Funções da Química


Ácidos têm sabor azedo.
Se íons hidrônio são encontrados em uma solução, a solução é ácida em natureza. Íons hidrônio (ou hidroxônio) são os únicos íons com carga positiva (cátions) formados quando um ácido é dissolvido em água. Todas as propriedades de um ácido se devem à presença destes íons. A fórmula química de um íon hidrônio é H3O1+.
Ácidos são conhecidos como ‘doadores de prótons’.
Exemplos de Ácidos
Aqua Regia contém ácido Nítrico concentrado e ácido Clorídrico concentrado na razão 1:3. Aqua Regia significa ‘Água Real’ em Latim. Ela é usada para dissolver metais nobres como ouro e platina.
O leite contém ácido lático. Ácido lático é nomeado a partir da palavra em latim ‘lac’, que significa leite.
O vinagre é ácido acético bem diluído. O vinagre utilizado para fins culinários contém aproximadamente 4% de ácido acético. A fórmula química do ácido acético é CH3COOH.
O ácido sulfúrico é usado na manufatura de baterias de carro. Ele também é conhecido como ‘Óleo de Vitriol’. A fórmula química do ácido sulfúrico é H2SO4.
O ácido carbônico é responsável pelo gás nos refrigerantes. O ácido carbônico se decompõe em bolhas de dióxido de carbono. A fórmula química do ácido carbônico é H2CO3.
Ácido Ascórbico é o nome químico da Vitamina C. Deficiência de Vitamina C no organismo pode causar uma doença chamada escorbuto. A fórmula química do ácido ascórbico é C6H8O6.
Bases
Bases têm sabor amargo e são semelhantes ao sabão quando as tocamos.
Se íons hidroxila são encontrados em uma solução, a solução é básica em natureza. Íons hidroxila são os únicos íons com carga negativa (ânions) formados quando uma base é dissolvida em água. Todas as propriedades de uma base se devem à presença destes íons. A fórmula química de um íon hidroxila é OH1-.
Bases são conhecidas como ‘aceitadoras de prótons’.
Exemplos de Bases
Anti-Ácidos ajudam a neutralizar a acidez (do ácido clorídrico) no estômago. Eles geralmente contêm duas bases, chamadas hidróxido de magnésio e hidróxido de alumínio. A fórmula química do hidróxido de magnésio e hidróxido de alumínio é Mg(OH)2 e Al(OH)3 respectivamente.
Hidróxido de Sódio é também conhecido como ‘Soda Cáustica’. Sua fórmula química é NaOH.
Hidróxido de Potássio é também conhecido como ‘Potassa Cáustica’. É usado na manufatura de baterias alcalinas. Sua fórmula química é KOH.
Amônia é um gás básico o qual é usado na manufatura de fertilizantes como a Uréia, nitrato de amônio e sulfato de amônio. A amônia é produzida para fins comerciais através do processo de Haber. Quando dissolvida em água, a amônia forma uma base conhecida como hidróxido de amônio. A fórmula química da Amônia é NH3.
Sais
Um sal é definido como um composto formado pela substituição completa ou incompleta do íon hidrogênio de um ácido por um radical básico.
Um sal normal é formado pela substituição completa do íon hidrogênio de um ácido por um radical básico enquanto um sal ácido é formado pela substituição incompleta do íon hidrogênio de um ácido por um radical básico.
Exemplos de Sais
Sulfato de Sódio é um sal normal enquanto Bisulfato de Sódio é um sal ácido.
Cloreto de Sódio é solúvel em água enquanto o Carbonato de Cobre, Cloreto de Chumbo e Sulfato de Bário são insolúveis em água.
Carbonato de Sódio é usado na manufatura de detergentes e do vidro comum.
Sulfeto de Zinco é insolúvel em água enquanto Fosfato de Potássio, carbonato de Amônio e Cloreto de Bário são solúveis em água.
Nitrato de Amônio é usado na fabricação de fertilizantes.

Óxidos
Óxidos são substâncias que possuem oxigênio ligado a outro elemento químico, eles são compostos binários, isto é, são substâncias formadas pela combinação de dois elementos. Um desses elementos é sempre o oxigênio (O).

