Planeta Terra– A origem da vida, segundo Carl Sagan


Em um punhado de terra de jardim temos bilhões de microorganismos de formas elegantes, ativamente ocupados com suas complexas micro atividades. Do Gélido topo do monte Everest até os tórridos efluentes que jorram do interior da Terra ao chão dos oceanos, existem por toda parte formas de vida refinadamente adaptadas as suas circunstâncias. Seres deslizam, rastejam, flutuam, planam, nadam, escavam, galopam ou apenas ficam imóveis e crescem verticalmente durante séculos. Alguns pesam 100 toneladas, mas a maioria é menor que 1 bilionésimo de grama. Há organismos capazes de enxergar sob luz infravermelha ou ultravioleta e há seres cegos que percebem o ambiente envolvendo-se num campo elétrico. Alguns armazenam luz solar e ar , alguns são plácidos comedores de pastagens, outros caçam a sua presa com garras, dentes e venenos neurológicos, alguns vivem uma hora, outros um milênio. Quando se examina de perto a superfície de mundos vizinhos como Lua e Marte, não se encontra nenhuma prova da existência sequer as mais modesta forma de vida. As proteínas controlam a química e a arquitetura de cada célula. Toda enzima é uma proteína. Os ácidos nucléicos determinam quais proteínas devem ser feitas e quando. Possuem também a propriedade de fazer cópias idênticas de si mesmo, a partir de blocos de construção moleculares. 99% da massa do universo é formada por átomos de hidrogênio, oxigênio e hélio. A Terra, porém compõe-se de silício, oxigênio, alumínio e ferro, isso significa que nosso planeta e outros pequenos mundos são anomalias cósmicas. Em pequenos planetas, hidrogênio e hélio escapam rumo ao espaço, como um foguete voando a mais de 11 km/s. Os cientistas Urey e Miller tentaram reproduzir em laboratório a suposta origem da vida, porém não explicam a origem da primeira célula que segundo eles é um evento muito mais complexo.

Diabetes


Um dos mais importantes processos metabólicos do organismo é a conversão de alimentos em glicose que, por sua vez, será transformada em energia e calor.
É possível retirar energia de qualquer tipo de alimento, mas as fontes mais importantes de energia são os carboidratos (açúcares, farinhas, cereais), que são convertidos pelo organismo mais rapidamente.
Para ajudar a penetração do suprimento de açúcar em cada célula do corpo, um órgão chamado pâncreas envia o hormônio Insulina para a corrente sangüínea, fazendo com que o hormônio chegue aos receptores de insulina e transformem a glicose em energia.
Se uma pessoa produz insulina em quantidade insuficiente, a glicose, não podendo entrar na célula e ser consumida, acumula-se no sangue, causando a hiperglicemia, cujos sintomas são o excesso de urina (para eliminar a glicose) e a conseqüente perda de água. Além disso, o processo desestabiliza o metabolismo, fazendo com que a pessoa sinta ainda mais fome e, ao mesmo tempo, não consiga obter energia, tendo que tirá-la das gorduras e proteínas do próprio corpo. Sem tratamento, o resultado de todo esse processo é extremamente maléfico, podendo levar à morte

Comportamento – O beijo


Um juiz de Sorocaba a 90 km de SP em fevereiro de 1981 decidiu proibir o beijo na cidade. Houve um ato de protesto chamado a noite do beijo, que apesar do nome , acabou em pancadaria. O ato surgiu há milênios quando a criança após sugar o peito recebia alimentação solida pela mãe passada a boca, a maneira de certos animais e pássaros. Psiquiatras como Sigmund Freud se preocuparam em interpretar como evoluiu esse movimento. Uma de suas primeiras representações são as esculturas e murais do templo de Khajuraho, na Índia que datam do ano 2500 AC. No século 5AC, o historiador Heródoto chegou a descrever os vários tipos de beijo e seu significado entre persas e árabes. Foi relatado que quando as pessoas pertenciam ao mesmo nível social se beijavam na boca, do contrário, no rosto. Os preconceitos são antigos: o historiador grego Plutarco , conta Catão o censor, (234-149AC) cassou o mandato do senador Pretórius porque foi visto beijando a mulher em público. Mas os romanos nada tinham contra. Os japoneses antigos não se beijavam ; um chefe de polícia japonês declarou que “ o beijo é um detestável hábito europeu, que nós aqui, desejamos que não se cultive. Foi no cinema que teve sua propagação. Em 1896, numa pequena sala de projeções em Los Angeles, diante de 73 espectadores, May Irwin e John Rice beijaram-se durante 4 segundos. O filme foi boicotado e a imprensa chamou de moral de taverna, mas Hollywood insistiu. Em 1926 chegou as telas o filme Dom Juan onde o ator principal deu 191 beijos em várias atrizes, recorde ainda não superado no cinema.

História das motos


A primeira moto era uma bicicleta com motor
História das motos

A motocicleta foi inventada simultaneamente por um americano e um francês, sem se conhecerem e pesquisando em seus países de origem. Sylvester Roper nos Estados Unidos e Louis Perreaux, do outro lado do atlântico, fabricaram um tipo de bicicleta equipada com motor a vapor em 1869. Nessa época os navios e locomotivas movidas a vapor já eram comuns, tanto na Europa como nos EUA, e na França e na Inglaterra os ônibus a vapor já estavam circulando normalmente. As experiências para se adaptar um motor a vapor em veículos leves foram se sucedendo, e mesmo com o advento do motor a gasolina, continuou até 1920, quando foram abandonadas definitivamente.

O inventor da motocicleta com motor de combustão interna foi o alemão Gottlieb Daimler, que, ajudado por Wilhelm Maybach, em 1885, instalou um motor a gasolina de um cilindro, leve e rápido, numa bicicleta de madeira adaptada, com o objetivo de testar a praticidade do novo propulsor. A glória de ser o primeiro piloto de uma moto acionada por um motor (combustão interna) foi de Paul Daimler, um garoto de 16 anos filho de Gottlieb. O curioso nessa história é que Daimler, um dos pais do automóvel, não teve a menor intenção de fabricar veículos motorizados sobre duas rodas. O fato é que, depois dessa máquina pioneira, nunca mais ele construiu outra, dedicando-se exclusivamente ao automóvel.

