradável , mas depois passam a fazer chantagem : se antes alguém tomava a droga para sentir determinado efeito, é obrigado depois a toma-la para seu corpo continuar a funcionar direito. O viciado em heroína precisa tanto da substância quanto qualquer pessoa precisa de alimento, e interromper o seu consumo é sofrer flagelos piores do que estar com fome. A interrupção de seu uso sem acompanhamento médico pode ser fatal. O tormento físico é chamado síndrome de abstinência. A da heroína só perde para a do álcool. O fenômeno ocorre porque a droga desregula o sistema nervoso. As moléculas dos narcóticos, derivados do ópio como a heroína, são parecidos como a de uma família de substâncias que os neurônios fabricam para controlar a dor física e modificar emoções como o medo e a angústia. Além de servirem de anestésico, eles diminuem a ansiedade e induzem o sono. Mas seu uso contínuo leva o cérebro a poupar suas energias deixando de produzir os neurotransmissores com moléculas similares a droga. O álcool pode agir de maneira semelhante, mas para isso, é preciso que alguém beba com freqüência grande quantidade de álcool . Doses moderadas de whisky podem até combater a hipertensão. O álcool é um depressor do sistema nervoso, mas o curioso é que pode agir em etapas. A primeira região a ser deprimida é aquela do comportamento voluntário, responsável por decisões do que se deve ou não fazer, ou em um só golpe, o álcool derruba a auto censura. Depois de alguns goles, a pessoa passa a liberar pensamentos e emoções que estavam de alguma maneira bloqueados, pode por exemplo , falar da sogra, cair na gargalhada, soltar o choro, mostrar cansaço do dia a dia e adormecer em público. O próximo passo é ir para as áreas encarregadas da concentração da coordenação motora. Da mesma forma os remédios barbitúricos, criados a partir de 1903, deprimem o sistema nervoso.
Maconha
É difícil de afirmar se o THC é de fato o responsável pelo relaxamento muscular e perda da noção do tempo. Provoca ainda a liberação da adrenalina o hormônio que acelera os batimentos cardíacos. Experiências mostraram que ninguém morre de overdose dessa droga, cujos efeitos maléficos seriam os mesmos do tabaco; dependência, síndrome de abstinência e outros males como o câncer no pulmão, embora não seja comercializado por traficantes nem seus usuários perseguidos pela polícia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s