Aurora, um espião a 8 mil km por hora


O avião invisível americano

No começo de 1992, várias testemunhas em Nevada e na Califórnia afirmaram ter ouvido ruídos fortes e as vezes pulsantes, causados por aeronaves não identificadas. A força aérea americana fez de tudo para que os segredos do F19 não fossem descobertos e contra toda a lógica, o caça invisível levou o nome de F117A, uma sigla completamente fora de sequência de seus outros aviões militares. O avião indetectável aos radares é anguloso e não arredondado, como se supunha. Seu motor é um ou vários estatopulsorreatores. Esse motor nada mais é que um tubo aberto nas extremidades, dentro do qual se injeta um combustível que é queimado imediatamente, cujos gases resultantes são ejetados pela extremidade traseira. O ar para a combustão penetra pela dianteira e para comprimir a mistura aproveita a pressão dinâmica do próprio ar, absorvido pelo avanço do motor do avião. Porém, todas as aeronaves impulsionadas por esses motores, ou são lançadas por outras já em vôo, ou dispõem de outros meios de decolagem. Geralmente utilizam foguetes aceleradores conhecidos como bosters. Quando colocam a aeronave na altitude adequada, estes se desprendem ou são expulsos, eliminando-se assim um peso morto. Motores semelhantes foram usados pelos alemães nas famosas bombas V1 na 2ª guerra mundial. Consiste de um tubo cuja parte dianteira se encontra uma camada de combustão e o ar penetra pela abertura dianteira, ela se fecha em um ciclo para permitir a queima da mistura de ar combustível. Seu ruído característico fez os britânicos as chamarem de V1, de Bomba Zumbidora.

Acidente em Congonhas – Airbus 320-Cronologia


Cronologia 17h16- O vôo JJ 3054 da TAM decola do Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, em uma aeronave Airbus A320. 18h50 – A aeronave não consegue realizar a manobra na pista e derrapa.
O avião atravessa a avenida Washington Luis, colide com o depósito de cargas da TAM e provoca um incêndio no local. 19h13 – Os Bombeiros chegam ao local para tentar controlar o fogo. 19h20 – A Secretaria de Segurança Pública de São Paulo confirma que 176 pessoas estavam a bordo.- 20h14 – TAM divulga nota oficial sobre o acidente. 20h23 – Familiares que estavam no Aeroporto Salgado Filho a espera de informações se desesperam e segurança precisa ser reforçada. 20h24 – Os bombeiros retiram o primeiro corpo do local. 20h25 – Aeronáutica começa a apuração das causas do acidente. 20h37 – Seis vítimas são retiradas com vida do local. Elas apresentam queimaduras graves. 20h40 – Surge a suspeita de que um deputado do Rio Grande do Sul estaria no vôo. 20h45 – Um controlador da torre de Congonhas informa que os pilotos receberam um aviso sobre as condições da pista do aeroporto, que estava escorregadia devido à chuva. 20h50 – O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, chega ao local do acidente. 20h55 – Três vítimas que estavam no prédio da TAM são atendidas em hospital. 21h03 – Testemunha afirma que avião teria pousado com a asa inclinada. 21h14 – A Secretaria estadual de Saúde confirma que oito vítimas foram socorridas com vida. 21h19 – TAM divulga segunda nota sobre o acidente. 21h25 – A Polícia Militar afirma que ainda há riscos de explosões na área do acidente. 21h29 – O governador do Estado de São Paulo, José Serra, chega ao local do acidente. 21h37 – TAM confirma que o Airbus A320 levava 176 . 22h01 – Os agentes do Instituto Médico Legal (IML) começam a fazer a retirada dos corpos e alguns carros do IML estão deixando o local do acidente. 22h17 – Quinze homens da Tropa de Choque da Polícia Militar chegam ao Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, para reforçar a segurança do local. Familiares tentaram invadir três vezes o setor de informações da empresa. 22h20 – O comandante da Aeronática, brigadeiro Juniti Saito chega ao Aeroporto de Congonhas. 22h25 – Quatro hospitais se mobilizam para atender as vítimas. 22h46 – TAM divulga terceiro comunicado oficial dizendo que informará o nome das vítimas primeiro para as famílias. 22h46 – O governador de São Paulo, José Serra, afirma que as chances de sobreviventes é quase zero. 23h02 – O presidente da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira, chega ao aeroporto de Congonhas. 23h03 – Serra diz que os bombeiros informaram que a temperatura do avião teria chegado a 1.000º C. 23h15 – Seis corpos estão no Instituto Médico Legal (IML) de São Paulo. Quinze legistas foram acionados para ajudar os funcionários do instituto na identificação dos corpos. 23h25 – O governador de São Paulo afirma que a tragédia era anunciada, poderia ser imaginado com antecedência. 23h25 – O governo federal decreta três dias de luto oficial pelas vítimas do acidente. 23h29 – O incêndio continua. 23h41 – Trinta corpos carbonizados são retirados do edifício atingido pelo avião. 23h42 – O deputado Júlio Redecker é confirmado como um dos mortos no acidente. 23h42 – A Justiça de Porto Alegre está tentando uma medida para obrigar a TAM a liberar a lista de nomes dos passageiros do vôo JJ 3054. 23h49- Começa a remoção de corpos no local do acidente. Os bombeiros entram nos locais onde estão boa parte das ferragens do avião. 0h13 – Chegaram ao local do acidente o Secretário de Segurança Pública de São Paulo, Ronaldo Marzagão, e o chefe da Polícia Civil, Mário Jordão de Toledo Leme. 0h16 – O coordenador da Defesa Civil de São Paulo, Jair Paca de Lima, afirmou que 27 residências foram interditadas em um raio de dois mil metros do local do acidente. 0h24 – O capitão do Corpo de Bombeiros Mauro Lopes disse que foram retirados de dentro do avião 25 corpos carbonizados. 0h31 – A Secretaria de Segurança de São Paulo divulgou o número oficial de 40 mortos. 0h42 – A TAM divulga os nomes das pessoas que estavam no avião. 0h58 – Familiares em Porto Alegre se revoltam com falta de informações. 1h11 – Familiares pedem TV para acompanhar a divulgação dos nomes por uma emissora de TV já que a TAM não divulga oficialmente a lista para os parentes. 1h14 – Novo risco de desabamento no prédio da TAM preocupa bombeiros. 1h18 – Um oficial de Justiça chega ao Aeroporto Salgado Filho com uma liminar para exigir a liberação da lista dos passageiros. 1h20 – O presidente da Câmara dos Deputados, Arlindo Chinaglia (PT-SP), chega ao aeroporto. 1h44 – TAM divulga a lista completa das pessoas que estavam a bordo do Airbus A320. 1h47 – O capitão do Corpo de Bombeiros confirmou o número oficial de 39 corpos retirados da aeronave. 2h38 – A TAM vai disponibilizar suporte necessário para que as famílias dos passageiros do vôo JJ 3054 viajem de Porto Alegre a São Paulo para agilizar. 2h59 – A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) divulgou nota na madrugada desta quarta-feira lamentando o acidente com o Airbus da TAM. 3h50 – A caixa-preta do avião é encontrada.