O motor de combustão interna possibilitou a fabricação de motocicletas em escala industrial, mas o motor de Daimler e Maybach, que funcionava pelo ciclo Otto e tinha quatro tempos, dividia a preferência com os motores de dois tempos, que eram menores, mais leves e mais baratos. No entanto, o problema maior dos fabricantes de ciclomotores – veículos intermediários entre a bicicleta e a motocicleta – era onde instalar o propulsor: se atrás do selim ou na frente do guidão, dentro ou sob o quadro da bicicleta, no cubo da roda dianteira ou da traseira? Como de início não houve um consenso, todas essas alternativas foram adotadas e ainda existem exemplares de vários modelos. Só no início do século XX os fabricantes chegaram a um consenso sobre o melhor local para se instalar o motor, ou seja, a parte interna do triângulo formado pelo quadro, norma seguida até os dias atuais.

A primeira fábrica
A primeira fábrica de motocicletas surgiu em 1894, na Alemanha, e se chamava Hildebrandt & Wolfmüller. No ano seguinte construíram a fábrica Stern e em 1896 apareceram a Bougery, na França, e a Excelsior, na Inglaterra. No início do século XX já existiam cerca de 43 fábricas espalhadas pela Europa. Muitas indústrias pequenas surgiram desde então e, já em 1910, existiam 394 empresas do ramo no mundo, 208 delas na Inglaterra. A maioria fechou por não resistir à concorrência. Nos Estados Unidos as primeiras fábricas – Columbia, Orient e Minneapolis – surgiram em 1900, chegando a 20 empresas em 1910.
Tamanha era a concorrência que fabricantes do mundo inteiro começaram a introduzir inovações e aperfeiçoamentos, cada um deles tentando ser mais original. Estavam disponíveis motores de um a cinco cilindros, de dois a quatro tempos. As suspensões foram aperfeiçoadas para oferecer maior conforto e segurança. A fábrica alemã NSU já oferecia, em 1914, a suspensão traseira do tipo monochoque (usado até hoje). A Minneapollis inventou um sistema de suspensão dianteira que se generalizou na década de 50 e continua sendo usada, hoje mais aperfeiçoada. Mas a moto mais confortável existente em 1914 e durante toda a década era a Indian de 998cm3 que possuía braços oscilantes na suspensão traseira e partida elétrica, um requinte que só foi adotado pelas outras marcas recentemente. Em 1923 a motocicleta inglesa Douglas já utilizava os freios a disco em provas de velocidade. Porém, foi nos motores que se observou a maior evolução, a tecnologia alcançando níveis jamais imaginados. Apenas como comparação, seriam necessários mais de 260 motores iguais ao da primeira motocicleta para se obter uma potência equivalente a uma moto moderna de mil cilindradas. Após a Segunda Grande Guerra, observou-se a invasão progressiva das máquina japonesas no mercado mundial. Fabricando motos com alta tecnologia, design moderno, motor potente e leve, confortáveis e baratas, o Japão causou o fechamento de fábricas no mundo inteiro. Nos EUA só restou a tradicional Harley-Davidson. Mas hoje o mercado está equilibrado e com espaço para todo mundo.

Tecnologia – O Raio Laser


Charles Hard Townes, nasceu em Greenville, Carolina do Sul em 28 de julho de 1915. Se formou no Universidade de Duke e foi doutor no Instituto de Tecnologia da Califórnia, em 1939. Durante a II guerra mundial trabalhou nos laboratório Bell, ocupando-se com sistemas de radar e microondas. Em 1917, Albert Einstein publicou um estudo sobre o efeito amplificador que poderia ser obtido em uma emissão estimulada de radiação.
Townes imaginava que seria possível converter em radiações as vibrações das moléculas encerradas em uma caixa de ressonância , ou algo parecido, e que tal radiação poderia ser reforçada. Mas chegando ao seminário lhe deram pouca atenção ao expor suas idéias. Não desanimou. Após 3 anos, obteve os primeiros resultados com gás amoníaco, cujas moléculas chegavam a vibrar 24 bilhões de vezes por segundo o que as tornava suscetíveis a conversões em ondas de 2mm e meio de comprimento. O maser revelou aos poucos sua utilidade , superando os mais refinados amplificadores de rádio e se habilitando para comunicações astronômicas e para detenção das emissões estelares de rádio. Físicos soviéticos chegaram a resultados semelhantes em Moscou. Ambos dividiram o prêmio Nobel de 1964 por suas descobertas . Nascido em Los Angeles, Califórnia no dia 11 de julho de 1927, Maiman pagou seus próprios estudos na universidade de Colorado trabalhando como eletricista e mais tarde fez seu doutorado na Universidade de Standford. Em vez de um gás como o amoníaco, empregou um cilindro de rubi sintético ao qual, acrescentou impurezas de cromo. Os extremos do cilindro haviam sido cuidadosamente polidos para funcionarem como espelhos . Um grupo de pesquisadores do Laboratório Bell, desenhou em 1961, outro modelo de laser com mistura de hélio e gás neon e começaram a aparecer outras variações em torno do tema, empregando átomos e moléculas diferentes, assim como distintas fontes de energia para estimula-los em algo parecido como uma caixa de espelhos como a alavanca, a roldana, o plano inclinado que aproveita a força da inércia e da gravidade para amplificar a potência dos músculos, o laser faz uso da força dos átomos e moléculas para amplificar a potência da radiação. Usando um refletor especial abandonado na Lua pelos astronautas da Apolo 14 o Observatório De Lure no Havaí, emitiu um raio laser que levou 2 segundos e meio para ir e voltar até lá, refletindo á terra e permitindo a medição a distância. O Laser já se tornou ferramenta insubstituível nas telecomunicações , medicina, indústria e etc.

Mitologia – Zeus



Zeus era senhor do céu e deus supremo da mitologia grega. Filho mais novo de Cronos e Réia, nascido no Monte Ida, em Creta. Conhecido pelo nome romano de Júpiter, tinha como irmãos Possêidon, Hades, Deméter, Héstia e Hera, de quem era também marido, e pai de diversos deuses, como Atena, Ártemis e Apolo.