Classificação dos Óxidos

Os óxidos podem ser classificados em três diferentes grupos: ácidos, básicos ou peróxidos.
Óxidos ácidos: também chamados de anidridos, eles se formam a partir da reação com água originando ácidos. Exemplo: o ácido sulfúrico (H2SO4) se forma a partir do trióxido de enxofre (SO3) em presença de água (H2O).
Óxidos básicos: nesse caso a reação é com bases levando à formação de sal e água. Exemplo: o hidróxido de cálcio (Ca (OH)2) provém da reação do óxido de cálcio (CaO) com a água.
Peróxidos: esses óxidos possuem dois oxigênios ligados entre si. Exemplo: (O-O)2

Anatomia- Pele, um órgão completo


Por baixo de sua aparente simplicidade a pele é o órgão mais versátil do corpo humano e tão vital quanto o coração. Sua espessura vai de 0,4 a 2 mm, abriga uma série de estruturas como nervos glândulas e músculos, cada qual com u8ma função específica. Ela mantém a temperatura ideal, reserva de água para ser usada sempre que necessário e controle da pressão sangüínea; produz vitaminas e sempre que necessário controla a pressão , elimina substâncias tóxicas, capta diversas informações do organismo e transmite outras, além de dar ao corpo todo o seu contorno e relevo. Esticada da cabeça aos pés cobriria uma área de até 2 metros quadrados. Um adulto perde diariamente cerca de 15 gramas de células epiteliais, como são chamadas as da pele. Tal perda, no entanto não é notada, pois elas se renovam sem parar. Toda essa atividade só termina com a morte, é para produzir a queratina, uma proteína impermeável que não permite a saída da água, que compõe 70% do organismo humano. Na camada exterior da pele, cerca de 0,5 mm abaixo da superfície, nascem as células vivas e arredondadas da epiderme, que sobem a medida que são empurradas por novas células. A epiderme tem 4 camadas. As células saem da camada germinativa, que é a mais interior, rumo a camada de Malpighi, onde assumem uma aparência espinhosa. Em seguida sobem em direção a camada granulosa da epiderme onde inicia a formação da queratina a partir da transformação de certas proteínas. A queratina aos poucas vai matando as células, tomando espaço de seus núcleos. Dessa forma, elas já chegam mortas a última camada, que é a córnea e que de tanto serem empurradas ficam achatadas como escamas. O ciclo completo não dura mais que 21 dias. È na derme, a camada abaixo da epiderme que concentram-se as terminações nervosas, especializadas em 5 sensações diferentes: tato, calor, frio, pressão e dor.

Projeto Biosfera II – Como era o projeto que fracassou


Biosfera por fora

Eles tentaram fazer uma réplica perfeita do planeta, reduzida as proporções de 1 quarteirão e selada dentro de uma redoma de vidro e aço tão alta quanto um prédio de 8 andares. É difícil lembrar de algo que os projetistas tenham esquecido de instalar no seu interior, com 4 mulheres e 4 homens que se trancaram nesse planeta modelo na tentativa de viver 2 anos desconectados do mundo. Um oceano, uma mini floresta, um deserto, um pântano e uma savana. Eram 3800 espécies de animais e plantas com as mais variadas aptidões. A vegetação do deserto assumia a tarefa de absorver o CO2 e reemitir o oxigênio. A reciclagem é vital. Animais que comem muito ficaram de fora. A maioria dos bichos era composta por peixes, répteis e anfíbios, cujo organismo é mais lento e apresenta menor demanda energética. Esperava-se que pelo menos uma refeição por semana contivesse frutos do mar, tais como ostras e mariscos, caranguejos e polvos. Em seguida os 50 tipos de plantas cultivadas, como arroz, milho e legumes. Num ambiente fechado, o volume de gás carbônico cresce em detrimento do oxigênio e mais cedo ou mais tarde acaba sufocando as pessoas e animais presentes. O problema é tão sério que praticamente inviabiliza vôos espaciais de longa duração. Os americanos por ex., não podem ficar mais que 10 dias em órbita porque tem que levar consigo grande quantidade de oxigênio. Só de ar o consumo é 3 quilos por dia, 60% do peso total da mochila básica. Para que os astronautas não sufoquem, todos os dias é preciso recolher o co2 da respiração e injetar nova cota de oxigênio nas cabines. Tudo isso ocupa grande espaço no Shuttle, o então principal veículo americano para operações em órbita e custa caro. Cada quilo sai por 10 mil dólares. As razões então era de sobra para se pensar numa instalação auto-suficiente, que não exigia novos suprimentos da Terra e era exatamente isso o que pretendia o Biosfera II. Sendo extremamente bem selada, poderia servir de suporte para a vida no espaço, como no solo hostil de um planeta. O oxigênio seria reposto por um sistema contínuo de reciclagem, pelas plantas, mas o projeto foi um fiasco. Num ambiente onde vivem apenas camarões, algas e bactérias, perdeu-se a visão global e a grande variedade de sistemas reais.