Mega Catástrofes – Acidente em Congonhas


Mega Catástrofes – Acidente em Congonhas

•31-10-1996 – O Fokker 100 da Tam que fazia o vôo 402 entre SP e RJ, caiu no Jabaquara após decolar em Congonhas. O total de vítimas fatais foi 99. Foram também atingidos prédios e casas.
•5-11-1996 – As primeiras indenizações começaram a ser pagas pelo Unibanco Seguros.
•2-11-1996 – Foi aberta a caixa preta, que mostrou que o reverso direito, que é uma espécie de ré da turbina, usado como freio nos pousos, estava destravado desde que o avião ligou os motores.
•06-07-1997 – A Aeronáutica reconheceu pela primeira vez a falha no projeto do Fokker. O acionamento do reverso possibilitou a falha que colaborou com a queda do avião.
•11-12-1997 – A Aeronáutica divulgou oficialmente um relatório isentando a Tam de responsabilidade e apontando o principal responsável como sendo a fábrica holandesa Fokker, por deficiências no projeto do Avião. O piloto também teria falhado. A partir daí, a Tam vem sendo condenada a pagar diversas outras indenizações.

Aviação–Conhecendo o Airbus A320 do acidente de Congonhas


A 320 da Tam

É um terceiro filho no consórcio multinacional Airbus Indústrie, cujos A300 e A310 transportam 200 mil passageiros por dia com mil decolagens a cada 70 segundos pelo mundo afora. Ao contrário do supersônico francês, o Concorde, descrito como o maior fiasco da indústria ocidental, o A320 foi o aparelho que mais encomendas teve, antes mesmo de levantar vôo. Nele, dúzias de painéis, com mostradores rotativos foram eliminados e apresenta painéis com telas onde a informação aparece de maneira clara e em cores vivas. Parte de seu material é de fibra de carbono, reduzindo 18% do peso e economizando 600 mil dólares emj cada aparelho. O pesado aparato mecânico foi trocado por um afiado sistema de controle eletrônico. O projeto fora dividido em 5 fatias principais, cada uma desenvolvida por uma das 5 associadas. Uma infinidade de cálculos, ajustes e correções antecedeu o sinal verde para a construção do protótipo, que foi testado em vôo real, sem simulador.