Zeus sempre foi considerado um deus do tempo, com raios, trovões, chuvas e tempestades atribuídas a ele. Mais tarde, ele foi associado à justiça e à lei. Havia muitas estátuas erguidas em honra de Zeus, sendo que a mais magnífica era a colossal estátua de Zeus em Olímpia, uma das sete maravilhas do mundo antigo. Originalmente, os jogos olímpicos eram realizados em sua honra.

Segundo o mito, durante muito tempo quem governou a Terra foi o tirano Urano (o Céu). Até que foi deposto por Cronos, seu filho. Então Urano profetizou que Cronos também seria destronado por seu próprio filho. Cronos, temendo a maldição, passou a devorar vivos os próprios filhos, logo que estes nasciam. Vários bebês tiveram esse destino. Sua mulher Réia, porém, não podia deixar de amar seus filhos. Assim, após dar a luz a um menino, Réia enganou o marido, dando um potro a Cronos. Este ansioso por se proteger da profecia, devorou o potro sem perceber o embuste. Alguns poetas, de forma diferente, dizem que Cronos engoliu um saco de pedras. Réia levou o filho salvo para um local seguro, dando-lhe o nome de Zeus (tesouro que reluz).

Guerra de Titãs
O garoto ficou com uma menina , e secretamente sabendo das barbaridades do pai, revoltou-se contra ele, decidindo vingar os irmãos mortos. Conheceu então Possêidon e Hades, seus irmãos, salvos da mesma forma que ele. Zeus e seus irmãos então revoltaram-se contra Cronos e os Titãs, iniciando com eles uma guerra contra Cronos.

Segue-se uma terrível batalha e a profecia se cumpre: Cronos é deposto pelo próprio filho e os titãs são banidos para o Tártaro, ainda mais abaixo no mundo inferior. Alguns autores afirmam que Zeus pode ter retirado os irmãos da barriga do pai, fazendo com que este vomitasse.

Depois da revolta Zeus dividiu os reinos com Possêidon e Hades. Zeus ficou com o Céu, Possêidon com os Oceanos e Hades com o Reino dos Mortos. Usava como arma os raios e um escudo chamado Égide (feito por Hefesto).

Zeus, curioso para saber o tamanho de seus domínios, solta duas águias de extremos opostos do mundo. As imensas aves atravessam a Terra e se encontram no vale de Delfos, na encosta sul do monte Parnaso. Ali foi posta uma pedra chamada “omphalus”, simbolizando o umbigo do mundo

Filhos
Com Hera foi pai de Hefesto, deus do fogo; Hebe, deusa da juventude, Ares, deus da guerra e Ilítia, deusa dos partos. Antes de desposar Hera, foi pai de Atena, com sua primeira esposa Métis, e com sua irmã Deméter teve Perséfone.

Apesar de casado com Hera, Zeus tinha inúmeras amantes (as paixões de Zeus). Usava dos mais diferentes artifícios de sedução, como a metamorfose em qualquer objeto ou criatura viva, sendo dois dos mais famosos o cisne de Leda e o touro de Europa. Assim sendo, teve muitos filhos ilegítimos com deusas e mulheres mortais, que se tornaram proeminentes na mitologia grega – Hércules e Helena, por exemplo.

Mega Notícias -Assepsia


Na Dinamarca o índice de infecção hospitalar é de apenas 0,2%. Mal entra no hospital, um paciente dinamarquês é submetido a um exame do muco do nariz para verificar se existem bactérias resistentes transmissíveis pelo ar. Se houver ele será mantido em isolamento, por menor que seja o problema. As UTIs são os maiores focos de bactéria resistente. Ali se concentram os doentes mais graves e que mais utilizam antibióticos. Quanto menos se permanece na UTI menor a chance de ser colonizado por micróbios.

Energia alternativa- Esterco energético


Já está em plena atividade uma usina numa cidade inglesa, com capacidade de abastecer até 80 casas com energia barata gerada a partir de um combustível natural, barato e menos poluente que o carvão : o esterco de galinha . Com um consumo diário de 500 toneladas do adubo, ela funciona como uma unidade de carvão : o produto é queimado, o calor ferve a água dos reservatórios e cria vapor para alimentar as turbinas. Como a combustão é feita a 800ºC , a temperatura elimina tanto a matéria orgânica quanto o mau cheiro. Além disso, cinzas são reaproveitadas como fertilizante e a emissão de dióxido sulfúrico das chaminés é cinco vezes menor que em usinas de carvão. Outra vantagem é que o sistema acaba com um antigo problema , o da liberação de gás metano, um dos causadores do efeito estufa, pelo esterco estocado ao ar livre.

Transporte ferroviário – A estrada de ferro


Trilhos e dormentes sob o leito da ferrovias são permanentes. È necessário colocar um lastro de pedra britada que reparte o peso da carga e protege o terreno do desgaste provocado pelas chuvas. Apoiados sob o leito de pedras ficam os dormentes a 40-50 cm de distancia um do outro e destinam-se a manter fixos os trilhos e suportar uma parte do peso dos trens. Trilhos de aço são formados por longos segmentos de até 36 metros unidos entre si por junções fixadas aos dormentes. Correspondendo á distância entre as faces internas dos trilhos a bitola normal, chamada de internacional é de 1,435m. Entretanto há diferentes medidas de bitola que vão de 0,75 a 1,6m. No Brasil apenas os 164 km da estrada de ferro do Amapá possuem bitola internacional O sistema que liga Santos ao interior de S.P. utiliza bitola de 1,60m. Nas ferrovias indianas e australianas a bitola é de 1,676. Nos Alpes Suíços, trens modernos com até 700 toneladas vencem declives de 24-28 m cada 1000 km a 80 km/h. os sinais são de importância fundamental, deles depende a segurança do tráfego ferroviário. Utiliza-se sinais luminosos, os mais modernos, com projetor fotoelétrico, Sendo visíveis a 1600 m de distância. Trens devem obedecer a horários rigorosos ; linhas e desvios são continuamente sob o controle dos guardas-linhas, pessoas treinadas para tal função. Veloz e pesado o trem não consegue parar em poucos metros como um automóvel. Um comboio mantendo uma marcha de 180 km/h, por exemplo, necessita de quase 2700 m para parar. Nas linhas equipadas com bloqueio automático é o próprio trem que, por meio de um dispositivo denominado, o circuito de linha, aciona a sua passagem os sinais que impedem o acesso de outros trens ao setor de bloqueio, que é destinado a manter os trens a uma distância segura. Cada trem deixa para trás, na ordem de distanciamento do último vagão do comboio, primeiro um sinal vermelho, depois um amarelo e finalmente um verde.
Assentamento – Um trem que assenta trilhos é capaz de colocar automaticamente 800 dormentes por dia, ou seja 500 metros de trilhos . Consiste em uma automotriz, um carro oficina e 8 gôndolas equipadas com esteira transportadora. Um guindaste movimenta-se ao longo dos carros para levantar e coloca-los sobre a linha de distribuição. Enquanto as unidades velhas são dispostas sobre uma linha de transporte.