Em pleno deserto, foi construída como réplica da Biosfera 1, ou Planeta Terra, com 5 de seus ecossistemas em miniatura: deserto, oceano, floresta tropical, savana e pântano. Foi escolhida uma equipe que viveria isolada durante 2 anos, comeriam o que plantassem. Reciclariam a água, os dejetos e até o ar. Nada entraria nem sairia.
A auto sustentação seria transportada para Marte, se desse certo. Por trás de um investimento de 150 milhões de dólares vieram fraudes, para esconder fracassos. A concentração de gás carbônico tornou-se tão alta que foi preciso removê-lo e isso foi feito clandestinamente. Por baixo do pano também se injetou ar fresco na redoma. Depois falharam as colheitas. Houve fome e um tripulante que saiu para tratamento médico voltou trazendo comida. No final dos 2 anos, a tripulação deixou a redoma, magra, pálida, faminta e desacreditada. Eram 8 pessoas e 3800 espécies de plantas e animais trancados dentro da redoma de 12.600 metros quadrados, no Arizona. Com o objetivo de criar o modelo de uma colônia humana auto suficiente, capaz de sobreviver em outros planetas. Agora, os cientistas estão começando do zero. São 18 das melhores universidades dos EUA. Na nova fase o ar foi trocado. Mais de 700 mil litros do reservatório de água foram substituídos. Quase 90 metros cúbicos de material orgânico foram removidos. 200 barris, com 200 litros de CO2 cada, na forma de carbonato de cálcio, foram retirados. O ar da biosfera ficou com apenas 14% de oxigênio contra 21% da atmosfera natural. Crônica de um fracasso Inaugura em setembro de 1991 em noite de gala. Seu criador temia o Day after de um holocausto nuclear. Queria criar colônias humanas auto-suficientes capazes de povoar outros planetas. Em setembro de 1992, a tripulação pousou sorridente no 1º aniversário. Na saída, em setembro de 1993, tinham perdido 15% do peso, em média cerca de 11 quilos cada um. A morte de muitas plantações deixou os canteiros com aspecto desolado. A proximidade dos ecossistemas provocou migrações de espécies de um para outro: o deserto virou um matagal de arbustos.