Drogas – A cocaína muda o comportamento para sempre


Estudos recentes, apresentados na semana passada no congresso da Society for Neuroscience, nos Estados Unidos, revelam que o uso da cocaína modifica o controle dos impulsos, através de alterações nos neurônios, que são as células do cérebro. O resultado é uma redução na capacidade de avaliar os riscos versus os benefícios de cada situação, e dificuldades no controle do comportamento.

Pesquisadores do Brookhaven Laboratory, de Nova York, usaram técnicas de ressonância magnética funcional, para analisar a atividade dos neurônios em 16 usuários de cocaína e em outras 16 pessoas saudáveis. Na pesquisa, enquanto eram submetidos ao estudo de ressonância magnética funcional, foi pedido aos indivíduos que identificassem quantidades diversas de dinheiro, e as colocassem por ordem de valor. Nos resultados, mais da metade dos indivíduos que usavam cocaína não conseguiam diferenciar entre os valores.

As imagens cerebrais destas pessoas mostraram um padrão de conflito ou até mesmo desconectados, como resposta à apresentação dos valores. As observações feitas referiam-se principalmente à área pré-frontal do cérebro. Uma outra observação feita é que, mesmo quando a droga é completamente removida do corpo do indivíduo, e este não volte a usá-la, a função cerebral na área da córtex pré-frontal jamais retorna completamente ao normal.

Religião – Quem era Maimônides?



Ele nasceu em Córdoba, na Espanha em 1135. Filho de Maimon que lhe deu grande parte de seu treinamento religioso, um renomado erudito de uma distinta família rabínica. A pequena comunidade judaica enfrentava o perigo de tantos cruzamentos como das forças muçulmanas. Após 6 meses encontraram refúgio numa velha cidade do Cairo, no Egito. Ali seus talentos foram reconhecidos. Formulou 13 dogmas da crença judaica. O judaísmo nunca definira um credo formal, ou declaração de crenças. Procurava a ordem lógicas de todas as coisas, quer físicas, quer espirituais. Rejeitava a fé cega, exigindo explicações para tudo a base do que ele considerava serem provas racionais e a lógica. Essa inclinação natural levou a escrita de sua obra-prima, Torah. Alguns de seus dogmas contradizem a essência da fé em Jesus como messias. Ensinos apóstatas e o derramamento de sangue nas cruzadas por pseudo-cristãos podem tê-lo influenciado. Com isso criou uma tese: “ O cristianismo é uma pedra de tropeço, todos os profetas falaram do messias como redentor de Israel e seu salvador. Em contraste, o cristianismo fez os judeus serem mortos pela espada, seus remanescentes dispersados e humilhados , a Tora ser alterada e a maioria do mundo errar e servir a outro Deus”… , ele redefiniu a estrutura do judaísmo. O mau exemplo da cristandade e a influência filosófica de Aristóteles o fez chegar a tais conclusões . Seus dogmas São:
Deus é o criador e governante de todas as coisas. Somente ele fez, faz e fará todas as coisas.
) Deus é um só.
Não tem corpo, conceitos físicos não se aplicam a ele.
Deus é o primeiro e o último.
É correto orar somente a Deus, não se deve orar a outro ou a outra coisa.
Todas as palavras dos profetas são verdadeiras.
A profecia de Moisés é absolutamente verídica. Ele foi o principal dos profetas.
Toda a Tora (Bíblia), que agora temos é a que foi dada á Moisés.
Ela não será mudada e não haverá outra dada por Deus.
Deus conhece todos os atos e pensamentos do homem.
Deus recompensa aqueles que guardam seus mandamentos e pune os que transgridem contra ele.
O messias virá
Os mortos serão trazidos de volta a vida.

Mega Biografia – Carl Sagan



Seu livro Cosmos, lançado em 1980, se tornou o mais vendido de todos os tempos e a série de TV, assistida por meio bilhão de pessoas em 60 países. Acumulou vasto conhecimento sobre os planetas e ajudou a explicar diversos mistérios. Como o terrível calor de Vênus, que chega a 470°C, devido ao excesso de gás carbônico na atmosfera, ou a neblina púrpura do satélite de Saturno, Titã, causada pela presença de moléculas orgânicas.

Em 1939, um menino de 5 anos foi com os pais a feira mundial de NY ver uma exposição sobre tecnologias do futuro. Já adolescente, entrou numa biblioteca na mesma cidade e pediu um trabalho sobre estrelas e recebeu um livro com fotos de atrizes; teve que explicar que estava falando do céu. Em 1951, graças a uma bolsa de estudos, foi admitido na Universidade de Chicago. Nove anos depois, já Dr em astronomia e física foi assistente no laboratório de geneticista J Muller, Nobel de 1946. Nos anos 60 dava aula nas melhores universidades americanas. Em 1968, a Universidade de Cornell pos a sua disposição um laboratório de estudos espaciais onde ficou até morrer. Como conselheiro da Nasa, projetou experimentos cruciais em praticamente todas as expedições das sondas Mariner, Viking, Voyager, além de assessorar as expedições da Apolo rumo á Lua. Chegou a ser preso em nevada, numa manifestação de protesto contra testes nucleares. Também era contrário a construção de ônibus espaciais, a idéia de colocar estações espaciais em órbita e ao projeto “Guerra nas Estrelas”, cujo objetivo era armar satélites com artefatos nucleares. Ir a Lua para ele foi uma bobagem. Questionou missões tripuladas da nave Apolo, nas quais, além de caras, o objetivo era apenas derrotar os soviéticos na corrida espacial. Combatia a crença em discos voadores. A chance de um ser inteligente visitar a Terra é zero, já que se existem civilizações tecnológicas além da nossa, devem ser raríssimas e afinal “diante das imensas distâncias cósmicas, seria o cúmulo da coincidência duas delas se encontrarem”.

Barcos – Por quê a velocidade é em nós?


Os primeiros eram dotados de uma espécie de velocímetro bastante primitivo. Consistia em uma corda com uma das extremidades amarradas a uma espécie de prancha pesada de madeira e a outra a um cilindro, também de madeira. Essa corda era marcada com nós em intervalos regulares de 14,3 metros. Quando o barqueiro desejava saber a velocidade de embarcação, a prancha com a corda atada era lançada ao mar. Com o barco em movimento, a água freava a prancha, o que fazia com que a corda fosse desenrolando. Com a ajuda de um relógio de areia , o barqueiro observava quantos nós se desenrolavam em um determinado período de tempo. Estava definida a velocidade. Atualmente tal método rudimentar não é mais utilizado, mas somente a palavra nó. Um nó nos dias atuais eqüivale a uma milha náutica ou, 1,852 km/h.

Escrita – Glifos e hieróglifos


Glifo é uma palavra grega que significa inscrição. Enquanto os egípcios usavam os hieróglifos apenas para adornar monumentos, templos e túmulos, os atuais glifos podem ser encontrados em toda parte . Porém enquanto os sinais dos egípcios eram de propósito indecifráveis , os atuais só tem sentido se forem facilmente identificáveis pelo maior número possível de pessoas. Os glifos modernos surgiram aos poucos nos primeiros anos do século 20. A iniciativa foi dos clubes automobilísticos da Europa e EUA, que instalaram as primeiras placas de transito. Em 1909, um congresso em Paris criou o código internacional de trânsito e apesar da padronização os sinais nem sempre são os mesmos. Na maioria dos países o sinal de proibido estacionar é a letra P cortada e aqui é a letra E.
Alguns acham que um dia tais sinais se tornarão a base de um novo esperanto, a língua universal.

O que é a Depressão?


Depressão é uma palavra freqüentemente usada para descrever nossos sentimentos. Todos se sentem “para baixo” de vez em quando, ou de alto astral às vezes e tais sentimentos são normais. A depressão, enquanto evento psiquiátrico é algo bastante diferente: é uma doença como outra qualquer que exige tratamento. Muitas pessoas pensam estar ajudando um amigo deprimido ao incentivarem ou mesmo cobrarem tentativas de reagir, distrair-se, de se divertir para superar os sentimentos negativos. Os amigos que agem dessa forma fazem mais mal do que bem, são incompreensivos e talvez até egoístas. O amigo que realmente quer ajudar procura ouvir quem se sente deprimido e no máximo aconselhar ou procurar um profissional quando percebe que o amigo deprimido não está só triste.
Uma boa comparação que podemos fazer para esclarecer as diferenças conceituais entre a depressão psiquiátrica e a depressão normal seria comparar com a diferença que há entre clima e tempo. O clima de uma região ordena como ela prossegue ao longo do ano por anos a fio. O tempo é a pequena variação que ocorre para o clima da região em questão. O clima tropical exclui incidência de neve. O clima polar exclui dias propícios a banho de sol. Nos climas tropical e polar haverá dias mais quentes, mais frios, mais calmos ou com tempestades, mas tudo dentro de uma determinada faixa de variação. O clima é o estado de humor e o tempo as variações que existem dentro dessa faixa. O paciente deprimido terá dias melhores ou piores assim como o não deprimido. Ambos terão suas tormentas e dias ensolarados, mas as tormentas de um, não se comparam às tormentas do outro, nem os dias de sol de um, se comparam com os dias de sol do outro. Existem semelhanças, mas a manifestação final é muito diferente. Uma pessoa no clima tropical ao ver uma foto de um dia de sol no pólo sul tem a impressão de que estava quente e que até se poderia tirar a roupa para se bronzear. Este tipo de engano é o mesmo que uma pessoa comete ao comparar as suas fases de baixo astral com a depressão psiquiátrica de um amigo. Ninguém sabe o que um deprimido sente, só ele mesmo e talvez quem tenha passado por isso. Nem o psiquiatra sabe: ele reconhece os sintomas e sabe tratar, mas isso não faz com que ele conheça os sentimentos e o sofrimento do seu paciente.

Como é?
Os sintomas da depressão são muito variados, indo desde as sensações de tristeza, passando pelos pensamentos negativos até as alterações da sensação corporal como dores e enjôos. Contudo para se fazer o diagnóstico é necessário um grupo de sintomas centrais:

Perda de energia ou interesse
Humor deprimido
Dificuldade de concentração
Alterações do apetite e do sono
Lentificação das atividades físicas e mentais
Sentimento de pesar ou fracasso

Os sintomas corporais mais comuns são sensação de desconforto no batimento cardíaco, constipação, dores de cabeça, dificuldades digestivas. Períodos de melhoria e piora são comuns, o que cria a falsa impressão de que se está melhorando sozinho quando durante alguns dias o paciente sente-se bem. Geralmente tudo se passa gradualmente, não necessariamente com todos os sintomas simultâneos, aliás, é difícil ver todos os sintomas juntos. Até que se faça o diagnóstico praticamente todas as pessoas possuem explicações para o que está acontecendo com elas, julgando sempre ser um problema passageiro.

Outros sintomas que podem vir associados aos sintomas centrais são:

Pessimismo
Dificuldade de tomar decisões
Dificuldade para começar a fazer suas tarefas
Irritabilidade ou impaciência
Inquietação
Achar que não vale a pena viver; desejo de morrer
Chorar à-toa
Dificuldade para chorar
Sensação de que nunca vai melhorar, desesperança…
Dificuldade de terminar as coisas que começou
Sentimento de pena de si mesmo
Persistência de pensamentos negativos
Queixas freqüentes
Sentimentos de culpa injustificáveis
Boca ressecada, constipação, perda de peso e apetite, insônia, perda do desejo sexual

Diferentes tipo de depressão
Basicamente existem as depressões monopolares (este não é um termo usado oficialmente) e a depressão bipolar (este termo é oficial). O transtorno afetivo bipolar se caracteriza pela alternância de fases deprimidas com maníacas, de exaltação, alegria ou irritação do humor. A depressão monopolar só tem fases depressivas.