Bactérias Marcianas


Os supostos ETs não teriam chegado em um disco voador, mas a bordo de 1 meteoro achado a mais de uma década na Antártida. Seriam múmias de bactérias de 3,6 milhões de anos. Elas não chegaram a serem classificadas, pois foi verificado o engano.
A idéia era a de que teriam saído de Marte, num meteorito arrancado por um asteróide e por uma grande coincidência, caído no pólo sul, onde o gelo o conservou.
Marte já foi como a Terra, há 3,5 bilhões de anos perdeu o ar e a água congelou no subsolo.
O Sistema Solar já tem alguns bilhões de anos, como a Terra, Marte sofre com a queda de pesados meteoros, eles liberam grande quantidade de CO2 e nitrogênio das rochas. O bombardeio deixa crateras carimbadas no solo.
Vulcões gigantescos com até 24 km de altura, 3 vezes o Everest, cospem CO2 contido no subsolo. O acúmulo provoca efeito estufa semelhante ao da Terra, com o calor o gelo derrete e começa a correr água líquida. Esse seria o cenário ideal para a proliferação de possíveis bactérias primitivas. Chuvas torrenciais criam rios, lagos e oceanos, que são fontes de inundações periódicas. Os vulcões se acalmam, o CO2 e a água são absorvidos pelas rochas, no lugar dos rios restaram desfiladeiros. A atmosfera é seca e fria = -60°C. A água congelada debaixo do solo marciano talvez preserve micróbios em estado de dormência e a Nasa quer a prova para liberar as verbas e ir atrás deles, mas além do financiamento, o sucesso dempederá de sorte. O objetivo final é colonizar Marte; nada é impossível, desde que se tenha bastante tempo e dinheiro. A água poderia vir das calotas polares e de massas geladas no subsolo, derretidas graças á energia solar, concentrada em espelhos quilométricos flutuando no espaço. O CO2 causaria efeito estufa, fazendo a temperatura chegar a um nível satisfatório para os colonizadores. Algas produzidas por engenharia genética filtrariam o ar produzindo oxigênio. Cúpulas de vidro fechadas podem ser uma breve realidade.

Física – Resumindo tudo em um punhado de leis


Tudo aquilo que tem massa e ocupa lugar no espaço é chamado de matéria.
Uma porção limitada da matéria constitui um corpo e todo o corpo que se presta a uma determinada finalidade, constitui um objeto.
A espécie de matéria que um corpo é formado recebe o nome de substância.
Massa é a medida da inércia; quanto maior a massa de um corpo, maior a sua inércia. Massa e peso não são a mesma coisa. O peso é uma força. São grandezas diferentes mas que em certas circunstâncias podem Ter valores numéricos iguais.
Extensão é a propriedade que tem a matéria de ocupar lugar no espaço.
Compressibilidade é a propriedade que tem a matéria de sob a ação de uma força diminuir de volume pela diminuição do espaços intermoleculares.
Elasticidade é a propriedade que tem a matéria de voltar ao seu volume e a sua forma inicial quando cessa a força que produz a deformação.
Divisibilidade é a propriedade que tem a matéria de ser dividida em partes cada vez menores.

Constituição atômica:
Num átomo a última camada eletrônica nunca possui mais de 8 elétrons. O n.º de prótons de um átomo é sempre igual a número de elétrons, ocorrendo equilíbrio elétrico, quebra-se esse equilíbrio, pois fica com o número de prótons maior que o de elétrons tornando-se eletricamente positivo, quando do contrário, ganha , fica eletricamente negativo.

Nobel de física – Em 1956, William Shockley, John Bardeen e Walter Brattain, ganharam esse prêmio pela criação do transistor. Para isso, partiram de um invento já existente, o diodo; inserindo numa base de silício 2 finas camadas de material, uma em cima da outra, carregada positiva e outra negativamente ou vice-versa.

 A velocidade da luz – Até 1676, acreditava-se que a luz era instantânea. Naquele ano o astrônomo dinamarquês Roemer observou no telescópio que em comparação com seus cálculos, havia um atraso de 22 minutos nos elipses das luas de Júpiter. Concluiu então que o atraso correspondia ao tempo que a luz dos satélites demorava para alcançar a Terra, velocidade que estimou em 225 mil quilômetros por segundo, mas o valor correto é de 299.792 km/s e foi determinado apenas em 1926 pelo físico alemão naturalizado americano, Albert Michelson. Para chegar a tal número, aperfeiçoou durante 25 anos o interferômetro, um aparelho que mede em espelhos fixos o desvio da luz refletida por espelhos rotativos.

O que são quasares?

São os objetos mais luminosos do universo e foram descobertos em 1962. Brilham mil vezes mais que uma galáxia. Um quasar a sete bilhões de anos luz da Terra, brilha igual a uma estrela a menos de 100 mil anos luz de distância. A constelação do Centauro ocupa um espaço tão grande no céu que o conjunto pode levar até 6 horas para surgir inteiro no horizonte.