Depressão e doenças cardíacas
Os sintomas depressivos apesar de muito comuns são pouco detectados nos pacientes de atendimento em outras especialidades, o que permite o desenvolvimento e prolongamento desse problema comprometendo a qualidade de vida do indivíduo e sua recuperação. Anteriormente estudos associaram o fumo, a vida sedentária, obesidade, ao maior risco de doença cardíaca. Agora, pelas mesmas técnicas, associa-se sintoma depressivo com maior risco de desenvolver doenças cardíacas. A doença cardíaca mais envolvida com os sintomas depressivos é o infarto do miocárdio. Também não se pode concluir apressadamente que depressão provoca infarto, não é assim. Nem todo obeso, fumante ou sedentário enfarta. Essas pessoas enfartam mais que as pessoas fora desse grupo, mas a incidência não é de 100%. Da mesma forma, a depressão aumenta o risco de infarto, mas numa parte dos pacientes. Está sendo investigado.

Depressão no paciente com câncer
A depressão costuma atingir 15 a 25% dos pacientes com câncer. As pessoas e os familiares que encaram um diagnóstico de câncer experimentarão uma variedade de emoções, estresses e aborrecimentos. O medo da morte, a interrupção dos planos de vida, perda da auto-estima e mudanças da imagem corporal, mudanças no estilo social e financeiro são questões fortes o bastante para justificarem desânimo e tristeza. O limite a partir de qual se deve usar antidepressivos não é claro, dependerá da experiência de cada psiquiatra. A princípio sempre que o paciente apresente um conjunto de sintomas depressivos semelhante ao conjunto de sintomas que os pacientes deprimidos sem câncer apresentam, deverá ser o ponto a partir do qual se deve entrar com medicações.
Existem alguns mitos sobre o câncer e as pessoas que padecem dele, tais como”os portadores de câncer são deprimidos”. A depressão em quem tem câncer é normal, o tratamento da depressão no paciente com câncer é ineficaz. A tristeza e o pesar são sentimentos normais para uma pessoa que teve conhecimento da doença. Questões como a resposta ao tratamento, o tempo de sobrevida e o índice de cura entre pacientes com câncer com ou sem depressão estão sendo mais enfocadas do que a investigação das melhores técnicas para tratamento da depressão.
Normalmente a pessoa que fica sabendo que está com câncer torna-se durante um curto espaço de tempo descrente, desesperada ou nega a doença. Esta é uma resposta normal no espectro de emoções dessa fase, o que não significa que sejam emoções insuperáveis. No decorrer do tempo o humor depressivo toma o lugar das emoções iniciais. Agora o paciente pode ter dificuldade para dormir e perda de apetite. Nessa fase o paciente fica ansioso, não consegue parar de pensar no seu novo problema e teme pelo futuro. As estatísticas mostram que aproximadamente metade das pessoas conseguirá se adaptar a essa situação tão adversa. Com isso estas pessoas aceitam o tratamento e o novo estilo de vida imposto não fica tão pesado.

A identificação da depressão
Para afirmarmos que o paciente está deprimido temos que afirmar que ele sente-se triste a maior parte do dia quase todos os dias, não tem tanto prazer ou interesse pelas atividades que apreciava, não consegue ficar parado e pelo contrário movimenta-se mais lentamente que o habitual. Passa a ter sentimentos inapropriados de desesperança desprezando-se como pessoa e até mesmo se culpando pela doença ou pelo problema dos outros, sentindo-se um peso morto na família. Com isso, apesar de ser uma doença potencialmente fatal, surgem pensamentos de suicídio. Esse quadro deve durar pelo menos duas semanas para que possamos dizer que o paciente está deprimido.

Causa da Depressão
A causa exata da depressão permanece desconhecida. A explicação mais provavelmente correta é o desequilíbrio bioquímico dos neurônios responsáveis pelo controle do estado de humor. Esta afirmação baseia-se na comprovada eficácia dos antidepressivos. O fato de ser um desequilíbrio bioquímico não exclui tratamentos não farmacológicos. O uso continuado da palavra pode levar a pessoa a obter uma compensação bioquímica. Apesar disso nunca ter sido provado, o contrário também nunca foi.
Eventos desencadeantes são muito estudados e de fato encontra-se relação entre certos acontecimentos estressantes na vida das pessoas e o início de um episódio depressivo. Contudo tais eventos não podem ser responsabilizados pela manutenção da depressão. Na prática a maioria das pessoas que sofre um revés se recupera com o tempo. Se os reveses da vida causassem depressão todas as pessoas a eles submetidos estariam deprimidas e não é isto o que se observa. Os eventos estressantes provavelmente disparam a depressão nas pessoas predispostas, vulneráveis. Exemplos de eventos estressantes são perda de pessoa querida, perda de emprego, mudança de habitação contra vontade, doença grave, pequenas contrariedades não são consideradas como eventos fortes o suficiente para desencadear depressão. O que torna as pessoas vulneráveis ainda é objeto de estudos. A influência genética como em toda medicina é muito estudada. Trabalhos recentes mostram que mais do que a influência genética, o ambiente durante a infância pode predispor mais as pessoas. O fator genético é fundamental uma vez que os gêmeos idênticos ficam mais deprimidos do que os gêmeos não idênticos.
Conhecendo os anti-depressivos
A amitriplina tem o nome comercial de triptanol. É do tipo tricíclico, atuando sobre a serotonina e a noradrenalina.
Bupropion – Nome comercial: Welbutrin – Tipo ISRD, inibidor seletivo da recaptura de dopamina.
Citalopran – Cipramil – Idem
Clomipramina – Anafranil – Tricíclico, atuando sobre a serotonina e a noradrenalina.
Fluoxetina – Prozac e genéricos – ISRS, inibidor seletivo de recaptura de serotonina.
Imipramina – Tofranil – Tricíclico, atuando sobre a serotonina e a noradrenalina.
Sertralina – Zolof – ISRS, inibidor seletivo de recaptura de serotonina.
Venlafaxina – Effexor – ISRSN, inibidor seletivo de racaptura de serotonina e noradrenalina.
Consulte seu médico. Nenhum deles está isento de efeitos colaterais desagradáveis.
A Fluoxetina
Há 2 décadas a fluoxetina, substância ativa de um medicamento conhecido com o nome comercial de Prozac (depois viriam os genéricos), foi aclamada como pánacéia. Já alertamos para os efeitos colaterais e agora faremos uma pequena recapitulação: agem influenciando a neurotransmissão e atuam sobretudo em 3 substâncias químicas cerebrais: serotonina, noradrenalina e dopamina. A cada conexão, parte dos neurotransmissores é destruída por enzimas, outra é transmitida e o resto volta por onde saiu, num processo chamado recaptura. Os ati-depressivos melhoram a relação. Os triciclícos são mais antigos, porém ainda muito utilizados. Tem havido bons resultados também no tratamento de outros problemas como a síndrome do pânico, transtorno obsessivo compulsivo e ansiedade e também como terapia de transtornos alimentares.

Mega Notícias – Selo anti-fumo


Os selos são impregnados de nicotina em forma de gel. A substância penetra na pele e passa para a corrente sangüínea por meio de difusão celular. O gel também avança pelos espaços foliculares, onde nascem os pêlos. Assim a taxa de nicotina se mantêm estável no sangue e não deixa o fumante sentir necessidade do cigarro. O tratamento se mostrou eficiente para aliviar a irritação e outros sintomas típicos das primeiras semanas de abstinência. Contudo não é totalmente eficaz. Na Inglaterra, 1/3 dos usuários sucumbiu as tragadas depois de 6 meses.

A Supernova Shelton


Na manhã de 24 de fevereiro de 1987, ás 4h08min, um assistente do observatório de La Campanas, no Chile, e o astrônomo amador Albert Jones, em Nelson, Nova Zelândia, descobriram visualmente a Supernova Sn 1987ª. Ela estava na Grande nuvem de Magalhães, na constelação de Dourado, ao lado da Nebulosa Gigante de Tarântula. Foi calculado que a luz proveniente da explosão levara 165 mil anos para chegar. O neutrino é uma partícula elementar emitida pelos núcleos atômicos. Habitualmente só interage muito fracamente com a matéria. Um dia antes da descoberta das emissões luminosas, 4 observatórios preparados para detectar neutrinos de origem solar registraram sinais. Pode-se afirmar que os neutrinos viajam a velocidade da luz, sugerindo que sua massa seja nula ou extremamente fraca. No caso de serem maciços, deveriam se deslocar numa velocidade inferior a da luz; como os neutrinos da Supernova chegaram junto com os primeiros sinais luminosos da explosão, sua velocidade era igual a da luz.

Anabolizantes – conhecendo seus perigos


Anabolizantes – conhecendo seus perigos

 Na década de oitenta, o culto ao físico com a exigência de corpos musculosos combate ao biótipo do chamado gordinho ou rechonchuda; a procura de corpos esculturais, considerados os malhados e sarados, o padrão de beleza tipo Stalone e muitos outros, valorizou mais a estética visual do que o conteúdo.

Com isso aconteceu o chamado boom das academias de ginásticas, o culto às super alimentações, muitas delas sem nenhuma base científica. Jovens e atletas com intuito de melhorar seus resultados ou sua estética passaram a utilizar várias substâncias com efeito anabolizante na tentativa de melhores resultados em pequeno espaço de tempo.

De acordo o médico, especialista em endocrinologia e metabologia, Dr. Celso Melo dos Santos, os anabolizantes são substâncias que provocam no organismo o anabolismo. Isto é o ganho de massa muscular através da retenção de íons e água que passaram a ser utilizados em grande escala se estendendo até hoje, mesmo apesar de todas informações já fornecidas sobre suas desastrosas conseqüências.

No início, o combate era apenas do ponto de vista esportivo, visto que essas substâncias eram enquadradas como doping e, portanto, proibidas pelas autoridades esportivas. Do ponto de vista estético, a cada dia eram utilizados indiscriminadamente não só hormônios, como também, supostas “dietas” e suplementos alimentares associados aos exageros em atividades físicas, que, com o passar dos anos, mostraram seus efeitos deletérios e suas conseqüências quase sempre drásticas.

Uso & Conseqüências

Segundo o especialista, a princípio, os anabolizantes eram usados para a obtenção do estereótipo almejado, somente eram utilizados análogos de testosterona associados a dietas hiperproteícas e exercícios com peso repetidos que levavam a hipertrofia muscular. Ultimamente, também são usados outras substâncias com intuito do anabolismo.

Os análogos de testosterona, explica o endocrinologista, são os hormônios masculinos, que através do uso contínuo provocam a retenção de líquidos e íons, e ao longo do tempo apresentam os efeitos colaterais do tipo virilização com o desenvolvimento dos caracteres sexuais masculinos em seus usuários. São eles, o crescimento de barba, acne, calvície, hipertrofia do clitóris, engrossamento da voz e certa agressividade.

Com o intuito de aperfeiçoar seus produtos, “as indústrias laboratoriais procuram a cada dia uma substância com maior efeito anabolizante e que causem um menor efeito virilizante, ou seja, ação apenas no ganho muscular”.

O médico frisa que independentemente desses efeitos virilizantes, o uso crônico de substâncias derivadas do hormônio masculino, salvo em portadores de deficiência desse hormônio, levam de alguma forma à impotência e infertilidade pela diminuição dos hormônios hipofisários FSH e LH (que no homem estimulam o testículo à produção de testosterona), com conseqüente atrofia testicular, muitas vezes irreversível.

Além disso, pode provocar o câncer de próstata, de fígado e ósseo; a rigidez muscular que normalmente provoca fraturas espontâneas; as lesões articulares, musculares e de tendão, entre outros.

Essas conseqüências passam a aparecer com maior freqüência, visto que, o uso do hormônio masculino, para se obter os resultados almejados deve ser utilizado em ciclos crônicos e contínuos, pois seus efeitos são efêmeros e fulgazes. Por outro lado, o médico acrescenta ainda que a interrupção no uso provoca a perda do volume muscular adquirido.

Hormônio do Crescimento

Dr. Celso Melo dos Santos acrescenta ainda que outras substâncias muito usadas hoje como anabolizantes são os HGH (hormônio do crescimento), hormônio que é produzido no ser humano pela hipófise que leva ao desenvolvimento da estatura de uma pessoa saudável.

Não possuindo unanimidade consensual em seu uso por pessoas que não apresentam deficiência do mesmo, o médico alerta que eles podem levar ao aumento da glicose, ocasionando a diabetes mellitus secundária, crescimento de partes moles (mandíbula, pés, mãos, etc.), hipertensão arterial e problemas cardíacos, muitas vezes irreversíveis devido ao aumento do coração;

Outro produto muito usado pelos cultuadores do corpo, segundo o médico é a insulina que é o hormônio produzido pelo pâncreas que leva a glicose do sangue para o interior das células. Seu uso pode levar a hipoglicemia durante exercício físico, com casos de acidentes fatais. Além disso, pode acontecer ainda o desenvolvimento de anticorpos que vão agir contra a insulina produzida pelo corpo, a insulina endógena, podendo levar seu usuário a desenvolver diabetes futuramente pela inatividade desse hormônio, como também, o aumento da arteriosclerose.

Alerta: Você pode estar correndo riscos

Segundo o especialista, a irresponsabilidade no uso de substâncias anabolizantes chega ao absurdo de algumas pessoas buscarem medicações e substâncias de uso veterinário sem o menor estudo em seres humanos.

Nas academias, o uso de suplementos alimentares com abuso de derivados protéicos, como por exemplo, a creatina, compostos vitamínicos, composto de aminoácidos, etc. Podem provocar uma sobrecarga renal devido ao fato dos aminoácidos serem excretados pelos rins. Estudos mostram que uma dieta saudável não deve ultrapassar 1 grama por quilo de peso de proteína – um bife de 100 gramas não tem 100 gramas de proteína, explica.

Outras práticas inadequadas são as dietas com baixo uso de carboidratos, dietas hiperproteícas e hipocalóricas com restrições menores de 1000 calorias diárias, substâncias termogênicas que supostamente aumentariam o metabolismo basal com aumento do gasto calórico e todo tipo de miscelânea e absurdos, sem nenhum embasamento científico, que pode levar a doenças graves como, por exemplo, a anemia, hipovitaminose (falta de vitaminas), desnutrição protéica calórica e suas conseqüências.

Para o médico, o que mais preocupa é o fato de o público alvo desses tratamentos – se é que podem ser assim denominados – são jovens e adolescentes com futuro pela frente e que pela pouca falta de vivência ou por se acharem imortais – um fenômeno típico da idade, não se importam com os riscos desde que seja atingido o resultado estético procurado.

Portanto, o que se espera das autoridades é o controle mais rígido, o combate à venda de medicações sem receita médica e a divulgação das conseqüências do uso e prática desses “absurdos”, a fim de conscientizar a população dos riscos e com isso diminuir as conseqüências quase sempre fatais, finaliza o especialista.

 ☻Mega Arquivo – Conhecimento é poder

Tecnologia – Como funciona o altímetro?


O instrumento mede a pressão atmosférica e transforma esse resultado em altitude. Ele é constituído por várias cápsulas aneróides, que nada mais são de que um fole, semelhante ao as sanfona, extremamente delicado. Quando esse fole é colocado ao nível do mar, a pressão do ar que está dentro dele é igual a do ar que está fora, e ele permanece em equilíbrio ou seja, marcando altitude zero. Em regiões mais altas, o ar é mais rarefeito e com isso, a pressão do ar que está fora diminui. O ar que está dentro dele então se expande e faz com que ele estique. Quanto mais alto estiver o avião, menor a pressão do ar e maior a expansão. Essa deformação move o ponteiro do altímetro, que indica a altitude da aeronave.

Fisiologia – O olfato


O mais intrigante e primitivo dos sentidos é também o menos conhecido da ciência. Graças ao olfato, aliado ao paladar, que se sentem as diferenças de sabores. Para a maioria das espécies de animais, o olfato é uma questão de vida ou morte. As gazelas são um exemplo: ao sentirem o cheiro do leão ou de outro carnívoro feroz, saem correndo antes do ataque. O nariz do homem acabou perdendo para qualquer focinho de animal. No ser humano, as células olfativas cobrem uma área de 10 cm quadrados do nariz, já no cachorro ocupam 25 e no tubarão, 60. O homem precisa, para perceber o cheiro do ácido acético, presente no vinagre, de 500 milhões de moléculas de tal substância por metro cúbico de ar; já no cachorro, só é necessário 200 mil. Uma pessoa produz cerca de 1 litro de suor por dia, desse apenas uma fração mínima passa pela sola do sapato, mesmo assim, cada passo deixa no chão cerca de 250 mil moléculas de ácido butírico, um dos componentes do suor. Com apenas 1 milésimo dessa quantidade, um cão pode sentir o cheiro, ele consegue farejar um rastro, mesmo quando a pessoa já passou a algum tempo e muitas moléculas já se evaporaram. A olfação é tão complexa que só no século passado foram formuladas cerca de 40 teorias diferentes a respeito de seu funcionamento. A variedade de odores que um nariz pode reconhecer é colossal. Cada pessoa tem aproximadamente 25 milhões de receptores olfativos e todos eles podem ser diferentes entre si. É pelo cheiro que quase s totalidade dos machos ficam sabendo que uma fêmea está no cio. As mariposas parecem imbatíveis: um macho pode sentir o cheiro de uma fêmea a 2 km de distância. Numa pesquisa, foi verificado que uma a cada 4 pessoas com perda total de olfato tem problemas de desempenho sexual. A metade do sabor é o cheiro. As papilas gustativas da língua, que sentem o gosto das coisas, identificam apenas 4 sabores básicos – o doce, o amargo , o azedo e o salgado. A diferença entre um pudim de leite e um copo de vinho por exemplo é dada pelo cheiro de cada um. Pesquisas sugerem que a capacidade de cheirar se desgasta com o tempo, mesmo quando o indivíduo é são.